Modelos poderiam participar dos desfiles nos sambódromos... Fotos: Reprodução

Modelos poderiam participar dos desfiles nos sambódromos... Fotos: Reprodução

Um carro de Fórmula 1 sempre chama atenção, independente da cor e das soluções aerodinâmicas, sejam as mais convencionais ou aquelas absolutamente originais.

Os carros da categoria mais importante do automobilismo compõe um acervo robusto há sete décadas, com modelos que se não primaram por desempenho, conseguiram notoriedade por serem tão diferentes em relação aos concorrentes que tinham quando estavam nas pistas.

Aproveitando o clima de Carnaval, selecionamos alguns modelos que poderiam receber a alcunha e "Carros Alegóricos da F1".

ABAIXO, ALGUNS EXEMPLOS

O MS10, carro da Matra na temporada de 1969 (pilotado pelo escocês Jackie Stewart), foi extravagante em seus aerofóios... Foto: Reprodução

 

O March 711 do saudoso Ronnie Peterson (1944-1978) em 1971 tinha um aerofólio dianteiro semelhante a uma mesa, onde era possível colocar os pratos dos mecânicos para o almoço... Foto: Reprodução

 

O saudoso alemão Rolf Stommelen (1943-1983) tinha em seu Eifelland E21 um único espelho retrovisor à sua frente, que mais parecia um periscópio. A entrada de ar, à frente do cockpit, também não era convencional naquele carro de 1972. Foto: Reprodução

 

No chuvoso GP do Japão de 1976, que definiu o campeonato a favor de James Hunt (1947-1993) sobre Niki Lauda (1949-2019), o japonês Masahiro Hasemi competiu com o Kojima, carro nipônico que tinha um cockpit muito alto e retrovisores colocados acima da suspensão dianteira. Foto: Reprodução

 

A francesa Ligier estreou o robusto JS05 no GP do Brasil de 1976, com Jacques Laffite. A gigantesca tomada de ar fez o carro ganhar o apelido de "Bule de Chá". Na verdade, o objetivo era fazer a cigana que representava o patrocinador (Gitanes) ficar em evidência. A tomada de ar enorme acabou sendo substituída por uma bem menor ao logo daquele ano. Foto: Reprodução

 

O Ensign N179 do britânico Derek Daly na temporada de 1979... O carro tinha uma escadinha de radiadores na parte frontal. O objetivo era melhorar a refrigeração do motor Cosworth V8, mas o piloto acabava sofrendo com o forte calor que passava para o cockpit e a ideia foi abandonada. Foto: Reprodução

 

Com uma aparência tão pesada quanto a de um carro alegórico de verdade que transita pelo Sambódromo, a Arrows A2 de Ricardo Patrese de 1979 destoava de todos os outros daquela temporada, Parecia um tanque de guerra... Foto: Reprodução

 

Ayrton Senna (1960-1994) estreou na F1 com a Toleman TG183B no GP do Brasil de 1984. Além do aerofólio dianteiro que parecia o bico de um aspirador de pó, a linha traseira tinha um conjunto de duas asas. Se fosse um carro alegórico, muitos destaques poderiam ficar sambando em cima do carro do brasileiro... Foto: Reprodução

 

Novamente a Ligier, desta vez com o modelo JS39. O carro era convencional, mas a pintura utilizada nos dois últimos GPs de 1993 (Japão e Austrália) pelo britânico Martin Brundle ganhou espaço na imprensa... O objetivo era divulgar a marca Gitanes nos mercados dos dois países e um artista (Hugo Pratt) foi convidado para um layout diferente no carro de Brundle. O outro piloto, o tambbém britânico Mark Blundell, competiu com a pintura convencional do time francês. O artista "viajou" tanto no desenho, que ficava quase impossível ler a palavra "Gitanes" em letras garrafais na carenagem do carro francês. Foto: Reprodução

 

Em 1999, a equipe BAR tentou mas a FIA não permitiu um carro "dividido" ao meio por duas marcas da sua patrocinadora, uma empresa do ramo de cigarros. Um carro alegórico com direito a figurar também no quesito "fantasia"... Na imagem, o canadense Jacques Villeneuve durante a pré-temporada, antes da proibição. Foto: Reprodução

O holandês Jos Verstappen (pai de Max Verstappen) disputou o GP de Mônaco de 2001 com sua Arrows A22 dotada de um pequeno aerofólio dianteiro fixado no bico... O carro laranja e preto era bonito, mas o "quesito adereço" atravessou o samba na "Avenida de Monte Carlo"... Foto: Reprodução

 

BMW Sauber do canadense Jacques Villeneuve em 2006. Aqui, o "carro alegórico" da equipe suíça também poderia entrar no quesito "adereços", com tantos apêndices aerodinâmicos... Foto: Reprodução

 

   

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOU TUBE

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    90
  • 2 San
    71
  • 3 Pal
    71
  • 4 Grê
    65
  • 5 Ath
    63
  • Veja tabela completa