Um sentimento dividido entre Corinthians e Inter

Um sentimento dividido entre Corinthians e Inter

Quando conversa com os amigos sobre futebol, meu pai costuma dizer:

- Dei liberdade para que meus filhos torcessem para o time que quisessem, desde que fosse para o Corinthians.

Brincadeiras à parte, seus três guris tornaram-se alvinegros.

E, para reforçar, ao lado do sobradinho em que morávamos nos anos 70, em Vila Guilherme, zona norte de São Paulo, residia uma família corintianíssima também. Os Miranda.

Seu Antonio, a mulher (dona Yolanda), duas filhas (Seli e Silene) e o filho Adílson, mas que nós chamávamos de Dinho. Ele era jogador de futebol profissional e estava perambulando pelo nordeste.

Um dia, a mãe dele, pelo quintalzinho do fundo, deu um grito, chamando minha mãe:

-Aurea, o Dinho vai vestir a camisa do Corinthians!

Estávamos no finalzinho do especialíssimo ano de 1974, e eu tinha maravilhosos 8 anos de idade.

Sem automóvel, ainda, foi meu pai quem levou o Dinho para o seu primeiro treino no Parque São Jorge, no dia 14/01/75 (como está registrado em meu caderninho de autógrafos) naquele Corcel vinho, pneus faixa branca, novo em folha. Rivellino estava de saída do Timão.

Acompanhamos jogo a jogo o tempo em que esteve vestindo aquela camisa branca e aqueles calções pretos. Fui eu, em uma noite de jogo no Pacaembu, quem carregou, orgulhoso à beça, seu Motorádio após ter sido eleito o melhor jogador em campo com os dois gols marcados diante da Ponte Preta, em uma daquelas vitórias suadas, como sempre são as vitórias corintianas.

Quando estava em casa, o Dinho tirava seu Fusca branco e, depois que a vida melhorou, seu Puma também branco da pequena garagem para que batêssemos bola.

Às vezes ficávamos trocando passes de cabeça, de uma casa para outra, pelo muro baixo que nos separava. Era meu ídolo, um irmão mais velho de coração.

O relacionamento conturbado com os treinadores, que insistiam em colocá-lo como centroavante, quando na verdade ele era um meia, fez seu sonho de ser campeão pelo Corinthians não se realizar. E lá foi ele, com o grande amigo Cláudio Marques para o Coritiba, em troca com o goleiro Jairo.


Foi campeão paranaense, e sua boa qualidade fez a turma do Beira-Rio levá-lo para a maravilhosa Porto Alegre.

Foi campeão gaúcho de 1978, tendo sido o artilheiro do quadrangular decisivo, campeão brasileiro invicto de 1979 e vice da Libertadores de 1980.

Um dia, fez uma excursão com o Inter para a Argentina, para disputar o torneio de Mar Del Plata. De lá, mandou um postal para minha família e, em um trecho, escreveu: "Espero que o Marcos esteja jogando futebol.

Eu bem que tentei, mas acho que não o suficiente. Desisti fácil, coisa que não faria hoje em dia.

Pela Libertadores da América fez o maior jogo de sua vida, marcando os três gols da vitória colorada sobre o Vélez da Argentina. Seu pai, um dia me confidenciou que, naquela noite no Beira-Rio , o presidente do Inter puxou-o de lado e disse: hoje tu vais ganhar o "bicho" triplicado. E assim fez.

Um dia, porém, a vizinha que passou a ocupar a casa em que moraram os Miranda por tantos anos, tocou a campainha de nossa casa. Meu pai foi o primeiro a atendê-la. Eu segui atrás. De primeira, sem rodeios ela foi direta e objetiva:
-Já estão sabendo? O Adílson morreu.

Nosso Dinho perdeu o controle de seu Puma em 06/12/80, agora vermelho da cor do Inter, junto com sua lindíssima noiva Rosângela, com quem se casaria em janeiro de 1981.

Foi em uma daquelas traiçoeiras curvas da BR-116, uma ribanceira e a explosão fatal que pôs fim a tantos sonhos.

Eu chorei todas as lágrimas que um menino canceriano pode chorar. Fiquei de mal com Deus, mas, felizmente, por pouco tempo.

O meu coração até então apenas preto e branco, já tinha sido tomado por outra cor. Dividido meio-a-meio. Democraticamente foi repartido com o vermelho.

Hoje, conheço muitos ídolos colorados.

Larry, Carlitos e Tesourinha, que muitos julgam tão bom ou até melhor do que Garrincha.

De Figueroa e seu "gol iluminado" de 1975, na final do Brasileiro diante do Cruzeiro, ao menino Falcão. O loirinho que cresceu no Beira-Rio e ajudou a construí-lo, na "Campanha do Tijolinho".

Ele, com seu pai levou o seu para erguer o estádio mais difícil de ser construído, já que primeiro fizeram um aterro no rio Guaíba, e depois uma obra duríssima de engenharia para as fundações. E uma arquitetura pra lá de exuberante, que enche os olhos...

De Manga com seus dedos tortos e as bolas encaixadas com uma única mão, ao campeoníssimo Taffarel, passando por "aquela defesa" do Clemer na final do Mundial de 2006...

Da robustez de Claudiomiro, autor do primeiro gol da história do Beira-Rio, ao arranque de Nilmar.

Da categoria de Gamarra à entrega suprema de Dunga.

Da velocidade de Valdomiro às cabeçadas ao estilo "beija-flor" de Dario.

Dos dois gols de Nilson no Gre-Nal do século à bola passada por Iarley para o gol vital de Adriano Gabiru, na final do Mundial contra o "invencível" Barcelona..

Hoje, 30 anos depois, respondo ao seu postal, Adílson, meu querido amigo Dinho:

- Não tornei-me um jogador de futebol, como você sugeriu e também sonhava. Mas estou escrevendo essa mensagem pra você e todos os outros colorados, como eu.

Dizem que as mulheres são de Vênus e os homens de Marte.

Marte, como todos sabem, é o planeta vermelho. Vou mirar meu telescópio pra lá essa noite, e tenho certeza que verei uma bandeira do Inter tremulando, hasteada há 100 anos.

E até os marcianos, que são verdes como os meus olhos, devem estar felizes da vida...


CLIQUE AQUI E VEJA A PÁGINA DE ADILSON MIRANDA NA SEÇÃO "QUE FIM LEVOU?"

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    90
  • 2 San
    71
  • 3 Pal
    71
  • 4 Grê
    65
  • 5 Ath
    63
  • Veja tabela completa