Niki Lauda

Tricampeão de Fórmula 1
por Marcos Júnior Micheletti
 
O austríaco Andreas Nikolaus Lauda, o Niki Lauda, tricampeão mundial de Fórmula 1, dois pela Ferrari (1975 e 1977) e um pela McLaren (1984), morreu em 20 de maio de 2019, aos 70 anos. Ele estava internado em um clínica na Suíça com problemas renais, causa de sua morte. Sua última atividade profissional foi como diretor da equipe Mercedes  na F1.
 
Em 2 de agosto de 2018 passou por uma cirurgia para transplante de pulmão, procedimento que foi feito no Hospital Geral de Viena (AKH), na Áustria. As informações iniciais foram de uma cirurgia bem sucedida, mas que o estado do ex-piloto era muito grave.
 
Natural da cidade de Viena, nascido no dia 22 de fevereiro de 1949, a carreira do piloto quase terminou após o gravíssimo acidente sofrido no Grande Prêmio da Alemanha de 1976, em Nurburgring.
 
A Ferrari de Lauda incendiou-se e ele ficou preso às ferragens por vários minutos. Com queimaduras de primeiro grau, chegou a receber a extrema-unção de um padre no hospital. Segundo o próprio Lauda, ele ouvia tudo o que falavam ao seu redor durante os primeiros dias de internação, quando todos pensavam que ele estivesse inconsciente.
 
As sequelas foram profundas em seu rosto, que ficou desfigurado, mesmo após diversas cirurgias plásticas. Sua orelha direita foi praticamente toda consumida pelo fogo e parcialmente reconstituída.
 
Lauda estreou na Fórmula 1 em 1971, pela equipe March, após quatro anos competindo pela Fórmula 3 e Fórmula 2.
Na Fórmula 1, disputou 171 GPs, alcançando 25 vitórias e 24 poles.
 
Permaneceu na March em 1972, mas somente marcou seus primeiros pontos no ano seguinte, em outra equipe, a BRM, graças ao quinto lugar conseguido no Grande Prêmio da Bélgica no circuito de Zolder.
 
A primeira vitória foi obtida em 1974, seu ano de estreia na Ferrari, na quarta prova da temporada, no Grande Prêmio da Espanha, disputado no circuito de Jarama. Naquele ano, Lauda terminou o campeonato na quarta colocação, com o título ficando com o brasileiro Emerson Fittipaldi, com McLaren-Ford.
 
Em 1975, aos 26 anos, Lauda conquistou seu primeiro título mundial na Fórmula 1, com a Ferrari, após cinco vitórias (Mônaco, Bélgica, Suécia, França e Estados Unidos).
 
Começou a temporada de 1976, também guiando pela Ferrari, com dus vitórias (Brasil e África do Sul) e conseguiu mais três triunfos (Bélgica, Mônaco e Inglaterra). Mas o acidente em Nurburgring foi decisivo e além de perder a etapa alemã, Lauda não participou da prova seguinte, na Áustria.
Hunt aproveitou para reduzir a diferença no campeonato. Até o acidente de Lauda, o placar era 61 para o austríaco da Ferrari e 26 para o inglês Hunt, da McLaren.O título para o time de Maranello parecia barbada.
 
O inglês, guiando o carro acertado por Emerson na temporada anterior, tirou toda a diferença que pôde enquanto Lauda esteve fora de combate, e alinhou sua McLaren em Monte Fuji com três pontos a menos que o ferrarista.
Resumo: a largada foi adiada por mais de duas horas devido à chuva torrencial que caía no Japão. Vencidos pelos interesses dos patrocinadores, os pilotos entraram em suas "cadeiras elétricas", e foram à luta.
Lauda, cauteloso, deixou um batalhão ultrapassá-lo e em seguida encostou seu carro escarlate nos boxes.
 
O time de Maranello justificou, em nota, "problemas mecânicos" para o abandono de seu campeão.
Lauda rebateu, depois, alegando outro motivo, bem mais humano:
"A Ferrari me paga para correr, não para me jogar da janela", disse o austríaco.
 
Tudo transcorria a favor de Hunt sem o rival na pista. Após ter liderado por bastante tempo, ele estava em terceiro na prova, atrás de Depailler e Andretti, colocação que lhe renderia quatro pontos pelo sistema antigo da F1, quando Depailler foi para os boxes trocar pneus, e o trabalho foi mais demorado, pois ele corria com a folclórica Tyrrell P-34, aquela de seis rodas.
 
Ainda sofreu um ataque impetuoso do piloto italiano Vitorio Brambilla, que quase bateu em Hunt em tentativa frustrada de ultrapassagem.
Hunt, então, subira para segundo, agora fazendo seis pontos, mas o inesperado aconteceu, quando o pneu dianteiro esquerdo de seu carro estourou pouco antes da reta dos boxes.
 
Com o coração na boca, o inglês entrou para uma troca não planejada e, após trinta eternos segundos, foi devolvido à pista pelos mecânicos na quinta colocação, atrás de Mário Andretti, Patrick Depailler, Clay Regazzoni e Alan Jones. Em quinto lugar, Hunt marcaria apenas dois pontos, lembrando que ele precisava de três para sagrar-se campeão.
 
Hunt partiu para o tudo ou nada nas voltas finais. Regazzoni, com problemas nos pneus, caiu várias posições, mas a falta de comunicação de pilotos e boxes não permitiu que Hunt soubesse que já era o quarto colocado e virtualmente o campeão.
 
Encostou na Surtees de Alan Jones e, na última volta, arriscou tudo na ultrapassagem sobre o australiano, pensando ser o quarto ao conseguir a manobra, quando na realidade já era o terceiro.
 
O que se discutiu a partir daquele instante, com Hunt ganhando seu único título na elite do automobilismo mundial, foi se Lauda não deveria ter tido coragem para continuar na pista. Os tiffosi o alcunharam de covarde, mas tiveram de engolir Lauda desfilar sua categoria no ano seguinte, quando arrebatou seu segundo título mundial, pela própria Ferrari, com três vitórias (Africa do Sul, Alemanha e Holanda).
 
Clique aqui e veja uma matéria especial no Portal Terceiro Tempo sobre o bicampeonato de Niki Lauda.
 
Transferiu-se para a Brabham em 1978, equipada com os potentes (mas pesados e pouco resistentes) motores Alfa Romeo, mas mesmo assim terminou a temporada em quarto lugar, com uma vitória, no GP da Itália.
 
No final de 1979 anunciou sua despedida das pistas, após um desempenho abaixo de seu potencial, fechando o ano em 14º lugar, com a Brabham-Alfa e também Brabham-Ford.
 
Dedicou-se à empresa aérea que fundou, a Lauda Air, que após apresentar alguns problemas financeiros acabou sendo negociada.
 
Após dois anos longe das pistas, Lauda aceitou o desaficou de retornar, pela McLaren-Ford em 1982, ano em que acabou sendo superado por seu companheiro John Watson, terminando a temporada em quinto lugar (Watson foi o terceiro). Mas Lauda voltou a vencer em seu ano de reestreia: foram dois triunfos (EUA-Oeste e Inglaterra).
 
Novamente voltou a ser superado por Watson no ano seguinte, em 1983. Vale lembrar que esta temporada foi marcada pelo predomínio dos motores turbo. Nelson Piquet ficou com o título da temporada com a Brabham-BMW.
 
Para o ano de 1984 a McLaren dispensou John Watson e trouxe um piloto habituado com os propulsores turbo, o francês Alain Prost, que havia participado do desenvolvimento da Renautl-turbo. O objetivo era para o desenvolvimento do motor Porsche, que contava com o apoio técnico da TAG.
 
Mas apesar de Prost vencer mais provas naquele ano (sete contra cinco do austríaco), Lauda foi o campeão com meio ponto de vantagem sobre o francês.
 
As vitórias de Lauda em 1984 foram conseguidas na África do Sul, França, Inglaterra, Áustria e Itália).
Renovou com a McLaren para a temporada seguinte, mas não estava com o mesmo ímpeto e acabou fechando o ano em décimo lugar, com o título ficando com Prost, o primeiro da carreira do francês, que acabou conquistando mais três.
 
Porém, quando Lauda anunciou sua despedida, no Grande Prêmio da Áustria de 1985, esforçou-se para ganhar mais uma vez, e a vitória veio na prova seguinte, no Grande Prêmio da Holanda, disputado em Zandvoort.
 
Após deixar as pistas em definitivo, continuou ligado à Fórmula 1, primeiro como consultor da Ferrari na década de 90 e depois na Jaguar, entre 2001 e 2003, como diretor-técnico.
 
Atualmente Lauda é proprietário de outra empresa aérea, sediada na Áustria, a Niki, em parceria com a Lufthart.
 
Niki Lauda foi casado com Marlene Krus entre 1976 e 1991, com quem teve dois filhos: Mathias e Lukas. Também teve um filho, Cristoph, fruto de uma relacão extraconuugal.
 
Em 2008 casou-se com Birgit Wetzinger, uma comissária de bordo que trabalhava em sua empresa aérea. Com Birgit, 30 anos mais nova que ele, teve mais dois filhos, o casal de gêmeos Max e Mia.
 
Birgit, aliás, doou um rim para Niki Lauda, em um transplante feito pelo austríaco em 2005.
 
Em 21 de maio de 2019, dia seguinte à morte de Niki Lauda, o UOL publicou uma matéria especial sobre o austríaco, assinada pelo jornalista Lito Cavalcanti, com edição de Bruno Doro. Clique aqui e veja. 

Abaixo, imagens do GP da Alemanha de 1976, em Nurburgring, com o acidente sofrido por Niki Lauda

ABAIXO, TRAILER OFICIAL DE "RUSH, NO LIMITE DA EMOÇÃO", DE 2013

ver mais notícias

Pela Fórmula 1:

Niki Lauda participou de 171 Grandes Prêmios, conquistando 25 vitórias e 24 poles.

Fez a volta mais rápida em 24 corridas e conquistou três títulos mundiais, dois pela Ferrari (1975 e 1977) e um pela McLaren-Porsche (1984).

Selecione a letra para o filtro

Mais lidas

  • Sem notícias nesta categoria
  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    39
  • 2 San
    37
  • 3 Pal
    36
  • 4 Cor
    32
  • 5 São
    31
  • Veja tabela completa

ÚLTIMOS CRAQUES