O Inter representou o país e conquistou a primeira medalha olímpica do futebol

O Inter representou o país e conquistou a primeira medalha olímpica do futebol

O técnico Jair Picerni foi o escolhido para comandar a seleção brasileira nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, e estava com dificuldade para convocar a equipe, já que várias equipes estavam mais preocupadas com as finais do Campeonato Brasileiro.

A solução foi chamar como base o time do Internacional, que havia conquistado o Torneio Heleno Nunes, mas indo mal no Brasileirão foi eliminado da segunda fase. O primeiro convite tinha sido para o Fluminense, que não aceitou.

Foram chamados onze jogadores colorados: o goleiro Gilmar, o lateral-direito Luis Carlos Winck, o lateral-esquerdo André Luís, os zagueiros Pinga e Mauro Galvão, os meias Dunga, Ademir Kaefer, Tonho e Mílton Cruz, e os atacantes Paulo Santos, Kita e Silvinho.

Para completar o grupo foram convocados o goleiro Luis Henrique (Ponte Preta), o lateral-direito Ronaldo (Corinthians), o zagueiro Davi (Santos), o meia Gilmar Popoca (Flamengo) e o centroavante Chicão (Ponte Preta).

A primeira fase foi tranqüila, com vitórias de 3 a 1 sobre a Arábia Saudita, gols de Gilmar, Silvinho e Dunga, 1 a 0 na Alemanha Ocidental (que tinha Buchwald e Brehme), gol de Gilmar, e 2 a 0 no Marrocos, gols de Dunga e Kita.

Nas quartas-de-final, um encontro que parecia ser fácil se transformou em drama, após o empate de 1 a 1 contra o Canadá, com Gilmar fazendo o gol brasileiro. Após 0 a 0 na prorrogação a decisão foi para os pênaltis e o Brasil venceu por 4 a 2.

O adversário da semifinal era a sempre perigosa Itália, que tinha no time jogadores com Franco Baresi, Vierchwood, Tancredi, Bagni, Serena e Massaro e era dirigida por Enzo Bearzot, que tinha eliminado a seleção brasileira principal do mundial de 1982.

O Brasil abriu o marcador com Gilmar Popoca, mas Pietro Fanna empatou para os italianos. Na prorrogação um herói improvável, Ronaldo, reserva do Corinthians, e que só foi convocado pela contusão de Luis Carlos Winck, marcou o gol que classificou o Brasil.

A decisão seria contra a França, dirigida por Henri Michel e que tinha jogadores como Ayache e Xuereb. E mesmo jogando contra uma equipe inferior a da Itália, dessa vez não deu para o Brasil, a França marcou 2 a 0, com gols de Brisson e Xuereb e ficou com a medalha de ouro.

Mesmo assim, com uma preparação improvisada, e sem ser uma seleção de verdade, a equipe, com a base do Internacional, conquistou a primeira medalha olímpica da história do país, aquela que abriu caminho para tantas outras.

Clique no nome e saiba mais da carreira dos jogadores na seção Que Fim Levou?

 Em pé: Pinga, Gilmar, Mauro Galvão, Ademir, Ronaldo e André Luis. Agachados: Tonho, Dunga, Kita, Gilmar Popoca e Silvinho.

 Em pé: Júlio Espinosa (preparador físico), Luis Carlos Winck, Gilmar, Ademir, Mauro Galvão, Pinga e André Luis. Agachados: Paulo Santos, Dunga, Kita, Milton Cruz e Silvinho.

 

Em pé: Luis Carlos Winck, Gilmar, Pinga, Ademir, Mauro Galvão e André Luis. Agachados: Paulo Santos, Dunga, Kita, Milton Cruz e Silvinho.

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 San
    32
  • 2 Fla
    30
  • 3 Pal
    30
  • 4 Atl
    27
  • 5 São
    27
  • Veja tabela completa