Ronnie Peterson

Ex-piloto de F1
por Marcos Júnior Micheletti
 
O sueco Ronnie Peterson, cujo nome original era Bengt Ronald Peterson, faleceu de embolia aos 34 anos, em 11 de setembro de 1978 em decorrência do grave acidente sofrido um dia antes, durante a largada do GP da Itália de Fórmula 1, em Monza.

De comportamento tímido fora das pistas, foi um dos pilotos mais combativos e talentosos de sua época, permanecendo na Fórmula 1 entre 1970 e 1978.

Antes, durante sua infância e adolescência, Ronnie Peterson começou a se destacar no kart graças a um estilo de pilotagem marcante, controlando seu equipamento de lado nas curvas. Participou dos campeonatos da Fórmula 3 e Fórmula 2 e ingressou na F1 em 1970 pela equipe March (modelo 701 equipado com motor Ford-Cosworth), mas não fez todas as provas da temporada.

Estreou com um bom sétimo lugar no GP de Mônaco, após largar da sexta fila, em 12º, ocasião em que Jochen Rindt venceu com Lotus-Ford-Cosworth.

A prova de Mônaco acabou sendo a melhor de toda a temporada, e acabou a temporada de 1970 sem marcar pontos (na época, apenas os seis primeiros pontuavam).

Permaneceu na March até 1972, em ambas sem disputar todas as etapas.

Em 1971, seu segundo ano na F1, subiu cinco vezes ao pódio: no GP de Mônaco de 1971 (vitória de Jackie Stewart com Tyrrell-Ford); no GP da Inglaterra foi o segundo colocado (vitória de Jackie Stewart com Tyrrell-Ford),; no GP da Itália em Monza foi o segundo (vitória de Peter Gethin com BRM-Ford); no GP do Canadá terminou em segundo lugar (vitória de Jackie Stewart com Tyrrell-Ford); no GP dos Estados Unidos em Watkins Glen ele foi o terceiro colocado, prova que contou com a vitória do francês François Cevert (Tyrrell-Ford) e o suíço Jo Siffert (BRM-Ford) em segundo.

A bela campanha de 1971 rendeu o vice-campeonato a Ronnie Peterson, com 33 pontos. O título ficou com Jackie Stewart, com 62.

Não repetiu o mesmo desempenho na temporada de 1972, terminando o campeonato em nono lugar, ano do primeiro título de Emerson Fittipaldi, com a Lotus-Ford. Sua melhor colocação naquele ano aconteceu no no GP da Alemanha no circuito de Nurburgring, que contou com a dobradinha da Ferrari nas primeiras colocações: belga Jack Ickx e o suíço Clay Regazzoni.

O comandante da Lotus, Colin Chapman, que contava com o campeão Emerson Fittipaldi, contratou Ronnie Peterson para integrar seu time para a temporada de 1973 ano em que venceu pela primeira vez na F1 (GP da França, em Paul Ricard) e em mais três outras provas: Áustria (em Osterreichring); Itália (Monza) e Estados Unidos Watkins Glen), fechando a temporada em terceiro lugar, com 52 pontos, a apenas três de Emerson Fittipaldi, o vice. O título ficou com o escocês Jackie Stewart.

Permaneceu na Lotus até o começo da temporada de 1976, fazendo apenas a prova de abertura do campeoanto, no Brasil, passando o restante do ano pela March.

Nesse período venceu mais quatro vezes, sendo três em 1974 (Mônaco, França, em Dijon e Itália, em Monza) e uma em 1976, novamente no circuito italiano de Monza, esta última com um March.

Guiou o revolucionário carro da Tyrrell em 1977, o modelo P34, de seis rodas, que lhe rendeu como melhor colocação o terceiro lugar no GP da Bélgica, em Zolder.

Retornou à Lotus no ano seguinte, em 1978, formando dupla com o norte-americano Mario Andretti em um dos melhores carros da F1 em todos os tempos, o Lotus-Ford 78 e depois o 79, dotados do eficiente sistema de efeito solo, que deu uma supremacia ao time de Colin Chapman, que arrebatou o título de construtores com 116 pontos contra 69 da Brabham-Alfa Romeo, vice, com 69.

Foram seis vitórias de Andretti e duas de Peterson (em Kyalami, na África do Sul e em Osterreichring, na Áustria).

Mas aquela temporada acabou de forma trágica para Peterson, após a largada no GP da Itália, em Monza.

A corrida marcou a estreia do sistema de semáforo para as largadas, antes iniciada com uma simples bandeirada. O sistema era diferente do utilizado hoje em dia, quando as luzes vermelhas são apagadas uma a uma.

Naquele 10 de setembro de 1978, o diretor da prova, pouco familiarizado com o sistema, tinha apenas uma luz verde para iniciar a prova e não esperou para que o último carro parasse no grid após a volta de apresentação.

Assim que a luz verde acendeu, os carros do meio do pelotão para trás estavam em movimento enquanto aqueles das primeiras filas estavam imóveis, provocando grande acidente no final da grande reta.

O italiano Riccardo Patrese (Arrows) fechou o inglês James Hunt (McLaren) que bateu na Lotus de Peterson, que acabou pegando fogo após bater frontalmente contra o guard-rail.

Peterson foi removido com vida (nas imagens do vídeo abaixo, é possível verificar que o sueco movimentava a mão e conversava com os médicos), mas sérias lesões nas pernas, que obrigaram a amputação do seu pé esquerdo, tão logo chegou ao hospital, removido por helicóptero.

Mesmo assim, o prognóstico era de que ele conseguiria sobreviver, mas detritos de sua medula óssea entraram em sua circulação sanguínea, provocando uma embolia que não conseguiu ser revertida.

Além de Peterson, o italiano Vittorio Brambilla (Surtees) também ficou gravemente ferido com uma roda atingindo sua cabeça, que provocou um traumatismo craniano. Mas o "Gorila de Monza", como Brambilla era conhecido, conseguiu se recuperar e voltou a pilotar em 1979 e 1980 pela Alfa Romeo. Brambilla morreu de infarto em 26 de maio de 2001, aos 63 anos.

O acidente na largada no GP de Monza de 1978 provocou uma nova medida de segurança, que foi a sinalização de um fiscal passando com uma bandeira verde atrás do último carro do grid, após verificar que todos estavam parados, solução adotada até hoje na Fórmula 1.

Mesmo restando três provas para o término da temporada, Peterson foi o vice-campeão, com 51 pontos, 13 a menos que seu companheiro de equipe, Mario Andretti.

Na época do acidente, a preferência clara dada por Colin Chapman a Mario Andretti estava desagradando Peterson, que era obrigado a fazer o jogo de equipe em favor do companheiro, por isso, estava praticamente certa sua contratação para a McLaren para 1979, ano em que a equipe inglesa acabou tendo como pilotos o inglês John Watson e o francês Patrick Tambay.

A Lotus contratou para o seu lugar, para fazer as últimas provas da temporada, o francês Jean-Pierre Jarier. No ano seguinte, a dupla da Lotus foi Mario Andretti e Carlos Reutemann.

No capacete , as cores de seu país a Suécia. O casco, totalmente azul e uma aba sobre a viseira amarela. Era casado com Barbro Edwardson Peterson, com quem teve uma filha, Nina.

Barbro se casou novamente, em 1982, com outro piloto, o britânico John Watson, amigo de Ronnie. O novo matrimônio, entretanto, não trouxe felicidade para a viúva de Peterson, que se suicidou cinco anos depois, pouco antes do Natal de 1987.
 
Em 2008 foi inaugurado o Museu Ronnie Peterson, na Suécia. A fita simbólica foi cortada por sua filha, Nina Kennedy. Clique aqui e veja imagens do local.

Em 22 de outubro de 2012, durante o lançamento do livro de Claudio Carsughi ("Claudio Carsughi - Meus 50 Anos de Brasil"), Emerson Fittipaldi foi entrevistado por Marcos Júnior Micheletti, editor de automobilismo do Portal Terceiro Tempo, sobre o acidente de  Ronnie Peterson durante o GP da Itália de 1978, que levou o piloto sueco à morte algumas horas depois Ouça, no player abaixo:

Abaixo, matéria sobre o acidente na largada do GP da Itália de 1978

George Harrison (1943-2001), um apaixonado por automobilismo, já em carreira solo após o sucesso com os Beatles, compôs a música "Faster", dedicada a Ronnie Peterson. Veja o clipe abaixo:

ABAIXO, VÍDEO COM OS BASTIDORES E A PARTICIPAÇÃO DE RONNIE PETERSON NO GP DE MÔNACO DE 1975. ELE TERMINOU EM 4º LUGAR, MESMA POSIÇÃO DE LARGADA

ver mais notícias

Pela Fórmula 1:

Disputou 123 GPs. Venceu dez corridas, fez 14 poles e nove voltas mais rápidas.

Selecione a letra para o filtro

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    77
  • 2 Pal
    67
  • 3 San
    64
  • 4 Grê
    56
  • 5 São
    52
  • Veja tabela completa

ÚLTIMOS CRAQUES