Centroavante do Fla entrou no radar de West Ham, Newcastle e Fenerbahce. Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Centroavante do Fla entrou no radar de West Ham, Newcastle e Fenerbahce. Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Atacante jovem, decisivo, que cresce em jogos grandes, artilheiro, goleador máximo de duas das últimas três Libertadores: Gabigol está em alta e “sobra” no futebol brasileiro. Nesse contexto, óbvio que o camisa 9 do Flamengo desperta o interesse do futebol europeu, certo? Bom, até que sim. Mas o assédio não vem das camisas mais pesadas do Velho Continente. E isso é muito simbólico.

Gabigol está entre os principais jogadores do futebol brasileiro há pelo menos cinco anos (isso se não foi o principal) e tem números excelentes. Mais do que isso, o real, a moeda brasileira, está absurdamente desvalorizada em relação ao euro. Mas nada disso faz com que grandes clubes europeus cogitem tirar o camisa 9 do Flamengo.

Quem apareceu até agora foram os ingleses West Ham e Newscatle, e o turco Fenerbahce. Clubes que poderiam ser boas portas de entrar no futebol europeu. Mas que não “fazem” sentido para um jogador no patamar do principal camisa 9 do Campeonato Brasileiro, frequentemente convocado para a seleção.

É verdade que Gabigol já esteve na Europa e fracassou defendendo Inter de Milão e Benfica. Mas o que o atacante faz no Brasil não é pouca coisa. E a idade ainda ajuda: o camisa 9 tem apenas 25 anos.

Mas ninguém da “elite” europeia mira o flamenguista. A Juventus busca um centroavante e o brasileiro, o Barcelona está na mesma (pé verdade que jornais espanhóis chegaram a especular um possível interesse barcelonista, mas nada se concretizou), o Manchester City não conseguiu um homem de área desde a saída de Aguero, enfim, e ninguém olha para o grande artilheiro do futebol brasileiro nos últimos anos.

É claro que isso diz muito sobre o próprio Gabigol, que esteve na Europa e deixou uma péssima impressão. Mas diz mais sobre o futebol brasileiro de maneira geral. Está claro que o sucesso no Brasil não é necessariamente um bom chamariz para os gigantes europeus.

O jogador que “sobra” no Brasil não é confiável aos olhos dos europeus, que se interessam única e exclusivamente pelos jovens com 19/20 anos, que terminarão de ser formados no Velho Continente.

Gabigol é apenas um exemplo. Mas poderíamos falar dos nossos treinadores (afinal, Cuca faz trabalhos incríveis e sequer surge o interesse de uma equipe europeia), Abel Ferreira ganha duas Libertadores e nenhum clube da elite do Velho Continente se interessa, o mesmo aconteceu com Jorge Jesus.

A questão é que o baixo nível do futebol jogado no Brasil torna nossos principais atores desinteressantes e permite que jogadores já mais velhos e que estavam em ligas piores voltem e sobrem por aqui, como aconteceu com Hulk e Renato Augusto. É no mínimo curioso!

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa