Atacante santista tem três gols e das assistências nos últimos seis jogos pela equipe. Foto: Ivan Storti/Santos FC

Atacante santista tem três gols e das assistências nos últimos seis jogos pela equipe. Foto: Ivan Storti/Santos FC

Pedir paciência ao torcedor no futebol brasileiro é dar murro em ponta de faca. Esperar que isso aconteça com jogador que chega a um clube com status de reforço de peso, é mais complicado ainda. Ainda assim, o Santos pode e deve ter paciência com Ricardo Goulart.

Contratado em janeiro para assumir a camisa 10 alvinegra, Goulart voltou ao Brasil após longo período na China. Mais do que isso, quando chegou à Vila Belmiro, o meia-atacante não atuava desde gosto de 2021. Não por acaso, o jogador tem encontrado dificuldades para apresentar bom rendimento.

Até aqui, o camisa 10 tem 18 jogos, três gols marcados e poucas partidas realmente boas pelo Peixe. Nesse período, Goulart já jogou como meia-armador, como segundo atacante e até como centroavante. Mas não deu certo. o ex-Cruzeirense parece não ter “tirado a China do corpo”, joga em outra rotação, não consegue entregar intensidade, cria muito pouco, quando tem a função de armar a equipe acaba passando muitas bolas para trás.

É óbvio, no entanto, que Ricardo Goulart é bom jogador e sua carreira mostra isso. Não é bobagem, então, apostar e ter paciência com o camisa 10. Um jogador do próprio elenco santista é a prova de que com tempo e paciência, o bom futebol pode aparecer.

Falo de Léo Baptistão, atacante que chegou ao Peixe no segundo semestre de 2021, também vindo da China e também de um longo período de inatividade. O atacante versátil não iniciou bem sua trajetória na Vila Belmiro, jogou mal, demorou para marcar gols, se lesionou, precisou de tempo, mas hoje é uma das peças importantes no time de Fabián Bustos. Curioso é que Baptistão ganhou espaço na equipe titular entrando justamente no lugar de Goulart.

O camisa 92 tem sido muito mais do que centroavante: Baptistão tem jogado mais recuado, ajudando na armação da equipe, ora aparece pelos lados do campo e tenta sempre chegar na área ao lado de Marcos Leonardo. A prova do bom momento é que Baptistão tem tries gols e duas assistências nos últimos seis jogos que fez pelo Peixe.

Dar tempo para um jogador que demora para se adaptar é o básico no futebol, mas é missão dura numa cultura não imediatista e resultadista. Ignorar que os processos as vezes demandam tempo, é apenas amadorismo.

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa