Britânico estava na Austrália para a abertura do campeonato. Foto: Divulgação/FIA

Britânico estava na Austrália para a abertura do campeonato. Foto: Divulgação/FIA

Morreu na última quarta-feira (13) em Melbourne, na Austrália, o britânico Charlie Whiting, diretor de provas da Fórmula 1, aos 66 anos, vítima de uma embolia pulmonar. Ele se preparava para trabalhar na etapa de abertura do campeonato da categoria, que acontece no próximo domingo no traçado de Melbourne.

CLIQUE AQUI E VEJA A PÁGINA DE CHARLIE WHITING NA SEÇÃO "QUE FIM LEVOU?" 

Esteve ligado à F1 desde os 24 anos de idade, quando trabalhou como mecânico na Hesketh, primeira equipe de James Hunt  (1947 - 1993). Mas no time do Lord Alexander Hesketh não trabalhou com Hunt, que competiu na equipe entre 1973 e 1975.

Porém, foi na Brabham, então chefiada por Bernie Ecclestone, que Charlie Whiting começou a se destacar, como o chefe dos mecânicos durante o período vitorioso de Nelson Piquet no time, quando o brasileiro conquistou os títulos de 1981 e 1983. Ficou na Brabham até Bernie Ecclestone se desligar do time e passou a trabalhar na FIA (Federação Internacional de Automobilismo), isso em 1988.

A partir de de 1997 assumiu a função de diretor de provas, responsável não apenas pela sinalização das luzes para a largada, função de enorme responsabilidade, aliás, mas também comandar todas as ações em casos de emergência, como as sinalizações de bandeiras, incluindo eventuais interruções de provas

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

Bella Macchina no YouTube: Clique no logo

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR TODAS AS COLUNAS DE MARCOS JÚNIOR MICHELETTI

 

 
 

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 San
    32
  • 2 Fla
    30
  • 3 Pal
    30
  • 4 Atl
    27
  • 5 São
    27
  • Veja tabela completa