Modelo revolucionário foi projetado para a temporada de 1979. Foto: Divulgação

Modelo revolucionário foi projetado para a temporada de 1979. Foto: Divulgação

A Fórmula 1 tem exemplos clássicos de carros lindos que, na prática, foram fracassos nas pistas.

Um dos exemplos mais marcantes foi o F6, carro da equipe Fittipaldi projetado pelo australiano Ralph Bellamy para a temporada de 1979.

Após o bom ano de Emerson Fittipaldi com o F5-A, carro que levou o bicampeão ao segundo lugar no GP do Brasil de 1978, em Jacarepaguá, a equipe resolveu apostar em um grande nome para trabalhar no desenvolvimento do próximo carro.

Bellamy foi contratado a peso de ouro após participar do desenho da Lotus, campeã na temporada anterior entre os construtores, entre os pilotos com Mario Andretti e vice com Ronnie Peterson.

De sua mente inventiva nasceu um dos carros mais lindos já vistos até hoje, aproveitando o conceito do efeito-solo, suspensões descobertas, carenagem envolvente e até os espelhos retrovisores eram embutidos no cockpit para otimizar a aerodinâmica.

Mas o projetista "esqueceu" de princípios básicos de mecânica e o carro apresentava torções em sua parte dianteira, tornando-o praticamente impossível de fazer curvas.

Emerson, guiou o novo carro por algumas voltas em Interlagos e retornou aos boxes para conversar com o irmão. Wilsinho, então chefe da equipe:

"Estamos fu....", disse Emerson.

O F6 apresentou tantos problemas durante os testes da pré-temporada, incluindo os freios, que Emerson optou por correr com o modelo do ano anterior, o F5-A, nas duas primeiras provas do ano: Brasil e Argentina. Aliás, foi justamente em Interlagos, prova que teve a dobradinha da Ligier, que Emerson marcou o único ponto para a equipe, terminando em sexto lugar.

O F6 foi utilizado na terceira corrida de 1979, o GP da África do Sul, em Kyalami. Emerson largou em 18º e terminou em 13º, quatro voltas atrás de Gilles Villeneuve (Ferrari), o vencedor.

O F5-A voltou a ser utilizado nas seis etapas seguintes, enquanto o F6 era "repaginado", voltando com a nomenclatura F6-A no GP da Alemanha. A melhor colocação conseguida com o carro foi o sétimo lugar no GP dos EUA (leste). O brasileiro Alex Dias Ribeiro disputou as três últimas provas da temporada como companheiro de equipe de Emerson: San Marino, Canadá e EUA (leste), sem conseguir se classificar para largar em nenhuma delas.

ABAIXO, MATÉRIA ESPECIAL APRESENTADA POR LUCIANO DO VALLE NO GLOBO ESPORTE, COM REPORTAGEM DE REGINALDO LEME EM 1979:

Em dezembro de 1978, em Interlagos, Emerson testou o F6, carro projetado por Ralph Bellamy para a temporada de 1979. O modelo, recheado de inovações tecnológicas, acabou sendo um fracasso. Foto: Facebook/Copersucar Fittipaldi

 

O carro passou por várias mudanças ainda em 1979 e foi rebatizado de F6A. Alex Dias Ribeiro andou com o carro nos treinos para os GPs do Canadá (Montreal) e EUA (Watikins Glen) mas não conseguiu se classificar. Foto: Divulgação

 



  

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOU TUBE

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR TODAS AS COLUNAS DE MARCOS JÚNIOR 

 

 

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    61
  • 2 Pal
    53
  • 3 San
    48
  • 4 Cor
    44
  • 5 São
    43
  • Veja tabela completa