Roberto Baggio

Ex-atacante italiano
por Ednilson Valia
 
O ex-atacante Roberto Baggio está entre os maiores craques da história do futebol italiano. Na década de 90 se tornou um ícone de comportamento e referência aos jovens europeus, sendo elogiado constantemente por personalidades, entre elas a pop star Madonna.
 
Em 2010, Baggio foi convidado para ser diretor-técnico da Federação Italiana de Futebol.

Fã de Chinesinho, o "Rabo-de-Cavalo Divino" apelido que recebeu após se converter ao Budismo, se espelhou em outro craque brasileiro para jogar futebol: Zico .

Natural de Caldagno, província de Vicenza, região do Vêneto, na Itália, Baggio é o sexto filho, entre oito, é casado com Andreína Fabbi e tem dois filhos ? Valentina e Mattia. O craque da "Azzurra? em três Copas do Mundo tem como hobby caçar patos, em sua fazenda na Argentina. E atualmente está distante do futebol para se dedicar a causas humanitárias e a reflexões sobre sua religião oriental.

No mundo idealizado por torcedores aos seus ídolos criam-se lendas. E Roby Baggio tem a sua. Dizem que pelas vielas de Caldagno, o bambino, que virou pop star em sua fase adulta, criava e adestrava ornitorrincos surdos.

Além de adestrador, Baggio disputava "peladas" pelos campos baldios, imitando seu grande ídolo, o brasileiro, então jogador da Udinese, Zico . Em uma destas foi selecionado para jogar nas divisões de base do Vicenza, com apenas 15 anos.
Na primeira temporada marcou 46 gols em 48 jogos. E, aos 16 anos, estreou pela equipe principal que o revelara. E não fez feio. Marcou 12 gols, garantiu sua vaga no time titular, e conquistou o acesso a Série B.

A bela temporada de estréia chamou a atenção dos dirigentes da Fiorentina, que o contrataram mesmo com os ligamentos do joelho rompidos. Contusão que aconteceu no último jogo do Vicenza contra o Rimini na Série C 1. A agremiação "Viola" acreditou no potencial do jovem talento e colocou seu departamento médico para recuperá-lo. E finalmente em 1986, Roberto conseguiu estrear, mas novamente sofreu uma lesão no joelho, que o fez ser operado na França, precisamente na cidade de Saint Ettienne.
 
A volta foi redentora, em 1987, no estádio "San Paolo", contra o Napoli, de Diego Maradona. Os napolitanos precisavam apenas de um empate para comemorar o primeiro título de campeão. A equipe de Firenze, pelo contrário, corria o risco do rebaixamento para a Série B. A queda foi evitada graças a um gol de falta, à la Zico , de Baggio. O confronto terminou empatado em um gol. O resultado alegrou a todos.

As seguidas contusões e os falsos amigos levaram Baggio a se converter à religião budista. Ninguém sabe se foram os fluídos do budismo, mas logo depois da "conversão", pela primeira vez ele foi convocado para a "Squadra Azurra". Estréia com o pé direito. Vitória diante da Holanda ( 1 a 0 ), em Roma.

Nome certo na lista de Azeglio Vicini (técnico da Seleção Italiana) para a Copa de 1990, seu talento ficou maior do que a sempre efervescente culturalmente Firenze. O "Rabo-de-Cavalo-Divino? acertou sua transferência para a Juventus por US$ 21 milhões. A comuta decisão entre os cartolas fiorentinos e o craque de mudar de clube caiu como uma "bomba" entre os torcedores "toscanos", que protagonizaram um quebra-quebra na cidade.


Apesar da excelente fase de Baggio, Vicini optou em escalar como titulares no Mundial de 1990 um ataque formado por Gianluca Vialli e Carnevale. Depois de dois jogos e o eminente fracasso da dupla de atacantes, Azeglio Vicini atendeu o clamor dos "tiffosi" e escalou Baggio e Salvatore Schillaci, o siciliano com olhos esbugalhados. Aposta certa nos jovens valores. Schillaci e Baggio marcaram os gols da vitória diante da antiga Tchecoslováquia.


As "noites mágicas" (título dado pelo jornal Gazzetta Dello Sport para os jogos das oitavas-de-final - contra o Uruguai - e das quartas-de-final - contra a Irlanda) pararam os italianos e consagraram Schilacci e Baggio.

Segundo os boatos da imprensa européia, a pedido de Vialli, Baggio voltou a reserva nas semifinais contra a Argentina, do mito Maradona. Apesar de Schilacci marcar aos 17 minutos de jogo, os argentinos empataram com Caniggia. Vialli não rendeu o que Vicini esperava e Baggio jogou os últimos 15 minutos do tempo regulamentar e os 30 minutos da prorrogação. Não pode fazer muito.

A decisão do desempate foi nos pênaltis, no estádio "San Paolo", em Nápoles, campo beatificado por Maradona. Baggio converteu sua penalidade máxima, mas Donadoni, técnico da "Azurra? em 2008, e Serena tiveram seus chutes defendidos por Goycochea. Restava apenas o terceiro lugar para a Itália, conquistado na vitória por 3 a 1, diante da Inglaterra.

A Copa de 1990 rendeu um "status" de mega estrela a Baggio. O interesse pelo "Bambino" de Caldagno não era restrito aos gramados. O nascimento de sua primogênita (Valentina) rendeu páginas, fotos e milhares de minutos na mídia italiana e européia.
Mas sua adaptação à "La Vecchia Signora" foi difícil. As critícas sobre suas atuações começavam a crescer entre os jornalistas italianos e uma certa paciência permanecia na torcida juventina até o incidente no estádio Artemio Franchi.

Baggio nunca escondeu sua identificação e apreço pela Fiorentina. Em uma partida contra a equipe "Viola? (denominação dada pela imprensa da "Bota" à Fiorentina devido à cor da camisa), Baggio sofreu um pênalti e se recusou a cobrar no estádio Artemio Franchi. O juventino De Agostini cobrou e perdeu culminando com a derrota da Juve por 1 a 0. Mas o que mais magoou os apaixonados do clube de Turim foi Baggio ter pegado um cachecol atirado por um torcedor da
equipe da casa.

Na temporada de 1993, conquistou seu primeiro título. Liderando a Juventus, faturou a Copa da Uefa, batendo na final o Borussia Dortmund por 3 a 1. Além do título europeu, Baggio conquistou o importante prêmio da revista francesa France Football- a Bola de Ouro, dado ao melhor jogador do mundo. Outra marca importante foram os 100 gols anotados na série A. Premiando este ano divino, Baggio foi eleito pela FIFA o melhor jogador do mundo.

Na Copa de 1994, Baggio era inquestionável entre os jornalistas e torcedores. Ele não escondia a motivação, afinal um mês antes da competição nascia o seu segundo filho (Mattia).

Nos dois primeiros jogos no Mundial (a derrota para a Irlanda e a vitória contra a Noruega), Baggio mostra sua face questionadora e briga com o treinador Arrigo Sacchi. O ex-jogador sempre teve problemas com os técnicos, pois nunca aceitou o comportamento quase ditatorial de alguns.

Após péssima primeira fase, a Itália chegaria as oitavas-de-final para enfrentar a favorita Nigéria. Baggio empatou o confronto no último minuto do tempo regulamentar e na prorrogação marcou o gol da vitória, de pênalti. Neste jogo, o camisa 10, sentiu uma fisgada na coxa, mas resolveu esconder e não alertar os médicos com medo de perder a posição de titular.

Roberto Baggio marcou contra a Espanha e nas semifinais diante da Bulgária, de Stoichkov. Foi decisivo ao marcar os dois gols da vitória levando a "Azzurra? a sua quinta final de Copa do Mundo(1934, 1938, 1970, 1982 e 1994). Só que a contusão na coxa se agravou e o técnico Sacchi pediu para o jogador decidir se queria ou não pegar o Brasil, na finalíssima.

Notoriamente contundido e a base infiltrações, Baggio entra em campo contra o Brasil, antes de entrar no gramado fixa o olhar em Romário (parecia admirar a fase exuberante do artilheiro brasileiro). Apesar de ter uma contusão muscular grave na coxa esquerda, se esforça. Brasil e Itália empatam por 0 a 0 no tempo regulamentar e na prorrogação. Pela primeira vez na história uma Copa do Mundo seria decidida numa disputa de penalidades máximas.

A final da Copa do Mundo dos Estados Unidos, em 1994, foi disputada em pleno verão americano, na Califórnia, um dos estados mais quentes da América do Norte. Após jogar os 90 minutos do tempo regulamentar e os 30 da prorrogação a base de uma infiltração e sob uma forte pressão, já que Baresi e Massaro haviam perdido suas penalidades, Baggio bateu seu pênalti por cima do travessão, fato que nunca tinha acontecido em sua carreira.

Minutos depois da cobrança que resultou no tetracampeonato mundial da seleção verde-amarela, Baggio continuava parado, impoluto, quieto. Consolado por Taffarel, deixou o campo com um andar lento, triste e derrotado.

Em 2006, Baggio deu uma entrevista para a repórter da revista Placar, Fernanda Massaroto, e declarou o seguinte: "só erra um pênalti quem tem coragem de batê-lo.
 
Aquele dia, decidi bater e errei. Ponto final. Faz parte do jogo. Aquilo me marcou por muitos anos e ainda sonho com isso. Apagar aquele pesadelo da minha mente foi difícil.

Se pudesse cancelar aquela imagem da minha vida, cancelaria. Mas a vida ensina muitas coisas e entendi que, quando um homem se deixa vencer pela derrota, está renunciando à vida. Aquele momento foi importante para mim. O ano de 1994 foi o ano em que o Ayrton Senna morreu. Eu jamais havia errado um pênalti daquele jeito, para o alto. E a bola partiu para o céu... acho que foi um presente para o Ayrton".

Após a Copa, Baggio conquistou seu primeiro título de campeão italiano e da Copa da Itália, mas o ambiente na Juventus era pesado e ele resolveu ir jogar no Milan.

Não foi uma boa escolha ir para a equipe do presidente Silvio Berlusconi. Baggio ficou na reserva por dois anos e com a chegada de um antigo desafeto (Arrigo Sacchi), Roby resolveu ir para um time de menor expressão: o Bologna.

Baggio jogou uma temporada espetacular. Quebrou o seu recorde de gols na série A, anotando 22 gols em 30 jogos. Como 1998 era ano de Copa de Mundo, não teve jeito e Cesare Maldini o convocou.

Começou o mundial como titular e quebrando um tabu: Baggio se tornou o primeiro italiano a marcar um gol em três Copas do Mundo. O gol histórico aconteceu no empate por 2 a 2, contra Chile, na estréia da "Azurra? na competição.

Nos jogos seguintes da primeira fase, foi titular na vitória sobre Camarões e reserva no último jogo, diante da Áustria (ele marcou o segundo gol da vitória italiana por 2 a 1).

Nas oitavas-de-final, Maldini o deixou na reserva, e do banco de suplentes, viu Vieri anotar o gol da vitória sobre a Noruega. Na fase seguinte, o adversário era a dona da casa: a França. Um jogo chato, sem gols, em que Baggio entrou apenas aos 30 minutos do segundo tempo. O desempate foi na disputa por penalidades máximas. Baggio converteu o seu, mas Albertini e Di Biagio erraram, deixando a vaga para os "Bleus".
 
Em 1998, período pós-Copa, Baggio decidiu defender sua equipe do coração: a Internazionale de Milão. Mas foi um péssimo negócio para o "Rabo-de-Cavalo Divino". Ficou por dois anos na reserva e no final do contrato aceitou uma proposta do Brescia, time do técnico e amigo Carlos Mazzone.

Por quatro excelentes temporadas, chegou a ser cotado para disputar a Copa de 2002, mas foi preterido por Trapatonni. Voltou a "Azurra? apenas em 2004, no amistoso contra a Espanha, em Gênova, para se despedir da camisa azul que defendeu por 14 anos.
Restava apenas terminar o seu contrato com o Brescia. Ainda em 2004, chegou a 200 gols na série A, marca que apenas quatro atletas atingiram no Calcio: Silvio Piola, Gunnar Nordhal, Giuseppe Meazza e José Altafini (nosso querido Mazzola - ex-Palmeiras).

No fim da temporada, Roberto Baggio anunciou o encerramento de sua carreira como atleta. E o Brescia, sua última equipe, o homenageou aposentando a camisa 10. Justa homenagem ao budista que mostrou aos italianos que havia mais coisas no futebol do que o sistema defensivo.

por Ednilson Valia

Veja abaixo um vídeo com imagens incríveis de Roberto Baggio

Selecione a letra para o filtro

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    77
  • 2 Pal
    67
  • 3 San
    64
  • 4 Grê
    56
  • 5 São
    52
  • Veja tabela completa

ÚLTIMOS CRAQUES