Cuca, técnico do São Paulo, em clássico contra o Palmeiras pelo Brasileiro 2019. Foto: Marcello Zambrana/AGIF/Via UOL

Cuca, técnico do São Paulo, em clássico contra o Palmeiras pelo Brasileiro 2019. Foto: Marcello Zambrana/AGIF/Via UOL

O São Paulo enfrenta a Chapecoense às 20h de hoje pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro e quer encerrar uma série de oito partidas sem vitórias. A torcida, que não deve lotar o Morumbi, anda ressabiada com o time. E parte dessa desconfiança vem de uma aparente piora do Tricolor no segundo tempo das partidas. O clássico contra o Palmeiras, na rodada anterior, reforçou esse receio. Mas será que a equipe realmente piora depois do intervalo? A reportagem do UOL Esporte tentou encontrar respostas para essa pergunta nas estatísticas e com a comissão técnica são-paulina.

Essa impressão que fica para os torcedores passa por jogos marcantes em que o São Paulo começou melhor e acabou tropeçando por cair de rendimento depois do intervalo. A final do Campeonato Paulista contra o Corinthians e o Choque-Rei de nove dias atrás são exemplos disso. E, de fato, o "placar" do Tricolor não é muito bom se computadas somente as etapas finais de cada partida na temporada: dez derrotas, dez vitórias e 12 empates.

Por isso a comissão técnica não vê isso como uma regra que pode ser explicada por apenas um fator e entende que cada jogo teve um contexto diferente. Na final do Paulistão, houve um consenso de que faltou calma para o time, que se lançou ao ataque em uma falta ainda no campo defensivo e acabou levando um contragolpe fatal dos corintianos. Contra o Palmeiras, o Tricolor entende que o gol de Dudu, por ser um lance de azar para os são-paulinos, acabou desestabilizando o time emocionalmente após começar melhor que o rival.

Há muita reclamação sobre uma suposta queda física da equipe depois do intervalo. O São Paulo admite que houve certo descompasso na preparação dos atletas - e divergências internas de metodologia colaboraram para que Carlinhos Neves pedisse para deixar o clube durante a parada para a disputa da Copa América. Mas ao falar sobre desempenho no segundo tempo, nenhum tricolor põe a culpa na condição física dos atletas. Pelo contrário, a forma como o time se entregou para empatar os jogos contra Flamengo e Atlético-MG e para vencer o Fortaleza, sempre com gols na reta final das partidas, foi exaltada.

Em outros momentos, os tropeços foram atribuídos ao recuo excessivo do time. Cuca assegura que não tem a intenção de deixar o São Paulo tão retraído após sair na frente do placar, mas que muitas vezes há um movimento espontâneo de um time que sofre com irregularidade e falta de confiança. Foi assim contra o Cruzeiro, no Pacaembu, por exemplo.

É preciso ponderar que o São Paulo não faz uma boa temporada de forma geral, apesar do vice no Paulistão. Em 34 jogos, o aproveitamento é de apenas 41,1%. E, somando todos os primeiros tempos disputados até hoje, o desempenho é ainda pior do que depois do intervalo: oito derrotas, sete vitórias e 19 empates.

O que os números dizem
No 1º tempo:

Vitórias: 7
Derrotas: 8
Empates: 19
Gols marcados: 11
Gols sofridos: 11

No 2º tempo:

Vitórias: 10
Derrotas: 10
Empates: 14
Gols marcados: 18
Gols sofridos: 17

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO X CHAPECOENSE

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 22 de julho de 2019, às 20h
Árbitro: Sávio Pererira Sampaio (DF)
Assistentes: Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo Nascimento Júnior (ambos do DF)
Árbitro de vídeo: Grazianni Maciel Rocha (RJ)

SÃO PAULO: Tiago Volpi, Hudson, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan, Tchê Tchê e Hernanes; Antony, Alexandre Pato e Raniel. Técnico: Cuca.

CHAPECOENSE: Tiepo, Eduardo, Gum, Douglas e Bruno Pacheco; Amaral, Márcio Araújo, Camilo e Diego Torres; Alan Ruschel (Arthur Gomes) e Everaldo. Técnico: Ney Franco.

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    64
  • 2 Pal
    54
  • 3 San
    51
  • 4 São
    46
  • 5 Cor
    44
  • Veja tabela completa