Zico

O maior ídolo da torcida do Flamengo
por Rogério Micheletti

Arthur Antunes Coimbra, o Zico, nasceu no dia 03 de março de 1953 no Rio de Janeiro. É oriundo de uma família de craques, entre eles Edu, que jogou no América nos anos 60 e 70. Em 17 de julho de 2018, ele foi anunciado como novo diretor de futebol do Kashima Antlers.
 
Desde março de 2017 comanda um canal de muito sucesso no YouTube, o "Canal Zico 10", onde o Galinho conversa com muita gente ligada ao futebol e outros esportes. Clique aqui e acesse.
 
Zico chegou ao Flamengo no começo dos anos 70. "Fico feliz por ter levado o Zico para o Flamengo, meu time de coração. Eu fui assistir ao jogo de uma equipe de meninos chamada River e fiquei surpreso com a atuação do Zico. Ele marcou 12 gols naquela partida. Senti que ele era um jogador com muito potencial. Falei com o pai dele, que também era um rubro-negro roxo, e o Zico foi para o Flamengo", conta o jornalista Celso Garcia.

O franzino e pequeno carioca foi submetido a um trabalho especial para fortalecer sua musculatura e assim ganhar realmente chance no time profissional. Habilidoso, Zico era um meia diferenciado. Ótimo cobrador de faltas, preciso nos arremates, driblador e bom lançador, ele se tornou um dos maiores craques do Brasil nos anos 70 e 80.

Muitos entendem que Zico é um "injustiçado" por não ter um título mundial com a seleção brasileira. Em 1982, ele esteve bem perto da conquista, mas o Brasil, que era sensação do Mundial da Espanha, foi derrotado pela eficiente Itália do implacável Paolo Rossi, autor dos três gols da Azzurra na vitória por 3 a 2.

Em 1986, Zico teve nova chance de defender a seleção brasileira em uma Copa do Mundo. No entanto, as sérias contusões no joelho deixaram o meia bastante debilitado. Mesmo assim, Zico recebeu a confiança do técnico Telê Santana que o levou para o México.

Reserva no time de 86, o Galinho ficou marcado naquele mundial pelo jogo contra a França, na fase quartas-de-final. Naquele jogo, Zico entrou no segundo tempo e deu um passe primoroso para o lateral-esquerdo Branco, que driblou o goleiro Bats e sofreu pênalti. A partida estava empata por 1 a 1. Zico bateu a penalidade e Bats defendeu. O jogo foi para a prorrogação e depois para a disputa de pênaltis, onde o Brasil perdeu para a França e foi eliminado da Copa. Mais uma "injustiça" com um time dirigido por Telê Santana e, principalmente, com Zico. Na sua história com a camisa canarinho principal, Zico marcou 66 gols em 88 jogos (65v, 19e e 4d). Pelo escrete olímpico, foram apenas cinco jogos (3v, 2e) e anotou um único gol no dia 11 de dezembro de 1971, na vitória de 1 a 0 sobre o Peru.

No Flamengo, tirando as contusões sofridas, Zico não pode ser lembrado por momentos tristes. Muito pelo contrário. Com a camisa do rubro-negro, marcou 502 gols em 727 jogos (428v, 180e e 119d) segundo o Almanaque do Flamengo, de Roberto Assaf e Clóvis Martins, conquistou vários títulos (entre eles, o Mundial de 81 e os Brasileiros de 80, 82 e 83 e a Copa União de 87). "Fui muitas vezes ao Maracanã só para ver o Zico, meu principal ídolo no futebol", conta a atriz Malu Mader.

Entre 1983 e 1985, o Galinho atuou pela Udinese, da Itália. Mesmo em uma equipe considerada sem muita expressão, Zico brilhou e foi ídolo na Itália. No final dos anos 80, ele se transferiu para o futebol japonês e mais uma vez não decepcionou. Foi grande ídolo, o maior de todos, da história do Kashima Antlers.

O Galinho foi premiado pela Revista Placar com Bolas de Ouro e de Prata em 1974, 1975, 1977, 1980, 1982 e 1987.

Casado com Sandra, o eterno camisa 10 da Gávea tem três filhos: Júnior, Tiago e Bruno, além de um neto nascido no primeiros meses de 2008.Um dos maiores jogadores da história do futebol brasileiro e um grande símbolo do Flamengo, Arthur Antunes Coimbra, o Zico, está ganhando status na carreira de treinador.

Em outubro de 2002, assumiu o comando técnico da seleção do Japão. Lá ficou até junho de 2006, quando entregou o cargo após ser elimado na primeira fase da Copa da Alemanha. O Japão caiu no grupo F do Mundial, ao lado de Brasil Croácia e Austrália. Perdeu a primeira partida para o time da Oceania, de virada, por 3 a 1, empatou em 0 a 0 com a Croácia e foi goleado por 4 a 1, também de virada, pelo Brasil.

Sob seu comando, além dessa goleada na copa do mundo, os japoneses já tinham enfrentado a Seleção Canarinho, obtendo um empate em 2 a 2 com a equipe de Parreira.

Em julho de 2006, logo após o Mundial da Alemanha, Zico assumiu o comado do Fenerbahçe, da Turquia, substituindo o alemão Christoph Daum. No dia 3 de junho de 2008, agências chegaram a divulgar a contratação de Zico pelo Manchester City. Mas o time inglês, na última hora, decidiu acertar com Mark Hughes. Em setembro de 2008, o Galinho recebeu uma proposta irrecusável para dirigir o obscuro Bunyodkor, do Uzbequistão, que tinha contratado no mês anterior o pentacampeão Rivaldo, e aceitou.

Em janeiro de 2009, Zico transferiu-se para o C.S.K.A de Moscou (Rússia). Depois de uma boa campanha no time russo, o Galinho foi treinar o Olimpyacos, da Grécia.
 
Em maio de 2010, o maior ídolo da Nação Rubro-Negra voltou ao clube para ser diretor executivo de futebol, porém depois de alguns problemas com o rendimento do time, o casamento entre o craque e o Mengo acabou no dia 1º de outubro do mesmo ano.
 
Em agosto de 2011, o Galinho aceitou dirigir o selecionado do Iraque, nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014, que será disputada no Brasil.

No entanto, em 27 de novembro de 2012, alegando atraso em seus salários, o Galinho pediu demissão do cargo.
 
Em agosto de 2013 aceitou ser técnico do Al-Gharafa, do Qatar, mas o contrato foi encerrado no dia 29 de janeiro de 2014, em comum acordo. No dia 9 de setembro de 2014, Zico foi anunciado como novo treinador do FC Goa, da Índia. O Galinho teve o desafio de ajudar a divulgar e popularizar o esporte no país.
 
CANÇÕES
 
Jorge Ben Jor e Moraes Moreira fizeram duas músicas para homenagear Zico, "Camisa 10 da Gávea" e "Saudades do Galinho". Clique aqui e veja matéria especial publicada no Portal Terceiro Tempo sobre as duas canções
 
ABAIXO, DOIS VÍDEOS COM UM POUCO DA GENIALIDADE DE ZICO

No dia 20 de janeiro de 2019, Zico participou do Domingo Esportivo Bandeirantes. Confira a entrevista na íntegra:

ABAIXO, REPORTAGEM DE 1987 NO "GLOBO ESPORTE" SOBRE O EPISÓDIO ENTRE MÁRCIO NUNES E ZICO, OCORRIDO QUASE DOIS ANOS ANTES, DA GRAVE CONTUSÃO SOFRIDA POR ZICO APÓS DIVIDIDA COM MÁRCIO NUNES

No vídeo abaixo, veja trecho da participação de Zico no programa "SuperTécnico", em 2000: 

“Camisa 10 da Gávea” , de Jorge Ben Jor (apenas Jorge Ben na época da composição), faz alusão à principal habilidade de Zico.

Abaixo, durante entrevista de Moraes Moreira e Zico, o cantor e compositor baiano canta "Saudades do Galinho", feita quando o jogador se despedia do Flamengo para jogar na Udinese, da Itália. A canção começa com versos que derramam emoção: "Agora como é que eu fico, nas tardes de domingo, sem Zico no Maracanã..."

Abaixo, ouça a participação de Zico no Domingo Bandeirantes do dia 5 de julho de 2020:

TerceiroTempoZico coloca dois históricos técnicos do Flamengo acima de Jorge Jesus
ver mais notícias

Pelo Flamengo:

Pelo rubro-negro, o Galinho disputou 727 jogos, com um retrospecto de 428 vitórias, 180 empates e 119 derrotas. Marcou 502 gols.

Fonte: Almanaque do Flamengo, de Roberto Assaf e Clóvis Martins

Dentre os inúmeros títulos, o destaque fica para o Mundial Interclubes de 1981.

Pela Seleção Brasileira:

Zico fez 88 jogos com a camisa brasileira, tendo marcado 66 gols. Disputou as Copas do Mundo de 1978, 1982 e 1986.

Fonte de consulta: Almanaque do Flamengo, de Roberto Assaf e Clóvis Martins.

Selecione a letra para o filtro

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    90
  • 2 San
    71
  • 3 Pal
    71
  • 4 Grê
    65
  • 5 Ath
    63
  • Veja tabela completa

ÚLTIMOS CRAQUES