F1 só precisa de pistas boas para corridas idem. Foto: Reprodução

F1 só precisa de pistas boas para corridas idem. Foto: Reprodução

Me abstive de quaisquer comentários após o GP da França, há uma semana.

A corrida em Paul Ricard, vencida por Hamilton, foi como aqueles jogos de futebol que terminam 0 x 0, com direito a furadas, poucas chances de gol e muitas bolas por cima do alambrado.

Li e ouvi muita coisa.

Muita gente indignada, dizendo que a F1 estava no fundo do poço, que algo precisava mudar.

Previsões tenebrosas para o futuro da categoria.

Nos chamados anos "românticos" da F1, assisti corridas absolutamente insossas.

O domínio da Mercedes foi o pano de fundo para o enjoo quase geral, uma grita pra lá de raivosa.

A F1 é o topo da qualidade da tecnologia no esporte a motor.

A Mercedes fabricou um ótimo chassi, tem um motor confiável e potente, um corpo técnico impecável, e pelo menos um piloto acima da média, Hamilton, que lidera com folga o Mundial.

Por isso, bem por isso, aplaudo em pé quando vejo uma equipe aniquilar a concorrência.

O resto é choradeira. 

Quem não tem competência que não se estabeleça. É um velho ditado.

Hoje em dia isso poderia ser traduzido para "não sabe brincar, não desce para o play..."

A F1 nunca foi equilibrada e, tomara, nunca seja.

Do contrário torna-se outra coisa. 

Senna, com sua imbatível McLaren-Honda, por exemplo, cansou de ganhar corridas largando da pole e despachando a concorrência para o inferno.

A Fórmula Indy, que utiliza um único modelo de chassi para todos no grid e apenas dois fornecedores de motores, tem distâncias abissais entre as ponteiras e as demais equipes.

Hoje, na F1, são os autódromos, bons ou ruins, os diferenciais para uma corrida.

Paul Ricard transformou-se em uma pista água com açúcar. A Mistral, sua grande reta, ganhou uma chicane, um presente de grego.

O velho Zeltweg, rebatizado de Red Bull Ring, preserva brita em suas curtas áreas de escape, que impedem relaxamentos naturais durante uma corrida ou mesmo um treino, que o digam Bottas e Verstappen.

Pistas boas, corridas boas. Simples assim.

Tirando os motores silenciosos, está tudo bem.

Aliás, graças ao pouco barulho deles ficou mais claro ouvir a vibração do público que acompanhava a corrida na Áustria, a cada ultrapassagem de Max Verstappen.

A F1 não está no fundo do poço.

Em uma semana os profetas do apocalipse foram emudecidos.


 

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOU TUBE

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR TODAS AS COLUNA

 

 

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    58
  • 2 Pal
    50
  • 3 San
    48
  • 4 Cor
    43
  • 5 São
    43
  • Veja tabela completa