Jesus, técnico do Mengão. Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Jesus, técnico do Mengão. Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Há um temor por parte da torcida do Flamengo em relação ao futuro de Jorge Jesus.

Certamente, é do português o mérito de transformar este elenco em um time vencedor. A ideia de jogo implantada, a condução interna do elenco dando paz ao grupo e confiança para atingir as metas.

Em um cenário onde há uma carência de bons treinadores, quando aparece alguém diferenciado passa a ser valorizado e importante no contexto, é por isso que valeu todo o esforço para segurar o treinador e renovar o contrato de toda a comissão. Perder o mister pode significar um enorme trauma para um clube que tem dinheiro mas pode encontrar dificuldade no mercado interno para repor uma eventual ausência do treinador.

Agora surge a possibilidade de Jorge Jesus retornar para casa e dirigir o Benfica. Alguns apaixonados, na tentativa de sensibilizar o professor, chegaram ao cúmulo de afirmar que o clube de Lisboa é pequeno, na esperança de ouvir que maior que o Flamengo não há no planeta Terra. Uma enorme bobagem, o Benfica é tão grande quanto o Flamengo.

Agora pequeno mesmo é esse grupo que está tocando o dia a dia do Mengo. Uma diretoria que se acha acima do bem e do mal, que se julga onipotente, que olha os adversários de cima, que tenta levar vantagem em tudo, mas que vive dando bola fora.

A torcida já percebeu que se trata de gente soberba e que se não abrir os olhos vai enfiar o clube naquela situação de ser um dos mais odiados do país. E Flamengo não é isso. Ser Flamengo é ser do povo, batalhador, entusiasmado, feliz, porém consciente da sua real posição no contexto do futebol. Afinal, sozinho não se faz nada. Nem mesmo segurar um treinador de futebol.

 

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    90
  • 2 San
    71
  • 3 Pal
    71
  • 4 Grê
    65
  • 5 Ath
    63
  • Veja tabela completa