Olivier Panis e JR Hildebrand viveram experiências distintas, por F1 e Indy. Fotos: Divulgação

Olivier Panis e JR Hildebrand viveram experiências distintas, por F1 e Indy. Fotos: Divulgação

Duas frases, entre muitas que ouvi na infância: "Cavalo arreado só passa uma vez", e que "Maio é o mês das noivas".

A primeira é um alerta, de que não se deve perder uma chance de ouro na vida.

Pode ser uma oferta de trabalho (mesmo estando empregado), e até o "sim" a um pedido de casamento, (mesmo estando casado)...

Sobre maio ser tradicionalmente o "mês das noivas", fui pesquisar...

Não há um total consenso, mas o mais plausível é o fato de que no hemisfério norte, onde surgiu a tradição com maior peso, maio coincida com o início da primavera.

Depois de muito frio, com dias mais ensolarados e o desabrochar das flores, os banhos ficavam mais convidativos e perfumados.

Além disso, era possível celebrar em reuniões públicas, facilitando a logística dos casamentos...

Deixando a seara matrimonial de lado, maio é para mim o mês mais importante do ano em termos de automobilismo.

A explicação é fácil, pelas duas corridas que mais gosto, uma na Fórmula 1 e outra na IndyCar: o GP de Mônaco e as 500 Milhas de Indianápolis.

Ambas, em muitas edições, tiveram resultados surpreendentes e emocionantes.

Para não me alongar, citarei uma de cada.

Em 1996, o francês Olivier Panis triunfou com a também francesa Ligier, que amargava um jejum de vitórias desde o GP do Canadá de 1981, com o igualmente francês Jacques Laffite.

A Ligier sempre foi, até hoje é, a minha equipe favorita na Fórmula 1, mesmo que extinta.

Não é pelo fato de algo não existir mais que não possamos mais amar...

Amo os chocolates da Sönksen até hoje, especialmente o "Urso Branco*", assim como o desodorante Italian Pine, marcas que não mais existem...

Tenho algumas miniaturas da Ligier. A maior, escala 1/12, da JS 11 do Jacques Laffite que montei, um kit da Revell, uma outra, a JS37 do Thierry Boutsen, que ganhei da minha saudosa Márcia e a JS21 do Raul Boesel, que comprei em uma banca de jornal mais recentemente.

Eu e meu querido amigo Claudio Carsughi com a Ligier JS11, meu kit da Revell em escala 1/12. Foto: arquivo pessoal/Marcos Micheletti

O GP de Mônaco de 1996, vencido por Olivier Panis com sua Ligier Mugen-Honda, foi caótico e emocionante.

Choveu, muita gente graúda ficou pelo caminho, escorregando e batendo nos guard-rails do traçado do Principado, como Michael Schumacher e Mika Hakkinen. E Damon Hill foi lamentavelmente traído pelo forte motor Renault. Justamente ele, que buscava vencer no circuito onde seu pai, Graham Hill, com cinco conquistas, somente foi superado por Ayrton Senna.

A dramaticidade da corrida pode ser constatada pelo número de carros que recebeu a bandeira quadriculada: apenas três...

Panis, que largou em 14º, David Couthard (McLaren) e Johnny Herbert (Sauber). O quarto colocado, Heinz-Harald Frentzen (Sauber) terminou com uma volta a menos, sequer cruzando a linha de chegada, finalizando a prova no pit-lane...

Festa francesa no sul da França para Panis e minha querida Ligier em 19 de maio de 1996. 

A única de Panis na Fórmula 1 e a última das nove da Ligier...

Sobre as 500 Milhas de Indianápolis, corrida mais que centenária, não consigo esquecer a edição de 2011.

O norte-americano JR Hildebrand, assim como Olivier Panis em Mônaco/96, pintava como zebra das maiores, liderando a corrida na última volta, após largar em 12º.

Adotara uma estratégia arriscada ao extremo, conduzindo um dos carros da modesta equipe Panther, retardando ao máximo suas paradas para reabastecimento, único meio que encontrou para derrotar cobras criadas das estirpes de Helio Castroneves, Scott Dixon, Dario Franchitti e Tony Kanaan, entre outros.

Hildebrand tomou a liderança quando restavam sete voltas para a 200ª, última. Assumiu a ponta assim que outra zebra robusta, Bertrand Baguette rumou ao pit para um rápido reabastecimento, pois já estava andando apenas no "cheirinho" do etanol.

Porém, na última curva da última volta, ansioso, escolheu a parte suja da pista para ultrapassar o retardatário Charlie Kimball e bateu no muro com a lateral de seu carro, ainda tendo velocidade para cruzar a linha de chegada, mas em segundo lugar...

Dan Wheldon, que viria a morrer cinco meses depois na etapa disputada no oval de Las Vegas, acabou vencendo, liderando apenas os metros finais das 500 Milhas de Indianápolis.

JR Hildebrand, em sua estreia nas 500 Milhas de Indianápolis, amargou o segundo lugar mais doloroso de todos os tempos na tradicional prova...

Chorou ao deixar o carro, à beira da pista.

Olivier Panis, por sua vez, 15 anos antes, aproveitou sua mais clara chance de vitória na Fórmula 1, a única, conseguindo vencer o GP de Mônaco de 1996.

Hildebrand desperdiçou o "cavalo arreado" que passou por ele...

Há, porém, uma esperança, pois Hildebrand segue na ativa e vai disputar as 500 Milhas de Indianápolis deste ano, no próximo dia 30 de maio.

Minha torcida sempre será por ele, para que pulverize o dito popular de que "cavalo arreado só passa uma vez"...

Quem sabe, neste mês de maio, Hildebrand consiga se casar com a bela Indianápolis, após deixá-la no altar...

 

* "Urso Branco" era o chocolate mais vendido da Sönksen, extinta fábrica de chocolates que rivalizava com a Kopenhagen nos anos 70. A Sönksen ficava no bairro do Paraíso, zona sul de São Paulo, próxima de onde hoje está o Centro Cultural São Paulo. A título de curiosidade, há um chocolate que "lembra" razoavelmente o "Urso Branco": é o "Opereta", da Garoto, hoje disponível como bombom e também em tabletes.

Embalagem do chocolate "Urso Branco", da Sönksen. Imagem/Reprodução

 

******************************

COLUNAS ANTERIORES (CLIQUE E ACESSE)

O livro do Flavio Gomes

Dando a partida no carro dos sonhos

O 1º de abril, Lauda e o meu doce Colegial

Aston Marin, Somente Para Seus Olhos

Pré-temporada da Fórmula 1 será de verdades verdadeiras

Molho condimentado na F1 em 2021

Vettel e sua paixão bem resolvida

É possível dizer não à Ferrari?

Gelada com pitada de doçura

Vettel e os bombons

A menina Mercedes

Interlagos a pé, de carro e uma música do Gilberto Gil

O menino que chora

Piloto caranguejo

Um piloto fictício, um autódromo e muitos carros eternizados na música brasileira

Calma Mick Schumacher, a viagem é longa e sua hora vai chegar

O capacete e a salvadora blusa lilás

Nosso campo de futebol no Saint Moritz, em Mairiporã. Ou uma pista de rali? E o Pequeninos do Jockey

No `vestibulinho´de fachada da Ferrari, Mick Schumacher tem o `gabarito´da prova...

Quando ganhar sempre não é bom

A Ferrari, o vinho e o verde

Ferrari deveria se espelhar na fábrica de Willy Wonka

Beleza da Fórmula 1 também está na desigualdade

Mercedes tem seu Calcanhar de Aquiles

Velozes, mas com ternura. Um contraponto à astronáutica

O homem e a máquina

A grande chance para Verstappen ser campeão na F1

Pé frio, eu?

O cadeado de 1994 em Interlagos

Minuano, o carro de Porto Alegre

Fórmula 1/3 merece textos na minha Lettera 22

Monsieur Binoto

Ferrari reencontra cartilha do Comendador

Neblina na Serra

Revista Recreio, meu Copersucar de papel e o Ricardo Divila

Jacarepaguá, calor infernal e uma camisa preta

O próximo abraço

Quase toda F1 `deu de ombros´ao apartheid em 1985 

Corrida na areia

Verdades e mentiras

Safras e safras de sonhos

Ao sabor do vento

Criatividade em baixa?

E o Oscar da F1 vai para...

Deu pra ti, Alonso? 

Maranello em polvorosa?

Verstappen, Red Bull e o `tudo ou nada´

Vettel e as redes sociais

Com qual heterônimo Max Verstappen será campeão de F1? 

O cheiro da Fórmula 1

Ferrari, Hamilton e o beijo de Klimt

O Quixote Brambilla e seus carros Rocinantes

A música que Raikkonen sempre cantou para a F1

Bernie, pilotos e equipes. Os bastidores de Interlagos

Acampamento, sala de imprensa e viagem à Lua

Novo carro da F1 dará um `salto´de 22 anos. Para trás...


     

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOUTUBE

 

 

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa