Atleta teve passagens marcantes pelo Cruzeiro e pelo Flamengo. Foto: Reprodução

Atleta teve passagens marcantes pelo Cruzeiro e pelo Flamengo. Foto: Reprodução

O goleiro da camisa amarela.

Foi assim que Raul Plassmann, que completa 75 anos nesta sexta-feira (26) ficou conhecido, durante o longevo período em que defendeu a meta do Cruzeiro, entre 1965 e 1968, período em que conquistou inúmeros títulos, entre eles dez estaduais e a Libertadores da América em 1976).

Paranaense do município de Antonina, Raul começou profissionalmente pelo então Atlético-PR, em seguida pelo rival Coritiba e uma curta passagem pelo São Paulo e o Nacional para desembarcar na Toca da Raposa.

Depois do time celeste viveu mais momentos memoráveis pelo Flamengo (entre 1978 e 1983), quando foi três vezes campeão estadual, outras três do Brasileiro, da Libertadores (1981) e Mundial de Clubes (1981).

CLIQUE AQUI E VEJA A PÁGINA DE RAUL PLASSMANN NA SEÇÃO "QUE FIM LEVOU?"

Em 1976, pela Libertadores da América, Cruzeiro e Internacional travaram um duelo espetacular, com vitória cruzeirense por 5 a 4

ABAIXO, UMA INUSITADA HISTÓRIA COM ARMANDO MARQUES E O JOGO INESQUECÍVEL ENTRE CRUZEIRO E INTERNACIONAL PELA LIBERTADORES DE 1976.

Mesmo tendo brilhado tanto tempo e vivido grandes experiências, Raul conta qual sua passagem mais inesquecível.
 
"Foi no avião, quando fui à poltrona do Armando Marques, coincidentemente no mesmo vôo, e resolvi tirar com ele uma dúvida que me encasquetava há mais de 20 anos. Nós dois aposentados há anos. Quis saber do Armando por que ele não deu um pênalti escandaloso que cometi no César Maluco, num Palmeiras e Cruzeiro, com muita chuva, em São Paulo. Lembrei-lhe que agarrei a perna do César na pequena área, ele, Armando estava muito perto, viu tudo e nada marcou. César, então livre, ia fazer o gol após superar o Piazza. Então perguntei o por quê ! Aí, ele respondeu que eu era um tolinho e explicou que não marcou porque o César era muito feio, barbudo, chato, cabeludo, reclamão e eu, Raul, sob a chuva, de camisa amarela molhada, cabelos loiros e o corpo maravilhoso torneado com tecido a moldá-lo parecendo um Deus grego. Ouvi calado e pensativo, agradeci muito e voltei para minha poltrona. A aeromoça veio com o carrinho de bebidas e dispensei. Estava pensando no César", lembra Raul.
 
COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA DE 1976: 
Cruzeiro 5 x 4 Internacional
Data: 07/03/1976 
Local: Mineirão 
Público: 65.463 pagantes 
Árbitro: Luís Pestarino (Argentina) 
INTERNACIONAL: Manga; Cláudio Duarte (Valdir), Figueroa, Hermínio e Vacaria; Caçapava e Falcão; Valdomiro, Flávio (Ramón), Escurinho e Lula Técnico: Rubens Minelli 
CRUZEIRO: Raul; Nelinho, Moraes, Darci Menezes e Vanderlei; Zé Carlos e Eduardo; Roberto Batata (Isidoro), Jairzinho, Palhinha e Joãozinho Técnico: Zezé Moreira
 
Veja abaixo os nove gols do maior jogo de futebol do qual o goleiro Raul participou.
 
 

Em 07 de maio de 2007, durante o Prêmio Chuteira de Ouro do Campeonato Paranaense. Da esquerda para a direita, Milton Neves e ex-jogadores que atuaram no futebol do Paraná, Raul Plassmann, o saudoso Dionísio (1956-2015) e Sicupira

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    58
  • 2 Pal
    50
  • 3 San
    48
  • 4 Cor
    43
  • 5 São
    43
  • Veja tabela completa