Lusa passa de um século de existência

Lusa passa de um século de existência

A Associação Portuguesa de Desportos, a querida Lusa do Canindé completa 101 anos de existência neste sábado (14).

Ao longo de sua trajetória, com diversos jogadores convocados para a Seleção Brasileira, o clube da zona norte de São Paulo contou com inúmeros talentos, craques revelados ou não no Canindé, mas que se destacaram em âmbito nacional e internacional.

Em que pese a atual situação do clube, que integra a Série D do Campeonato Brasileiro, endividado e com incertezas em relação ao futuro, tanto esportivo como acerca de seu patrimônio, a Portuguesa representa uma importante página do futebol brasileiro, justamente pelos valores que brilharam com seu uniforme rubro-verde.

Nesta matéria especial, selecionamos alguns destes jogadores, que você também pode (clicando nos nomes, em negrito) acessar suas respectivas páginas na seção "Que Fim Levou?" do Portal Terceiro Tempo.

ENÉAS

O saudoso Enéas Camargo (1954-1988), é o segundo maior artilheiro da história da Lusa, com 171 gols marcados, em um ranking liderado por Pinga, com 235 tentos. Ele iniciou sua carreira clube do Canindé, onde atuou entre 1971 e 1980, período em que conquistou o Campeonato Paulista de 1973, título que foi dividido com o Santos. Craque de futebol absolutamente refinado, Enéas imortalizou a camisa 8 da Portuguesa de Desportos. Ainda jogou na Itália, por Bologna e Udinese e, de volta ao Brasil, defendeu o Palmeiras, entre outros.

Craque como poucos, o brilhante Enéas, em foto da capa do livro de Luciano Ubirajara Nassar, cujo título é "Rei Enéas, um gênio esquecido"

 

DENER

O também saudoso Dener Augusto de Souza (1971-1994), é considerado por muitos o mais talentoso jogador que passou pela Portuguesa, um dos melhores do Brasil no início dos anos 90. Foi o astro principal da Lusa na conquista da Taça São Paulo em 1991, no time comandado por Écio Pasca.

No Morumbi, prestes a iniciar um jogo pela Lusa nos anos 90. Foto: Divulgação

 

PINGA

Pinga, o José Lázaro Robles (1924-1996), maior artilheiro da história da Portuguesa com 235 gols, foi goleador por todos os clubes que passou, incluindo sua marcante estada no Vasco da Gama, onde balançou as redes adversárias por 256 vezes. Seu filho, Ziza, hoje treinador no Oriente Médio, também foi jogador profissional (ponta-esquerda), com passagens pelo Guarani e Atlético Mineiro.

No Pacaembu, acompanhando um treino. Foto: Sarkis

 

JULINHO BOTELHO

Julinho, o Julio Botelho (1929-2003), é considerado por muitos tão genial quanto Garrincha. Revelado pelo Juventus, marcou história na Portuguesa, tendo marcado 101 gols pelo clube. Também foi ídolo da Fiorentina e do Palmeiras.

No Pacaembu, o grande Julinho Botelho, que assombrava os laterais adversários. Foto: Divulgação

 

FÉLIX

O querido Felix Mielli Venerando (1937-2012), titular da meta brasileira na Copa de 70, brilhou na Lusa em duas passagens, a primeira entre 1955 e 1957 e a segunda entre 1961 e 1968, esta após defender o Nacional (SP) por empréstimo. Da Portuguesa ele se transferiu para o Fluminense, onde encerrou sua carreira em 1978.

No Canindé, para mais um jogo pela Lusa. Foto: Divulgação

DJALMA SANTOS

O brilhante Djalma Santos (1929-2013), para muitos o melhor lateral-direito brasileiro de todos os tempos, foi revelado lá mesmo na Lusa, onde atuou em mais de 500 jogos, ente 1948 e 1959. Também brilhou na Seleção Brasileira (onde foi bicampeão mundial em 1958 e 1962), Palmeiras e encerrou sua carreira pelo Atlético Paranaense.

A categoria do saudoso Djalma Santos pela Portuguesa. Foto: Reprodução

 

BRANDÃOZINHO

Antenor Lucas, o Brandãozinho (1925-2000), foi o volante da Portuguesa no belíssimo time do começo da década  de 1950, que contuquistou por duas vezes o Torneio Rio-São Paulo (1952 e 1955). Também defendeu a Seleção Paulista e a Seleção Brasileira.

O hábil volante com a linda camisa listrada da Lusa. Foto: Reprodução

 

IVAIR

Ivair Ferreira, o "Príncipe", é outro daqueles com mais de 100 gols com a camisa rubro-verde (106), brilhou no clube entre 1963 e 1969. Também atuou pelo Corinthians, Fluminense, América (RJ) e Paysandu antes de jogar no exterior, no Canadá e Estados Unidos. Esteve na lista dos 47 convocados por Vicente Feola para a Copa de 1966, na Inglaterra, mas foi chamado como ponta-esquerda e acabou cortado, sofrendo com a forte concorrência de Edu (Santos) e Paraná (São Paulo). Atualmente com 75 anos, Ivair reside em São Paulo, no bairro Jardim São Bento, zona norte da capital.

Em 2019, participando de confraternização da Portuguesa no Canindé. Foto: Carlos Alberto Spina 

LEIVINHA

João Leiva Campos Filho, o Leivinha, embora tenha ficado mais conhecido por sua passagem pelo fortíssimo Palmeiras da primeira metade da década de 1970, despontou para o futebol justamente pela Portuguesa de Desportos, clube que defendeu entre 1966 e 1971, após ter iniciado sua carreira pela Linense. Atuou pela Seleção Brasileira e ainda defendeu o Atlético de Madrid e São Paulo.

Leivinha começou a ser nacionalmente conhecido pela Portuguesa. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

 

ZÉ ROBERTO

José Roberto da Silva Júnior, o Zé Roberto, atualmente com 46 anos, começou profissionalmente na Portuguesa em 1994, participando a brilhante campanha do clube no vice-campeonato brasileiro de 1996. Teve muito sucesso no futebol alemão, por Bayer Leverkusen, Bayer de Munique e Hamburgo. Seus dois últimos clubes foram o Grêmio e o Palmeiras.

Em 2019, durante confraternização no Canindé. Foto: Carlos Alberto Spina

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa