Célio Silva

Ex-zagueiro do Inter e Corinthians

por Rogério Micheletti

Seu chute era um dos mais fortes do futebol brasileiro. O carioca Vagno Célio do Nascimento Silva foi o tipo do zagueiro xerife que ganhou destaque, principalmente, defendendo o Internacional (RS) e o Corinthians. "Brincavam que eu levava multa direto por causa de meus chutes. É que eles sempre passavam dos 80km por hora. Era 130, 140", diz o bem-humorado Célio Silva.
 
Nascido no dia 20 de maio de 1968, em Miracema (RJ), Célio Silva começou a jogar no Americano. Em 1988 foi contratado pelo Vasco, onde, como reserva de Quiñonez e Marco Aurélio, foi campeão brasileiro de 1989.
 
Pelo Internacional, o beque jogou de 1991 a 1993 e foi um dos ídolos da torcida colorada. Seu principal título conquistado pela equipe do Beira-Rio foi a Copa do Brasil de 92. Célio Silva, batendo pênalti, fez o gol que garantiu aquela competição ao time colorado. O Inter derrotou o Fluminense por 1 a 0. "Até hoje tem muitos amigos tricolores que reclamam do jogo. Mas o resultado foi justo", diz Célio Silva.
 
Negociado para o Caen, da França, em 93, ele retornou ao Brasil no ano seguinte para defender o Corinthians, que só tinha os gaúchos Pinga (ex-Inter e ex-companheiro de zaga de Célio no Internacional) e Henrique (ex-Grêmio, Portuguesa e União São João) para a zaga.
 
No alvinegro do Parque, Célio Silva também colecionou alguns títulos: Campeão da Copa do Brasil de 95; Campeão Paulista em 95 e 97. "Foi uma época muito boa. Fiz muitas amizades no Corinthians e ainda falo com vários ex-companheiros até hoje", conta Célio Silva.
 
Dispensado por Vanderlei Luxemburgo (optou em prestigiar o novato Cris), Célio Silva deixou o Corinthians em 98 e foi defender o Goiás. "Comprei o meu passe do Corinthians", diz. Também passou pelo Flamengo e pelo Atlético Mineiro. "Fui campeão em todas as equipes. Isso é bom", conta. Atualmente, Célio mora na Mooca, bairro tradicional de São Paulo, é dono de uma funilaria e técnico de jovens atletas.
 
Os números de Célio Silva no Timão, segundo o Almanaque do Corinthians, de Celso Dario Unzelte: 157 jogos, com 73 vitórias, 45 empates e 39 derrotas. Ele marcou 19 gols pró e 4 contra.
 
Em 2006, ele chegou a comandar o Paranavaí (PR), mas ficou pouco tempo. Foi substituído pelo experiente Gainete. Já em 2007, Célio assumiu o time da Força Sindical na disputa da Série B1 do Campeonato Paulista. No ano seguinte, resolveu montar seu próprio CT, o Centro de Treinamento Célio Silva, na cidade de Joanópolis (SP). "Quero ajudar a revelar novos talentos", fala o zagueiro, que foi eleito o "Canhão", do Brasileirão de 1995.
 
No final de março de 2010 assumiu o comando do Londrina, time que tem um ramo de café em seu distintivo, na cidade do norte do Paraná.
 
No dia 30 de setembro de 2014, o portal UOL publicou uma entrevista com o ex-jogador, confira:
 
Ameaçar os rivais era a arma de Célio Silva. "Meu alvo é a barreira"
 

Vanderlei Lima

Do UOL, em São Paulo

O juiz marcava falta perto da área e lá ia Célio Silva para a cobrança. Os torcedores do time do zagueirão se enchiam de esperança, os rivais de medo. Também por culpa dele, diga-se. Em entrevista ao UOL Esporte, o xerifão com passagens históricas por Inter e Corinthians conta que, em campo, avisava que ia mirar na barreira. Se errasse, aí sim ele poderia fazer o gol.

"Sempre tinha um pessoal que era transferido para outro clube e falava: "Bate fora, chuta para fora. Cuidado, não vai me acertar aqui não, tá?" E eu falava: "O meu alvo é a barreira. Se passar fica para o goleiro". Falava que me dava mais prazer acertar bolada na barreira do que fazer o gol", disse o ex-jogador, em entrevista ao UOL Esporte.

O chute forte sempre foi a grande arma de Célio Silva, que começou a carreira no Americano, no fim dos anos 1980, e rodou por outros oito clubes até pendurar as chuteiras. Seus melhores momentos foram no Inter e no Corinthians, quando conquistou duas Copas do Brasil, a primeira marcando gol de pênalti na decisão.

A especialidade dele, porém, eram as faltas. Ele conta 18 gols em uma carreira que ainda teve passagens pela seleção brasileira e clubes como Vasco, Flamengo e Atlético Mineiro, além de duas passagens rápidas pelo exterior.

Confira abaixo a entrevista completa de Célio Silva:

UOL Esporte: O que está fazendo hoje?

Célio Silva: Passei por uma cirurgia no joelho, uma correção na tíbia. Estou há três meses de muleta. Sou professor e coordenador de um projeto social chamado Esperança Esporte Clube, aqui na Mooca [bairro de São Paulo], onde a gente promove a molecada da favela da Vila Prudente. Além disso, estou cursando gestão desportiva na Faculdade Drummond.

UOL Esporte: Você ficou marcado pela potência do chute. Como surgiu isso? Você treinava muito?

Célio Silva: Isso aí é de família mesmo. Todos os meus irmãos chutam forte. Nós somos em nove irmãos, sendo cinco homens. Tirando o meu irmão o mais velho, que era goleiro - não chutava forte, mas batia muito bem na bola, todos os outros quatro chutavam forte. Inclusive tinha um que chutava até mais forte que eu. Isso aí é uma herança, é de genética mesmo. Eu nunca tive perna grossa, com tanto músculo para poder ocasionar isso.

UOL Esporte: Na Copa a gente viu o David Luiz fazer gol de falta com um chute forte. É parecido com você?

Célio Silva: Ele chuta diferente. No gol que ele fez [contra a Colômbia] ele tentou surpreender, tanto é que ele tentou de novo e não conseguiu outras vezes. Ali, pela posição e a distância, ninguém esperava que ele ia bater dessa forma. Normalmente é uma bola mais forte, nunca é uma bola bem direcionada. Ele foi muito feliz naquela batida, pegou mais com a parte de dentro do pé, não sei se é a característica dele. A bola subiu, passou bem próxima à barreira e deu uma caída muito rápida, mata o goleiro. Que eu me lembre, eu tenho só dois gols de bolas colocadas na minha carreira, um contra o Palmeiras e outro contra o Botafogo de Ribeirão Preto, jogando pelo Flamengo.

UOL Esporte: Tinha algum amigo que já tinha jogado com você que, sabendo do potencial do seu chute, não gostava de ficar na barreira?

Célio Silva: Sempre tinha um pessoal que era transferido para outro clube e falava: "Bate fora, chuta para fora. Cuidado, não vai me acertar aqui não, tá?" E eu falava: "O meu alvo é a barreira. Se passar fica para o goleiro". Falava que me dava mais prazer acertar bolada na barreira do que fazer o gol [risos]. Eu lembro que na época que eu fui para o Goiás, eu tinha saído do Corinthians e fomos jogar no Pacaembu. O Marcelinho Carioca falava: "Eu não vou entrar na barreira. Se tiver falta, eu não entro na barreira". Era a fama de chutar forte, e ao longo da minha carreira eu fiz 18 gols. Não são muitos, mas marcava pela força. A gente errava mais do que acertava, mas o problema é que quando marcava o gol ficava na história.

UOL Esporte: Você chegou a derrubar algum jogador durante uma partida ou treino?

Célio Silva: Sim, uma vez eu dei uma bolada no Cris, zagueiro, em um treino bem próximo, à queima roupa. Ele ficou com a marca da bola uns 20 dias [risos]. O Cris era branco demais, e na hora que ele levantava o shorts a gente via até os gomos da bola que estavam marcados na perna dele [risos]. O Cris disse: "Bom, agora não tem como te esquecer mesmo".

UOL Esporte: O que faltou para você se firmar na seleção brasileira?

Célio Silva: Eu via que a competição era muito grande. Se você olhar os zagueiros que tinha a seleção naquela época, a questão é que tinha muita qualidade. Hoje está difícil de você encontrar jogadores ponta firme. Você pegava a seleção e tinha Mozer, Aldair, Ricardo Gomes, Ricardo Rocha e daí por diante. Então era difícil você jogar naquela seleção, entendeu? Eu tive 22 convocações para a seleção brasileira. Para se ter uma ideia, quando eu fui para a seleção de base eu jogava no Americano de Campos, coisa que no passado não acontecia de jeito nenhum, então a disputa era muito grande. Não só na zaga, mas com a quantidade por posições o treinador podia escolher. Isso hoje é culpa da formação, antes nós tínhamos ex-atletas que eram treinadores, hoje não tem mais. Alguém que jogou, ganhou, jogou com estádio cheio para poder passar para o moleque o que vivemos no passado. Eu não vou citar o nome, mas eu fui treinar um clube não faz muito tempo e falaram: "Toma cuidado com aquele jogador porque ele é bagunceiro, quebra tudo, ele xinga todo mundo". Bom, passou um período e nada, passou outro e nada. Aí eu cheguei no menino e falei para ele: "Mandaram eu tomar cuidado com você porque você é bagunceiro, quebra tudo, briga, mas o que houve aí?" O menino respondeu: "Não, professor, é porque o treinador que vem aqui não sabe chutar uma bola. Vem o cara da academia aqui dar treino... O cara se formou como preparador físico e vem aqui dar treino, não sabe chutar uma bola. O senhor pode ficar tranquilo, porque é referência". Então o próprio jogador reconhece isso. Hoje os caras estão preocupados com os títulos, e não com a formação. Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Santos são obrigados a chegar nas finais das competições de base, principalmente. A vantagem é mandar três, quatro jogadores para o profissional, é formar. Eu penso dessa forma

UOL Esporte: Célio, na época em que você treinava no Corinthians você tinha um Fusca. O que aconteceu com ele?

Célio Silva: Eu ainda tenho. Tenho ele até hoje, é o azul. Eu coloquei para vender agora, estou esperando uma grana para poder colocar dinheiro no projeto aqui, está até no Facebook. Quem quiser comprar, estou pedindo R$ 17 mil. Esse Fusca é que nem um carro de série, só tem 850 carros. Ele é 1986, ultima série e o carro está bonito. Vamos ver se eu consigo vender para ajudar o time.

ver mais notícias

Pelo Corinthians:

Os números de Célio Silva no Timão, segundo o Almanaque do Corinthians, de Celso Dario Unzelte: 157 jogos, com 73 vitórias, 45 empates e 39 derrotas. Ele marcou 19 gols pró e 4 contra.

Selecione a letra para o filtro

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    77
  • 2 Pal
    67
  • 3 San
    64
  • 4 Grê
    56
  • 5 São
    52
  • Veja tabela completa

ÚLTIMOS CRAQUES