Andrea de Cesaris

Ex-piloto de Fórmula 1

por Marcos Júnior Micheletti

O italiano Andrea de Cesaris morreu em 5 de outubro de 2014, após um acidente com sua moto particular em uma estrada de Roma, na Itália, aos 55 anos. Ele perdeu o controle de sua Suzuki 600 e chocou-se violentamente contra um guard-rail. Sua morte foi instantânea.
 
De Cesaris competiu na Fórmula 1 entre 1980 e 1994, e ficou mais conhecido pelos acidentes que protagonizou do que por atuações marcantes, embora tenha conquistado uma pole, em 1982, pela Alfa-Romeo, no Grande Prêmio dos Estados Unidos, em Long Beach, além de ter subido ao pódio em quatro oportunidades, em 208 GPs disputados.
 
Nascido em Roma, Itália, no dia 31 de maio de 1959, De Cesaris começou no kart, apoiado por seu pai, um bem sucedido representante comercial da Marlboro na Itália, o que lhe garantiu suporte financeiro em várias equipes pelas quais pilotou.
 
Bastante arrojado, fez bastante sucesso no kart, até chegar à Fórmula 3, sendo o vice-campeão de 1979, superado pelo brasileiro Chico Serra, campeão daquele ano.
 
Estreou na Fórmula 1 pela Alfa Romeo, em 1980, participando de duas etapas, ambas na América do Norte: os GPs do Canadá e dos Estados Unidos, substituindo o compatriota Vittorio Brambilla.
 
Foi bem no treino classificatório em sua primeira prova, largando na oitava colocação, uma atrás de seu companheiro de equipe, também italiano, Bruno Giacomelli, mas abandonou na oitavo volta, com problemas no motor Alfa Romeo.
 
Em sua segunda corrida, em Long Beach, largou em décimo e abandonou na segunda volta, em decorrência de um acidente.
 
Em razão do apoio da Marlboro, De Cesaris conseguiu uma vaga na McLaren para toda a temporada de 1981, tendo o inglês John Watson como companheiro de equipe. Foi um péssimo ano para o italiano, que pontuou em apenas uma prova (sexto colocado no GP de Imola, em San Marino), contra 27 pontos de Watson.
 
Das 15 provas realizadas em 1981, completou apenas seis e destruiu 22 chassis da equipe, o que lhe custou a demissão ao término da temporada.
De volta à Alfa Romeo, em 1982, então com 22 anos, De Cesaris subiu pela primeira vez ao pódio, em terceiro lugar, no GP de Mônaco, vencido pelo italiano Riccardo Patrese (Brabham-Ford). Ainda pontuou no GP do Canadá, encerrando o campeonato na 15ª colocação, com sete pontos.
 
Em 1983, ainda na Alfa Romeo, De Cesaris fez a melhor temporada de sua carreira, marcando 15 pontos e fechando o ano na oitava colocação, com dois segundos lugares (GPs da Alemanha e África do Sul) e o quarto lugar no GP da Europa, disputado no circuito inglês de Brands Hatch. Neste ano, a Alfa Romeo utilizou os potentes motores turbo de oito cilindros, em substituição aos pesados aspirados de 12 cilindros.
 
Bem adaptado aos propulsores turbo, De Cesaris foi contratado pela francesa Ligier, onde permaneceu nas temporadas de 1984 e 1985, em ambas utilizando os motores Renault V6 turbo, mas não reeditou as boas atuações obtidas na Alfa Romeo, marcando apenas três pontos em 1984 e outros três em 1985.
 
Em 1985, aliás, De Cesaris sofreu um dos mais espetaculares acidentes da história da Fórmula 1, durante o Grande Prêmio da Áustria, em Österreichring.
Ele vinha com sua Ligier logo atrás da Renault do francês Patrick Tambay quando perdeu o controle do carro e foi para a grama, que tinha um aclive bastante íngreme, que fez o carro azul de número 25 capotar por várias vezes, mas De Cesaris saiu ileso do acidente.
 
Cansado dos prejuízos causados pelo piloto, Guy Ligier, dono da equipe, manteve De Cesaris por apenas mais uma prova, o GP da Holanda, em Zandvoort, dispensando-o logo em seguida.
 
Guiou pela Minardi, em 1986, segundo ano da equipe italiana na Fórmula 1. A fragilidade do motor turbo italiano V6 da Motori Moderni foi determinante para mais um ano em branco, sem que De Cesaris marcasse nenhum ponto.
 
Após a Minardi, De Cesaris passou por mais sete equipes: a Brabham, já em fase decadente (1987); Rial (1988); Scuderia Itália (1989 e 1990); Jordan (1991 e em duas provas na temporada de 1994); Tyrrell (1992 e 1993); e Sauber (1994), equipe, aliás, pela qual fez sua última participação na elite do automobilismo mundial, no Grande Prêmio da Europa, disputado no traçado espanhol de Jerez de la Frontera.
 
Após deixar a Fórmula 1, ficou afastado do automobilismo por um bom tempo, dedicando-se à atividades na Bolsa de Valores de Mônaco, voltando a competir esporadicamente na GP Masters, categoria de monopostos destinadas à ex-pilotos, competindo ao lado de Emerson Fittipaldi, Nigel Manselll, René Arnoux, e Patrick Tambay, entre outros.
 
Além das pistas, De Cesaris sempre foi um apaixonado pelo mar, praticante de windsurf.
 
Abaixo, vídeo de 22 de maio de 1983, no GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps, Andrea de Cesaris fez uma largada espetacular, partindo do terceiro lugar no grid para a primeira colocação. Ele liderou a prova mas acabou abandonando na volta 25, com um problema na bomba de gasolina. A vitória foi do francês Alain Prost (Renault)

Em 18 de agosto de 1985, no impressionante acidente durante o Grande Prêmio da Áustria, em Österreichring

ver mais notícias

Pela Fórmula 1:

Participou de 208 GPs e conquistou 59 pontos, entre 1980 e 1994.

Subiu ao pódio em cinco provas: Mônaco (terceiro lugar), Alemanha (segundo lugar), África do Sul (segundo lugar), Bélgica (terceiro lugar) e Canadá (terceiro lugar).

Conquistou uma pole, no Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1982, disputado em Long Beach.

Selecione a letra para o filtro

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa

ÚLTIMOS CRAQUES