Emil Jellinek e sua filha, cujo nome foi adotado no carro. Foto: Divulgação

Emil Jellinek e sua filha, cujo nome foi adotado no carro. Foto: Divulgação

O austríaco Emil Jellinek, rico industrial que se aventurou nas competições automobilísticas, não como piloto, mas formando uma equipe, comprava carros de uma empresa fundada pelos alemães Gottlieb Daimler e Karl Benz.

Jellinek contava com um profissional de primeira em sua empresa, o designer William Maybach.

É claro que o (a) leitor (a) que chegou até aqui, certamente encontrou familiaridade com alguns destes nomes, talvez todos.

A Daimler-Benz é uma gigante do meio automotivo, e Maybach é um dos braços da empresa, uma divisão que fabrica a linha mais sofisticada do grupo alemão.

Jellinek, não satisfeito com o desempenho dos carros construídos por Daimler e Benz, recrutou sua equipe, incluindo William Maybach, para uma apimentada nos bólidos.

E os carros passaram a ganhar corridas, tornaram-se os "bicho-papões" do início de 1900.

Assim, foi um passo para que Jellinek resolvesse batizar seus carros de corrida com um nome que veio a calhar muito bem: Mercedes.

Este era o nome de sua filha nascida 11 anos antes, Mercedes Jellinek.

Primeiro carro batizado com o nome Mercedes, o modelo 35 PS. Foto: Divulgação

Gotieb Daimler e Karl Benz gostaram tanto do "rebatismo", que chegaram a um acordo com Emil Jellinek e os carros, todos, não apenas os de competição, passaram a se chamar Mercedes-Benz.

Dali em diante, a história é bem conhecida, e a Mercedes-Benz tornou-se uma das marcas mais respeitadas e cobiçadas do mundo.

Mesmo que você nunca tenha andado em um carro da Mercedes, possivelmente já andou em um ônibus estampando a estrela de três pontas...

E, nem sequer desconfiava, que o nome Mercedes vem de uma menininha austríaca que era o xodó do seu pai.

Mas, é bom esclarecer, que esta Mercedes da Fórmula 1, nada tem a ver com a Mercedes fundada no começo do século passado.

Esta é fruto da compra da Brawn-GP, no final de 2009.

A Mercedes havia estado antes na Fórmula 1, de forma vitoriosa também, em 1954 e 1955 com o biacampeonato do argentino Juan Manuel Fangio.

Nesta semana, o jovem George Russell, um dos mais promissores de sua geração, ganhou uma Mercedes de presente.

Não é bem assim...

Ganhou o direito de guiar o carro de Lewis Hamilton (com covid-19), no fim de semana do GP de Sakhir.

Russel foi emprestado pela Williams, que corre com motores da Mercedes, daí o acordo ficou fácil.

Nem sei se Russel conhece a história da menina Mercedes, que aos 11 anos, sem querer, deu o nome do seu carro...

Mercedes, hoje, é um nome mais cobiçado que outro que povoa o imaginário dos apaixonados por carros e corridas: Ferrari.

Se eu fosse o Russell, independente de um grande resultado na corrida, me comprometeria, logo depois do GP, a levar flores ao túmulo de Mercedes, que morreu jovem, aos 39 anos, vítima de um câncer ósseo.

E escreveria um bilhete: 

"Obrigado, menina Mercedes!"

Túmulo de Mercedes Jellinek, no Cemitério Central de Viena (Áustria). Foto: Divulgação

 

COLUNAS ANTERIORES (CLIQUE E ACESSE)

Interlagos a pé, de carro e uma música do Gilberto Gil

O menino que chora

Piloto caranguejo

Um piloto fictício, um autódromo e muitos carros eternizados na música brasileira

Calma Mick Schumacher, a viagem é longa e sua hora vai chegar

O capacete e a salvadora blusa lilás

Nosso campo de futebol no Saint Moritz, em Mairiporã. Ou uma pista de rali? E o Pequeninos do Jockey

No `vestibulinho´de fachada da Ferrari, Mick Schumacher tem o `gabarito´da prova...

Quando ganhar sempre não é bom

A Ferrari, o vinho e o verde

Ferrari deveria se espelhar na fábrica de Willy Wonka

Beleza da Fórmula 1 também está na desigualdade

Mercedes tem seu Calcanhar de Aquiles

Velozes, mas com ternura. Um contraponto à astronáutica

O homem e a máquina

A grande chance para Verstappen ser campeão na F1

Pé frio, eu?

O cadeado de 1994 em Interlagos

Minuano, o carro de Porto Alegre

Fórmula 1/3 merece textos na minha Lettera 22

Monsieur Binoto

Ferrari reencontra cartilha do Comendador

Neblina na Serra

Revista Recreio, meu Copersucar de papel e o Ricardo Divila

Jacarepaguá, calor infernal e uma camisa preta

O próximo abraço

Quase toda F1 `deu de ombros´ao apartheid em 1985 

Corrida na areia

Verdades e mentiras

Safras e safras de sonhos

Ao sabor do vento

Criatividade em baixa?

E o Oscar da F1 vai para...

Deu pra ti, Alonso? 

Maranello em polvorosa?

Verstappen, Red Bull e o `tudo ou nada´

Vettel e as redes sociais

Com qual heterônimo Max Verstappen será campeão de F1? 

O cheiro da Fórmula 1

Ferrari, Hamilton e o beijo de Klimt

O Quixote Brambilla e seus carros Rocinantes

A música que Raikkonen sempre cantou para a F1

Bernie, pilotos e equipes. Os bastidores de Interlagos

Acampamento, sala de imprensa e viagem à Lua

Novo carro da F1 dará um `salto´de 22 anos. Para trás...


     

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOUTUBE

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa