Desde 1991, a seleção estreia com vitória em Mundiais. (Foto: REUTERS)

Desde 1991, a seleção estreia com vitória em Mundiais. (Foto: REUTERS)

Ana Carolina Silva
Em Grenoble, na França

Como acontece desde a primeira participação em Copas do Mundo de futebol feminino, a seleção brasileira estreou com vitória hoje (9). No Stade des Alpes, as brasileiras enfrentaram a Jamaica, em sua primeira Copa e com time jovem, e venceram por 3 a 0, com três gols de Cristiane, artilheira da competição. Desde 1991, a seleção estreia com vitória em Mundiais.

Sem contar com Marta, que se recupera de lesão, a seleção apresentou bom futebol ofensivo. Andressa Alves, camisa 7, e Cristiane, camisa 11, assumiram a responsabilidade e conduziram a seleção ao ataque. Cristiane abriu o placar e ampliou com assistências de Andressa. No segundo tempo, em cobrança de falta, a artilheira sacramentou a vitória brasileira após nove derrotas seguidas.

Com o resultado, o Brasil somou os primeiros três pontos, assumindo a liderança do Grupo C, à frente da Itália, também com três pontos. Já a Jamaica, sem pontuar, aparece em último lugar. A seleção volta a campo na quinta-feira (13), contra a Austrália, às 13h (de Brasília).

Melhores: Andressa Alves e Cristiane
Camisa 10 do Barcelona e 7 do Brasil, Andressa Alves dividiu o protagonismo da seleção sem Marta e não sentiu a pressão. No primeiro tempo, deu assistência para o gol de Cristiane e belos passes para as companheiras. Com oportunidade de deixar sua marca, desperdiçou pênalti, que terminou com a defesa da goleira Schneider.

Principal nome do ataque brasileiro, Cristiane foi a responsável por marcar os gols brasileiros. Logo na volta do segundo tempo, recebeu cruzamento rasteiro de Andressa e ampliou para o Brasil. Em cobrança de falta, fez o terceiro. Ainda se posicionou bem e incomodou a defesa jamaicana.

Pior: Plummer
Capitã da Jamaica, a jovem Plummer não foi bem na partida. No primeiro tempo, levou cartão amarelo ao tentar parar ataque brasileiro. Comandando a linha defensiva, Plummer não conseguiu parar o ataque brasileiro, que apareceu diversas vezes nas costas da zaga.

Com faro de artilheira, Cristiane decide
Cristiane não atuava pela seleção desde a Copa América de 2018, mas voltou mostrando seu faro de artilheira característico. Com o Brasil melhor em campo, a dupla Andressa Alves e Cristiane apareceu em grande estilo. No primeiro tempo, pelo lado esquerdo, a meia levantou bola na medida para a centroavante testar com estilo no canto esquerdo da goleira Schneider que não conseguiu chegar.

No segundo tempo, com apenas quatro minutos, Andressa foi à linha de fundo e cruzou rasteiro. A bola sobrou nos pés de Cristiane, bem posicionada, que escorou para o gol; a defesa da Jamaica ainda tentou tirar, mas a bola já havia ultrapassado a linha. Antes de ser substituída, ainda deu tempo de Cristiane marcar o terceiro, em cobrança de falta.

A artilheira é do Brasil
Com o terceiro gol, Cristiane assumiu a artilharia isolada da Copa do Mundo. Superou a francesa Renard, a italiana Bonansea e a espanhola Hermoso (cada uma fez dois gols na primeira rodada). Com os gols neste sábado, Cristiane chegou aos 10 gols em Mundiais, atrás apenas de Marta, com 15.

Seleção encontra "atalho" no primeiro tempo
Mesmo com os três cortes recentes e com retrospecto recente de nove derrotas seguidas, a seleção brasileira mostrou um bom futebol no primeiro tempo da partida contra a estreante Jamaica. Com Andressa Alves comandando o meio de campo brasileiro, a seleção encontrou a defesa rival mal posicionada, apostando em uma linha de impedimento que funcionou em apenas um momento durante os primeiros 45 minutos. Com lançamentos diagonais que "quebravam" a linha defensiva da Jamaica, Andressa conseguiu deixar as companheiras livres no ataque. Na melhor oportunidade, Debinha tentou driblar a goleira Schneider, mas viu a arqueira sair muito bem do gol e ficar com a bola.

Goleira de 19 anos pega pênalti e se destaca
Com apenas 19 anos, Schneider mostrou qualidade na estreia da Jamaica em Mundiais. Com a defesa mal posicionada, a número 1 foi bem exigida e conseguiu parar ataques do Brasil, ao defender arremates de Andressa Alves e Bia Zaneratto. Quando a arbitragem assinalou pênalti para o Brasil após toque de mão da defensora jamaicana dentro da área, Schneider voltou a se destacar. Na cobrança, Andressa Alves bateu mal e Schneider, com tranquilidade, defendeu no canto direito.

Brasil controla o segundo tempo
A Jamaica voltou ao segundo tempo imprimindo mais velocidade, mas pouco produziu. Nos primeiros minutos, chegou a assustar a goleira Bárbara, e fez com que o Brasil acordasse e respondesse rapidamente. Com Cristiane inspirada, a seleção ampliou com dois gols da artilheira. Após o gol, com Cristiane e Bia Zaneratto substituídas, o Brasil diminuiu o ritmo de jogo, e não foi pressionado pela Jamaica, controlando o jogo no meio de campo. Nos últimos minutos, Ludmila mostrou habilidade e quase fez o quarto, mas, cara a cara com Schneider, mandou para fora.

Brasileiros enchem estádio e gritam nome de Cristiane
O Stade des Alpes, em Grenoble, esteve cheio para a partida, e a torcida brasileira festejou desde a caminhada até os portões, com direito a percussão, até a saída. Dentro do estádio, como tem ocorrido em outros jogos do Mundial, o locutor convidou o público a fazer bastante barulho - enquanto isso, o telão mostrava quantos "decibéis" o som dos torcedores conseguia atingir.

A "ola" fez parte da festa brasileira nas cadeiras. Mesmo sem entrar em campo, Marta foi a mais ovacionada antes do jogo, durante o aquecimento. Na descida para o intervalo, foi a vez de Cristiane, autora dos dois gols, ter o nome gritado pelo público.

Lesionada, Marta fica no banco
Marta não se recuperou a tempo de lesão muscular na coxa esquerda e ficou fora da partida. A camisa 10 realizou sessões de fisioterapia desde que a seleção chegou à Europa para se preparar para o torneio, mas não reuniu condições ideias de jogo. Mesmo com as adversidades, a craque, eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo, participou do aquecimento da seleção e permaneceu no banco de reservas, com o objetivo de incentivar suas companheiras.

Formiga bate recorde na Copa do Mundo
A meio-campista Formiga entrou em campo neste sábado e bateu um recorde entre mulheres e homens: participou de sua sétima Copa do Mundo. Quando Formiga participou de sua primeira Copa, em 1995, 12 das 23 jogadoras da Jamaica sequer haviam nascido - e 150 jogadoras da Copa, no total, não eram nascidas. Aos 41 anos, Formiga é a atleta mais experiente da seleção, que tem média de idade de 27,96 anos, a segunda mais alta da competição.

Em ritmo de samba
A seleção brasileira chegou ao Stade de Alpes com as atletas tocando instrumentos e fazendo uma "roda de samba". Marta, fora da partida, comandou a batucada, que teve como refrão a frase "o futebol é pra mulher". Pelo lado das Reggae Girlz, as jogadoras chegaram no estádio dançando e cantando, mostrando muita animação da jovem seleção.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 3 X 0 JAMAICA
Data: 09/06/2019
Local: Stade des Alpes, Grenoble (FRA)
Hora: 10h30 (de Brasília)
Árbitro: Riem Hussein (ALE)
Assistentes: Kylie Cockburn (ESC) e Mihaela Tepusa (ROM)
VAR: Bastian Dankert (ALE)
Público: 17.688 (torcedores)

Cartões amarelos: Formiga (Brasil) e Plummer (Jamaica)

GOLS: Cristiane aos 15m/1ºT, 4m/2ºT e 18m/2ºT (Brasil)

BRASIL: Barbara; Letícia, Kathellen (Daiane), Mônica e Tamires; Thaisa, Formiga, Andressa Alves e Debinha; Bia Zaneratto (Geyse) e Cristiane (Ludmila) Técnico: Vadão

JAMAICA: Schneider; Bond-Flasza, Plummer, A. Swaby e Blackwood; C. Swaby, Solaun, Sweatman; Matthews (Brown), Shaw e Carter (Cameron) Técnico: Hue Menzies

(Foto: REUTERS/Denis Balibouse - retirada do UOL)

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    90
  • 2 San
    71
  • 3 Pal
    71
  • 4 Grê
    65
  • 5 Ath
    63
  • Veja tabela completa