Corrida sprint foi legal e deveria servir de exemplo para o mundo da bola. Foto: F1/Twitter

Corrida sprint foi legal e deveria servir de exemplo para o mundo da bola. Foto: F1/Twitter

Eu estava curioso para saber o que aconteceria na corrida sprint da Fórmula 1, que definiu o grid para o GP da Grã-Bretanha.

Errei feio em meu prognóstico inicial, pois achei que seria uma procissão, todo mundo com medo de todo mundo, um 0 a 0 de amargar, tipo alguns jogos de futebol em que ficamos cochilando, refestelados, babando no braço do sofá...

Não foi.

Desde a largada, Verstappen mostrou um apetite voraz, deixou Hamilton para tras e liderou as 17 voltas.

Alonso também foi espetacular, segurando, até o quanto pôde, os dois carros da McLaren, após largar em 11º e completar o primeiro giro em quinto.

Que pena que o espanhol não tenha um carro vencedor nas mãos.

Sem bola de cristal, suponho que a iniciativa, hoje restrita a três GPs nesta temporada (Grã-Bretanha, Itália e, talvez, São Paulo), será adotada em mais provas no ano que vem.

Vamos ver, a primeira impressão foi boa, mas não pode haver exageros.

No futebol, por exemplo, algumas inovações foram bem-vindas. 

O goleiro não poder usar as mãos nas atrasadas de bola foi das melhores.

Sou frontalmente contrário ao VAR, pelo menos nos moldes atuais.

Tecnologia, acho, somente para saber se a bola entou ou não, e o resto deveria ser decidido pelo árbitro e seus dois assistentes no campo. Só.

Há um certo tempo, antes mesmo da adoção das corridas sprint na Fórmla 1, eu comentava com amigos que acho os jogos de futebol muito longos, salvo exceções de praxe.

Por 90 minutos ficar diante de uma tevê, ou em um estádio, pode ser extremamente prazeroso ou um verdadeiro martírio.

Aqueles 0 a 0, com raríssimos chutes a gol, três zagueiros e três volantes em cada time, um centroavante perdido no meio dos beques...

Haja paciência...

Vejo equipes precisando da vitória mas entrando em campo com esse tipo de formação, apostando em "jogar por uma bola".

Se a tática não dá certo, aí, lá pelos 35 do segundo tempo, enchem o time de atacantes, que ficam mais perdidos que cachorro em dia de mudança, sem ninguém para lhes servir bolas de qualidade.

No final da partida, os treinadores desfilam o insuportável tatiquês, com "linhas altas", "volância", "quebrar linhas"...

Para dinamizar as coisas, acho que poderiam, em alguns torneios, serem adotadas partidas mais curtas, cada tempo com 30 minutos corridos.

Os times teriam de ser mais agudos, buscar o resultado com mais intensidade.

A exemplo da Fórmula 1, talvez o futebol devesse adotar "jogos sprint".

Naquela tendência do "menos é mais", certo?

******************************

COLUNAS ANTERIORES (CLIQUE E ACESSE)

Ou Ricciardo está em péssima fase ou Norris é um fenômeno

Carros bem e mal nascidos

433, Barão de Drumond

Cavalo arreado, mês das noivas, Mônaco e Indianápolis

O livro do Flavio Gomes

Dando a partida no carro dos sonhos

O 1º de abril, Lauda e o meu doce Colegial

Aston Marin, Somente Para Seus Olhos

Pré-temporada da Fórmula 1 será de verdades verdadeiras

Molho condimentado na F1 em 2021

Vettel e sua paixão bem resolvida

É possível dizer não à Ferrari?

Gelada com pitada de doçura

Vettel e os bombons

A menina Mercedes

Interlagos a pé, de carro e uma música do Gilberto Gil

O menino que chora

Piloto caranguejo

Um piloto fictício, um autódromo e muitos carros eternizados na música brasileira

Calma Mick Schumacher, a viagem é longa e sua hora vai chegar

O capacete e a salvadora blusa lilás

Nosso campo de futebol no Saint Moritz, em Mairiporã. Ou uma pista de rali? E o Pequeninos do Jockey

No `vestibulinho´de fachada da Ferrari, Mick Schumacher tem o `gabarito´da prova...

Quando ganhar sempre não é bom

A Ferrari, o vinho e o verde

Ferrari deveria se espelhar na fábrica de Willy Wonka

Beleza da Fórmula 1 também está na desigualdade

Mercedes tem seu Calcanhar de Aquiles

Velozes, mas com ternura. Um contraponto à astronáutica

O homem e a máquina

A grande chance para Verstappen ser campeão na F1

Pé frio, eu?

O cadeado de 1994 em Interlagos

Minuano, o carro de Porto Alegre

Fórmula 1/3 merece textos na minha Lettera 22

Monsieur Binoto

Ferrari reencontra cartilha do Comendador

Neblina na Serra

Revista Recreio, meu Copersucar de papel e o Ricardo Divila

Jacarepaguá, calor infernal e uma camisa preta

O próximo abraço

Quase toda F1 `deu de ombros´ao apartheid em 1985 

Corrida na areia

Verdades e mentiras

Safras e safras de sonhos

Ao sabor do vento

Criatividade em baixa?

E o Oscar da F1 vai para...

Deu pra ti, Alonso? 

Maranello em polvorosa?

Verstappen, Red Bull e o `tudo ou nada´

Vettel e as redes sociais

Com qual heterônimo Max Verstappen será campeão de F1? 

O cheiro da Fórmula 1

Ferrari, Hamilton e o beijo de Klimt

O Quixote Brambilla e seus carros Rocinantes

A música que Raikkonen sempre cantou para a F1

Bernie, pilotos e equipes. Os bastidores de Interlagos

Acampamento, sala de imprensa e viagem à Lua

Novo carro da F1 dará um `salto´de 22 anos. Para trás...


     

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOUTUBE

 

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa