Em pé: Vilela, Nélson Coruja, Félix, Odorico, Ditão e Juts. Agachados: Silvio Major, Ocimar, Servilio, Didi e Melão

Em pé: Vilela, Nélson Coruja, Félix, Odorico, Ditão e Juts. Agachados: Silvio Major, Ocimar, Servilio, Didi e Melão

Morreu nesta terça-feira (7) o ex-zagueiro Vilela, que marcou época na Portuguesa ao lado de Ditão, Ipojucan, Ivair e o goleiro Félix, em São Lourenço-MG, onde era dono de uma lotérica. 

Experientes profissionais, como Basílio e Servílio, dizem que Vilela foi uma das pessoas mais éticas que tiveram o prazer de conhecer. Vilela, se quisesse, poderia ter sido padre, brincava o ex-atacante Servílio.

Vilela foi treinado por Aimoré Moreira e viveu uma fase gloriosa na Lusa do Canindé.

Em pé, da esquerda para a direita: Vilela, Félix, Odorico, Ditão, Lever e Nélson Coruja. Agachados, da esquerda para a direita: Jair da Costa, Ocimar, Nardo, Servilio e Babá. Foto: Walter Peres

 

Em pé, da esquerda para a direita: Vilela, Nelson Coruja, Odorico, Ditão, Félix e Juths. Agachados, da esquerda para a direita: Jair da Costa, Silvio, Servílio, Ocimar e Nilson Bocão. Foto: Walter Peres

 

Vilela troca flâmulas com o capitão do Betis em Sevilha-ESP. Foto: A Gazeta Esportiva Ilustrada

 

Retrato raro: Ipojucan (com a mão no gramado) na posição de centroavante no Canindé. Observem que o goleiro é Félix e o penúltimo zagueiro é Vilela.

 

Em pé: Vilela, Augusto, Ulisses, Henrique Pereira, Félix e Edilson. Agachados: Almir, Silvio Major, Ivair, Edson, Nilson Bocão e Mário Américo.

 

Da esquerda pra direita: Augusto, Vilela, Félix, Ulisses, Wilson Pereira e Edílson. No Pacaembu, os seis defensores da Portuguesa de Desportos de Aimoré Moreira

 

Timaço! Em pé: Vilela, Nélson Coruja, Félix, Odorico, Ditão e Juts. Agachados: Silvio Major, Ocimar, Servilio, Didi e Melão

 

Portuguesa de 1965. Em pé: Augusto, Vilela, Ditão, Félix, Amaro e Edilson. Agachados: Mário Américo (massagista), Almir, Nair, Aloísio Mulato, Ademar e Ivair

 

Em pé, da esquerda para a direita: Vilela, Félix, Odorico, Ditão, Nélson Coruja e Juts. Agachados: Jair da Costa, Ocimar, Silvio Major, Servílio e Melão

 

A foto é incrível e inédita: o ex-goleiro Valdir Joaquim de Moraes atuando como quarto-zagueiro do Periquitos do Brás. Em pé: jogador não identificado, Valdir de Moraes, Félix, Tarciso (ex-Palmeiras), Vilela (ex-Lusa) e Abel (primo de Odilon Cardoso, o Cardosinho da várzea de São Paulo). Agachados: Odair, Gildo (ex-Palmeiras), Miranda (o Boca ? ex-Corinthians) e dois jogadores não identificados.

 

Veja Vilela no destaque. O técnico desse time era Aimoré Moreira. Em pé: Augusto, Vilela, Félix, Ditão, Amaro e Edilson. Agachados: Almir, Ivair, Aloisio Mulato, Nair e Márcio

 

Que saudade dos tempos em que a Portuguesa excursionava pelo exterior e voltava ao Brasil contando vitórias. Este time atuou na década de 1960 contra times do porte de Porto, Sporting, Inter, Juventus, Betis e Espanhol e ficou 15 jogos sem perder. Em pé, da esquerda para a direita, estão Edilson, Cacá, Pampolini, Ditão, Orlando e Vilela; agachados estão o massagista Mário Américo, Nilson, Cássio, Gino, Nair e Gessy

 

Você também vai gostar

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa