Equipe italiana comemora a dobradinha no Bahrein. Foto: Scuderia Ferrari

Equipe italiana comemora a dobradinha no Bahrein. Foto: Scuderia Ferrari

A temporada de 2022 não poderia ter começado melhor para a Ferrari.

A dobradinha no Bahrein, com Leclerc e Sainz, foi até mais do que ela mesmo esperava, muito em função dos problemas da única rival (que tem até o momento), a Red Bull.

Sim, porque a outra que em tese poderá ser páreo neste ano, a Mercedes, só conseguiu um pódio com Hamilton e o quarto lugar com Russell, justamente por conta dos percalços da Red Bull.

Mas, se a Ferrari quiser quebrar o jejum de títulos que dura desde 2007, ano em que o insosso Raikkonen foi campeão, precisará continuar trabalhando duro, como parece mesmo que fez ao longo de 2021, visando o novo regulamento, enquanto Red Bull e Mercedes brigavam como gato e rato pelo Mundial.

E, não apenas no desenho do carro, mas também no belo V6 turbo e todas as traquitanas elétricas que compõe uma receita vitaminada que mostrou ser tão boa a ponto de outras equipes impulsionadas por ele, também terem cumprido bom papel na corrida, casos da Haas e Alfa Romeo.

A pré-temporada deu pistas claras que a F1-75 nasceu muito bem, não era fogo de palha.

Já vi algumas temporadas começarem auspiciosas para alguns times, como foi em 1979 com a francesíssima Ligier, que venceu os dois primeiros GPs daquele ano com Jacques Laffite, na Argentina e no Brasil, com direito a dobradinha em Interlagos (Depailler foi o segundo).

Depois, ao longo das 13 corridas restantes, apenas mais uma vitória, com Depailler na Espanha, e o começo absolutamente azul para o time azul comandado por Guy Ligier, virou fumaça, como se a ciganinha que estampava seus carros tivesse tragado maços e mais maços do estoura peito da Gitanes, a cigarreira que patrocinava o time.

Laffite e Depailler no GP do Brasil de 1979, em Interlagos. Dobradinha do time francês na segunda etapa da temporada, após vitória de Laffite na prova anterior, em Buenos Aires. Mas a quipe não conseguiu manter-se forte durante o ano. Foto: Divulgação

Outra que deu com os burros n´água foi Wolf, dois anos antes, com seu único piloto, Jody Scheckter, que começou a temporada vencendo justamente na estreia da equipe, no GP da Argentina.

Ele venceu apenas mais duas corridas e, ainda assim, foi o vice-campeão, superado apenas pela Ferrari de Niki Lauda.

Em contrapartida, o começo avassalador da Brawn-GP em 2009 acabou com quase todos os louros possíveis, vencendo entre os pilotos com Button e terminando como campeã entre os construtores. Só não foi mais brilhante porque Barrichello terminou em terceiro.

A Red Bull viveu contratempos inesperados nesta prova de abertura da temporada de 2022, pelo que se sabe, até agora, problemas de alimentação de combustível.

De qualquer forma, Verstappen não parecia ter ritmo suficiente para acompanhar Leclerc.

Quanto à Mercedes, possivelmente será necessário muito esforço para transformar o W13 em um carro competitivo.

Apenas ter um carro confiável, como demonstrou ter em Sakhir, não será o suficiente.

E que ninguém se anime com a Haas terminando em quinto e a Alfa Romeo em sexto. 

E esqueçam possíveis "roubadas de cena" da McLaren ou da Alpine.

O campeonato deste ano terá Ferrari, Red Bull e Mercedes na luta.

O único entrave que se pode imaginar para a Ferrari, se continuar navegando tranquila, de velas enfunadas, é uma eventual disputa interna entre seus pilotos.

Mas, nesse quesito, a Ferrari tem longa tradição em sempre privilegiar um em detrimento do outro.

Sorte de Leclerc, o querido o time de Maranello.

Domingo que vem tem mais, o GP da Arábia Saudita.

Não haverá tempo para Red Bull e Mercedes terem se recuperado do nocaute que levaram da Ferrari.

Boa chance para os carros vermelhos abrirem mais vantagem na tabela.

E isso talvez seja fundamental lá no fim do ano.

COLUNAS ANTERIORES (CLIQUE E ACESSE)

Pré-temporada da Fórmula 1 será de verdades verdadeiras

O cheiro do Corcel

O Fusca azul

Hamilton ou Verstappen: Quem ganha e quem perde com o cancelamento do GP do Japão?

Dupla mais equilibrada deve fazer a Ferrari superar a McLaren

A exemplo da F1, futebol também poderia ter jogos mais curtos

Ou Ricciardo está em péssima fase ou Norris é um fenômeno

Carros bem e mal nascidos

433, Barão de Drumond

Cavalo arreado, mês das noivas, Mônaco e Indianápolis

O livro do Flavio Gomes

Dando a partida no carro dos sonhos

O 1º de abril, Lauda e o meu doce Colegial

Aston Marin, Somente Para Seus Olhos

Pré-temporada da Fórmula 1 será de verdades verdadeiras

Molho condimentado na F1 em 2021

Vettel e sua paixão bem resolvida

É possível dizer não à Ferrari?

Gelada com pitada de doçura

Vettel e os bombons

A menina Mercedes

Interlagos a pé, de carro e uma música do Gilberto Gil

O menino que chora

Piloto caranguejo

Um piloto fictício, um autódromo e muitos carros eternizados na música brasileira

Calma Mick Schumacher, a viagem é longa e sua hora vai chegar

O capacete e a salvadora blusa lilás

Nosso campo de futebol no Saint Moritz, em Mairiporã. Ou uma pista de rali? E o Pequeninos do Jockey

No `vestibulinho´de fachada da Ferrari, Mick Schumacher tem o `gabarito´da prova...

Quando ganhar sempre não é bom

A Ferrari, o vinho e o verde

Ferrari deveria se espelhar na fábrica de Willy Wonka

Beleza da Fórmula 1 também está na desigualdade

Mercedes tem seu Calcanhar de Aquiles

Velozes, mas com ternura. Um contraponto à astronáutica

O homem e a máquina

A grande chance para Verstappen ser campeão na F1

Pé frio, eu?

O cadeado de 1994 em Interlagos

Minuano, o carro de Porto Alegre

Fórmula 1/3 merece textos na minha Lettera 22

Monsieur Binoto

Ferrari reencontra cartilha do Comendador

Neblina na Serra

Revista Recreio, meu Copersucar de papel e o Ricardo Divila

Jacarepaguá, calor infernal e uma camisa preta

O próximo abraço

Quase toda F1 `deu de ombros´ao apartheid em 1985 

Corrida na areia

Verdades e mentiras

Safras e safras de sonhos

Ao sabor do vento

Criatividade em baixa?

E o Oscar da F1 vai para...

Deu pra ti, Alonso? 

Maranello em polvorosa?

Verstappen, Red Bull e o `tudo ou nada´

Vettel e as redes sociais

Com qual heterônimo Max Verstappen será campeão de F1? 

O cheiro da Fórmula 1

Ferrari, Hamilton e o beijo de Klimt

O Quixote Brambilla e seus carros Rocinantes

A música que Raikkonen sempre cantou para a F1

Bernie, pilotos e equipes. Os bastidores de Interlagos

Acampamento, sala de imprensa e viagem à Lua

Novo carro da F1 dará um `salto´de 22 anos. Para trás...


     

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOUTUBE

 

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa