Max Verstappen, talentoso, mas andando de lado. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

Max Verstappen, talentoso, mas andando de lado. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

Um amigo do meu pai, o Alberto, tinha uma casa em Caraguatatuba.

Era uma casa térrea, estilo chalé suíço, enorme e linda, com portas e janelas de madeira envernizadas.

A frente era toda gramada e havia um espaço na parte lateral para uns quatro ou cinco carros.

Na varanda, ampla, ganchos para pendurar duas redes.

Eu sempre andava com uma bola debaixo do braço ou, quando não estava assim, estava controlando a dita cuja, fazendo embaixadinhas infinitas, uma habilidade que espantava, que começara lá pelos meus quatro anos de idade.

Em Super 8, tenho umas imagens marcantes desta varanda.

Eu ali, fazendo embaixadinhas, e meu pai me dando uns "cascudos" de leve... Ele havia pedido para que eu não jogasse bola naquele lugar, temeroso que eu quebrasse alguma vidraça...

Foi, digamos, uma varanda da discórdia, entre mim e o meu querido pai.

Ele tinha lá a sua razão, fui desobediente.

Mas eu nunca quebraria nada, eu era bom (ainda sou) com esta habilidade futebolística.

Vou parar de lançar confete para mim e jogar no meu saudoso pai.

Íamos para Caraguatatuba em uma espécie de troca que meu pai fazia com seu amigo Alberto.

Meu pai emprestava o apartamento da Praia Grande para ele, esposa e filhos e minha família se acomodava na casa dele em feriados prolongados.

Em uma dessa vezes fomos para lá com a companhia de um tio e uma tia.

No porta-luvas da Caravan Comodoro bege, placas FU-8536, um atualizado "Guia 4 Rodas", nosso Waze da década de 80 que servia de cicerone para nossos passeios.

Meu pai era inquieto, queria conhecer tudo.

Uma noite, na sala, ficou elaborando o roteiro do dia seguinte: sairíamos de Caraguá, atravessaríamos as mais de 70 praias de Ubatuba com destino final em Paraty, já em areias cariocas.

Acordamos cedo e lá fomos nós, em cinco na Caravan, meu pai, minha mãe eu e meus dois irmãos, e no Corcel vermelho do meu tio, ele e minha tia.

Querem um exemplo do quanto meu pai era legal?

Ele ia na frente e não deixava meu tio pagar os pedágios. 

Também não aceitava rachar a conta com nenhum dos seus convidados.

Mais que isso, meu pai era amável com todos, independente das despesas que fazia questão de assumir.

No caminho, no toca-fitas TKR, dial sintonizado na ótima Rádio Oceânica FMque segue firme e forte até hoje, sem ter se rendido às rimas fáceis do sertanejo ou alocada às pregações religiosas dizimistas.

Repertório de MPB pra lá de bom, com Tim Maia cantando "O Descobridor dos 7 Mares", Lulu Santos afiado na guitarra com sua "Tudo com você" e meus queridões Kleiton & Kledir derramando poesia com "Paixão", "Nem Pensar" e "Viva".

"Tudo com você" apertava o meu coração.

A menina da blusa de nylon lilás do meu colegial tinha falado que iria morar nos Estados Unidos, e eu ficava com os olhos marejados com aquele trecho da canção que diz: "Não vá para Nova York amor, não vá..."

Chegamos antes das 9h em Paraty e o dia estava carrancudo.

Céu nublado e garoa fina, o que deixou a impressão de que as suas praias não eram tão encantadoras como as outras que eu já havia conhecido, principalmente as de Ilhabela.

Almoçamos em um restaurante chamado "Palhoça", uma casa antiga como todas as de Paraty, branca com janelas azuis. Comi lasanha à bolonhesa, destoando de todos à mesa, que mergulharam numa caldeirada de frutos do mar.

Paraty me deu a sensação clara de que a qualquer momento eu veria o maquiavélico Leôncio correndo atrás da pobre Isaura, ávido para lhe dar umas chibatadas. Parece cenário de novela mesmo.

Sem muito a fazer por lá, tomamos sorvete na praça principal depois do almoço e em seguida deixamos aquelas ruas de paralelepípedos úmidos para trás, e voltamos para Caraguá.

Considerando que meu dia havia sido praticamente perdido, peguei a bicicleta do filho do Alberto logo que chegamos em casa e fui dar uma volta pela cidade, desde a Praia do Indaiá até a Praia da Freira, trajeto que venci em uns 20 minutos.

Praia absolutamente deserta, areia de pedrinhas minúsculas e quase sem ondas.

Um pôr do sol digno de cartão postal.

Deixei a bicicleta encostada em uma árvore, dei uma volta pela pequena orla e fui presenteado com a beliscada de um caranguejo.

Pequena beliscada, mas suficiente para furar o dorso do meu pé e provocar um pequeno sangramento.

Lépido, o caranguejo saiu andando de lado, como todos os caranguejos.

Como sou canceriano, nem fiquei com tanta raiva do meu bichinho zodiacal, afinal era eu o intruso, aquele que invadiu o seu espaço.

Água salgada cura quase tudo, e em pouco tempo o sangue parou de verter e meu machucado estava resolvido.

Pedalei sem problemas no regresso para casa, já anoitecendo.

Depois do jantar fui para a varanda, a varanda da discórdia entre mim e o meu pai.

Esperto, desta vez não fiquei fazendo embaixadinhas por ali...

Deitado na rede, munido de outras duas paixões, papel e caneta, escrevi o poema com o qual fiquei em segundo lugar no concurso de poesias do Gonçalves Dias.

Uma história de amor, tendo como musa inspiradora a menina da blusa de nylon lilás.

Ah, para não dizer que não falei de automobilismo hoje, acho que Max Verstappen é um piloto caranguejo.

Enquanto estiver na Red Bull vai ficar andando de lado, por mais talentoso que seja.

Eu o acho mais talentoso que Lewis Hamilton, inclusive.

Apenas não tem em mãos um carro com o pedigree da Mercedes.

Está na hora, ou já passou, deste moço guiar para uma equipe que lhe dê chances para ser campeão.

Ou pelo menos vice, como eu fui, graças à poesia que nasceu com um pôr do sol em Caraguatatuba.

Com tons de laranja e lilás...

COLUNAS ANTERIORES (CLIQUE E ACESSE)

Um piloto fictício, um autódromo e muitos carros eternizados na música brasileira

Calma Mick Schumacher, a viagem é longa e sua hora vai chegar

O capacete e a salvadora blusa lilás

Nosso campo de futebol no Saint Moritz, em Mairiporã. Ou uma pista de rali? E o Pequeninos do Jockey

No `vestibulinho´de fachada da Ferrari, Mick Schumacher tem o `gabarito´da prova...

Quando ganhar sempre não é bom

A Ferrari, o vinho e o verde

Ferrari deveria se espelhar na fábrica de Willy Wonka

Beleza da Fórmula 1 também está na desigualdade

Mercedes tem seu Calcanhar de Aquiles

Velozes, mas com ternura. Um contraponto à astronáutica

O homem e a máquina

A grande chance para Verstappen ser campeão na F1

Pé frio, eu?

O cadeado de 1994 em Interlagos

Minuano, o carro de Porto Alegre

Fórmula 1/3 merece textos na minha Lettera 22

Monsieur Binoto

Ferrari reencontra cartilha do Comendador

Neblina na Serra

Revista Recreio, meu Copersucar de papel e o Ricardo Divila

Jacarepaguá, calor infernal e uma camisa preta

O próximo abraço

Quase toda F1 `deu de ombros´ao apartheid em 1985 

Corrida na areia

Verdades e mentiras

Safras e safras de sonhos

Ao sabor do vento

Criatividade em baixa?

E o Oscar da F1 vai para...

Deu pra ti, Alonso? 

Maranello em polvorosa?

Verstappen, Red Bull e o `tudo ou nada´

Vettel e as redes sociais

Com qual heterônimo Max Verstappen será campeão de F1? 

O cheiro da Fórmula 1

Ferrari, Hamilton e o beijo de Klimt

O Quixote Brambilla e seus carros Rocinantes

A música que Raikkonen sempre cantou para a F1

Bernie, pilotos e equipes. Os bastidores de Interlagos

Acampamento, sala de imprensa e viagem à Lua

Novo carro da F1 dará um `salto´de 22 anos. Para trás...


     

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOUTUBE

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa