O ídolo são-paulino tinha muita classe e foi muito elogiado por Pelé. Foto: Reprodução

O ídolo são-paulino tinha muita classe e foi muito elogiado por Pelé. Foto: Reprodução

Um dos grandes nomes da história do São Paulo Futebol Clube, Roberto Dias nos deixou exatamente há 13 anos, em 26 de setembro de 2007.

Roberto Dias Branco, segundo Pelé, foi o melhor quarto-zagueiro da história do futebol brasileiro. Ele nasceu no dia 1º de junho de 1943, no bairro do Canindé, em São Paulo-SP.

Com a camisa do Tricolor, Roberto Dias disputou 523 jogos (242 vitórias, 143 empates, 138 derrotas), 76 gols marcados e os títulos paulistas de 1970 e 1971, de acordo com o "Almanaque do São Paulo", de Alexandre da Costa.

Foi o grande craque do São Paulo nos anos 60, década na qual o clube não conquistou nenhum título paulista, porque concentrava seus esforços na construção do Estádio do Morumbi.

Mas os torcedores iam a campo só para vê-lo, tamanha a intimidade que tinha com a bola, que colocava onde queria, principalmente nas faltas perto da área. Leão que o diga. Dava chapéus, inclusive em Pelé.

CLIQUE AQUI E CONHEÇA A HISTÓRIA DE ROBERTO DIAS NA SEÇÃO “QUE FIM LEVOU?”

Abaixo, participação do grande ídolo são-paulino no “Golaço”, programa da Rede Mulher, no dia 27 de dezembro de 2005:

Da esquerda para a direita, em pé: Nenê "Peito de Pombo", Roberto Dias, Celso, Edilson, Eduardo Albuquerque e Picasso. Agachados: Miruca, Terto, Babá, Benê e Paraná. Foto enviada por Roberto Ribaldo

Dias deixou saudades nos corações dos são-paulinos e dos amantes do bom futebol.

 

Em 523 partidas com a camisa do São Paulo, Roberto Dias, que além da zaga também jogou no meio-campo, marcou 76 gols.

 

Fábio Sormani (esq) e Tatá Muniz (dir) também participaram do programa.

 

Dias lembrou e contou muitas histórias de seu tempo de jogador.

 

No dia 27 de maio de 2005, Roberto Dias participou do programa "Golaço", da Rede Mulher de Televisão, apresentado por Milton Neves.


Edição de novembro de 2012 da Revista Placar (1372), com grande destaque, a coluna "Causos do Miltão". Imagem: Revista Placar


dia 20 de maio de 1962, São Paulo x Votuporanguense. Em pé, da esquerda para a direita estão De Sordi, Dario, Riberto, Deleu, Roberto Dias, Suli e Dilermano Costa Machado, diretor da Votuporanguense e sãopaulino. Agachados: Faustino, Prado, Benê, Baiano e Agenor. Foto: Laurita da Silva Oliveira / arquivo jornal A Cidade


Roberto Dias e Djalma Santos, em excursão da Seleção Brasileira. Dias parece ter acabado de colocar o rolo de filme em sua máquina fotográfica. Foto: arquivo pessoal de Valdir Joaquim de Moraes


Valdir Joaquim de Moraes e Dias. Foto: arquivo pessoal de Valdir Joaquim de Moraes


Em pé, da esquerda para a direita: Carlos Alberto Torres, Roberto Dias, Joel Camargo, Rildo, Brito e Gylmar. Agachados, da esquerda para a direita: Julinho Botelho, Gérson, Pelé, Vavá e Rinaldo. Enviou: Roberto Saponari


Da esquerda para a direita, em pé: Renato, Tenente, Roberto Dias, Fábio, Lourival e Jurandir. Agachados: Walter, Nelsinho, Babá, Fefeu e Paraná. Foto enviada por Walter Roberto Peres


Da esquerda para a direita, em pé: Roberto Dias, Cláudio Deodato, Tenente, Nenê "Peito de Pombo", Édson Cegonha e Picasso. Agachados: Osvaldo Sarti, Nicanor, Gérson, Toninho Guerreiro, Terto e Paraná


Da esquerda para a direita, em pé: Djalma Santos, Zequinha, Roberto Dias, Rildo, Eduardo e Gylmar dos Santos Neves. Agachados: Marcos, Gérson, Quarentinha, Amarildo e Zagallo. Foto enviada por Roberto Saponari


Em pé, da esquerda para a direita: Murilo, Manga, Brito, Fontana, Oldair e Roberto Dias. Agachados: Garrincha, Alcindo, Silva Batuta, Fefeu e Rinaldo. Foto enviada por Walter Roberto Peres


Em pé, da esquerda para a direita: Ilzo, Jurandir, Bellini, Dias, Suli e Deleu. Agachados, da esquerda para a direita: Faustino, Cecílio Martinez, Benê, Pagão e Sabino.


Posando para a foto, da esquerda para a direita, Roberto Dias e Didi, dois grandes jogadores do São Paulo. Foto: Walter Peres


De baixo para cima, Roberto Dias é o terceiro, Gino Orlando é o quarto e Faustino é o último. Na época, os jogadores andavam no Boeing da Varig. Foto: Sarkis


Em pé: Murilo, Valdir Joaquim de Moraes, Djalma Dias, Leônidas, Roberto Dias e Rildo; Agachados: Paulo Borges, Oldair, Célio, Parada e Ivair Fonte: Blog do Michel Laurence / iG


Capa da Revista Gazeta Esportiva Ilustrada, em 1965. Reprodução de foto enviada por Walter Roberto Peres


Da esquerda para a direita: Jurandir, Pelé, Roberto Dias e Nenê. Foto enviada por Walter Roberto Peres


Em pé, da esquerda para a direita, vemos: Dias, Cláudio, Terto, Edson, Jurandir e Picasso. Agachados: Paraná, Zé Roberto, Teia, Nenê e Babá. E o Morumbi em obras, hein? A foto é da Revista do Esporte, de 2 de agosto de 1969.


Em pé, da esquerda para a direita: Gilberto Sorriso, Sérgio Valentim, Roberto Dias, Edson, Jurandir e Forlan. Agachados: Paulo, Terto, Toninho Guerreiro, Gérson e Paraná.


Times de São Paulo e Sporting-POR perfilados no dia 2 de outubro de 1960, na inauguração do Estádio do Morumbi. Na foto, da direita para esquerda, o segundo é o treinador José Teixeira, o oitavo é Roberto Dias, Canhoteiro é o 13º, Gildésio é o 16º, Peixinho o 18º, o 20º é Vítor, o goleador Gino é 22º, seguido pelo goleiro Poy e o árbitro Olten Ayres de Abreu. Ademar, Riberto e Gonçalo também participaram deste amistoso internacional. Foto: Reprodução/José Castro/Folhapress


Dias estampou a capa da saudosa revista em junho de 1963


Foto do São Paulo de 1965. Em pé: Santinho, Roberto Dias, Bellini, Jurandir, Renato Gaúcho e Suli. Agachados: Alan, Prado, Del Vecchio, Benê e Efraim


Imagem da Seleção Brasileira em uma malfadada excursão pela Europa no ano de 1963. Em pé: Djalma Santos, Zito, Altair, Roberdo Dias, Eduardo e Gylmar. Agachados: Marcos, Gérson, Pelé, Nei Oliveira, Pepe e o massagista Mário Américo. Foto enviada por Marcus Rouanet Machado de Mello


O Tricolor na Taça de Prata de 1970. Em pé: Gilberto Sorriso, Sérgio Valentim, Roberto Dias, Édson Cegonha, Jurandir e Forlan. Agachados: Paulo Nani, Terto, Pedro Rocha, Gérson e Paraná


Seleção Brasileira, em 1968 A Seleção Brasileira treinada por Aymoré Moreira no Maracanã, no dia 6 de novembro de 1968 em amistoso contra a Seleção da FIFA. Vitória brasileira por 2 a 0. Em pé: Carlos Alberto Torres, Everaldo, Jurandyr, Roberto Dias, Gérson e Picasso. Agachados: Natal, Rivellino, Jairzinho, Pelé e Paulo César.


Em pé: Wilson, Tuca, Zé Luiz, Polaco, Roberto Dias e Serginho. O outro homem que aparece depois não foi identificado. Agachados: Gonçalves, Fidelis, Adilson, Bargas e Pelego


Da esquerda para a direita, em 1977, no famoso Milionários: Djalma Dias, Brecha, Roberto Dias, Orlando Peçanha e Oreco.


Tricolor nos anos 60. Em pé, da esquerda para a direita: Vilásio, Roberto Dias, Geraldo, Luís Valente, Suli e Vítor Paulada. Agachados: Paulo Lumumba, Amauri, Gino, Benê e Canhoteiro


Veja o Tricolor nos anos 60. Em pé, da esquerda para a direita: Cerroni, De Sordi, Poy, Rubens Caetano, Roberto Dias, Luís Valente e Procópio. Agachados: Célio, Benê, Gino Orlando, Baiano e Canhoteiro


Em pé: Lima, Zito, Roberto Dias, Rildo, Eduardo e Gylmar. Agachados: o massagista Mário Américo, Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé, Pepe e um integrante da comissão técnica.


O São Paulo no Morumbi em tarde de sol de 1970. Em pé estão Gilberto, Sérgio, Roberto Dias, Édson, Jurandir e Forlan; agachados vemos Paulo Nani, Terto, Toninho, Gérson e Paraná


O São Paulo em 1968 no Pacaembu. Em pé estão Edilson, Celso, Roberto Dias, Lourival, Jurandir e Picasso; agachados vemos Miruca, Terto, Téia, Nenê e Paraná


Na década de 70, São Paulo e Santos fizeram grandes embates. Na imagem, Brecha está de frente (dir), com a camisa listrada do Santos, ao lado de "um tal" de Pelé (com a mágica camisa 10). O camisa 7 do São Paulo é Paulo Nani (esq) e o 2 é Carlos Alberto Rodrigues. À frente de Rodrigues (no segundo e terceiro plano da imagem) você confere o bigodão do zagueiro Roberto Dias e "metade" do lateral Gilberto Sorriso. O primeiro a esquerda é Paranhos Paulada e, ao fundo, você vê o ponta Jair da Costa, do Santos FC


Seleção Brasileira de 1968 com os melhores do Robertão daquele ano. Em pé vemos Carlos Alberto, Félix, Roberto Dias, Brito, Gérson e Everaldo; agachados Mário Américo, Paulo Borges, Rivellino, Jairzinho, Pelé e Paulo César. Foto enviada pelo internauta Walter Peres


O São Paulo em 1971 no gramado do Morumbi. A partir da esquerda vemos Jurandir, Paulo Nani, Tenente, Arlindo Galvão (atrás), Picasso, Gérson, Lima (ao fundo), Gilberto Sorriso, Sérgio Valentim (encoberto por Gilberto Sorriso), Pedro Rocha, Téia, Paraná, Vanderlei, Toninho II, Dias (atrás), Dario, Carlos Alberto Rodrigues (atrás de Lima), Lucas, Everaldo (atrás de Lucas) e Pablo Forlan.


Veja o time do Milionários FC em 1977. Em pé, da esquerda para a direita: Djalma Santos, Dias, Djalma Dias, Aguinaldo, Orlando e Oreco. Agachados: Garrincha, Paulo Borges, Toninho Guerreiro, Brecha e Pepe


Nesta Seleção Paulista de 1965, estão em pé: Djalma Santos, Lima, Dias, Clóvis, Ditão e Suly. Agachados: Mário Américo, Dorval, Prado, Ademar Pantera, Nair, Rinaldo e o massagista Jair


Seleção Paulista de 1969. Em pé, da esquerda para direita: Eurico, Leão, Baldocchi, Dé, Dias e Dudu. Agachados: Buião, Terto, Leivinha, Paraná e Ademir da Guia


A foto acima é do dia 15 de outubro de 64, quando o São Paulo goleou o Palmeiras por 5 a 2, no Pacaembu. Em pé: Deleu, Jurandir, Penachio, Dias, Serafin e Suly. Agachados: Faustino, Zé Roberto, Del Vecchio, Bazaninho e Agenor


Esta foto mostra o elenco do São Paulo que tirou o clube de uma fila de 13 anos sem títulos paulistas. Foi tirada no dia 13 de setembro de 1970 antes de um clássico contra o Corinthians, que o time do Morumbi venceu por 1 a 0 com gol de Paraná. Quatro dias antes, o São Paulo havia garantido matematicamente a taça ao bater o Guarani em Campinas por 2 a 1. Em pé vemos, com a faixa, o presidente Laudo Natel, Benê, doutor Dalzell Freire Gaspar, Tenente, Eduardo, Picasso, Gilberto, Sérgio Valentim, Lima, Édson Cegonha, Roberto Dias, Lourival, Forlan e Jurandir; agachados vemos Everaldo, Toninho II, Paulo Nani, Terto, Miruca, Gérson, Zé Roberto, Toninho Guerreiro, Nenê e Paraná.


Seleção brasileira de 1965. Da direita para a esquerda: Bianchini, Manga, Roberto Dias, Paraná, Gérson, Rildo (de costas) e Bellini.


Em pé: Djalma Santos, Marcial, Roberto Dias, Eduardo, Carlinhos e Rildo. Agachados: Julinho Botelho, Gérson, Vavá, Bianchini e Pepe.


Em pé: Renato, Edilson, Roberto Dias, Lourival, Jurandir e Picasso. Agachados: Walter Zum-Zum, Adilson, Djair, Nenê e Paraná


1965: Roberto Dias, a esposa e Toninho II.


O São Paulo diante de um Morumbi deserto. Em pé temos Bellini, Dias, Tenente, Renato, Suly e Jurandir; agachados estão Valdir Birigui, Zé Roberto, Prado, Valter e Paraná




1963: Nondas, Pagão, Roberto Dias e Benê voltam da Europa. E que tal as filmadoras da época?


 


 


 


 


A partida entre São Paulo e Santos, realizada no Pacaembu na tarde de 14 de agosto de 1963, entrou para a história como o jogo em que o Santos fugiu de campo. E nada indicava que o time da Vila Belmiro usasse o recurso "cai-cai", porque o jogo começou equilibrado. Faustino abriu o placar para o Tricolor aos 5 minutos. Pelé empatou para o Peixe aos 21. Mas nos oito minutos finais do primeiro tempo acoonteceu de tudo! Benê marcou o segundo gol do São Paulo aos 37 e Sabino aumentou para 3 a 1 aos 40 minutos. Aí começou a confusão. Os santistas protestaram, o árbitro Armando Marques não tolerou as reclamações e expulsou Pelé e Coutinho. Ele estava indignado: "Quero que um avião caia na minha cabeça e de meus familiares se eu fiz alguma coisa!", esbravejava. Não adiantaram desculpas, o Santos teria de voltar para o segundo tempo com apenas 9 jogadores. No intervalo, Oswaldo Brandão, técnico do São Paulo, sentenciou: "Este jogo não vai acabar. O Dr. Nélson Consentino (médico do Santos) já me disse que vão melar o jogo". E foi o que aconteceu. O Santos voltou para o segundo tempo só com 8 jogadores: o lateral Aparecido, que tinha estreado naquela noite, ficou "contundido" no vestiário. O jogo recomeçou e aos 7 minutos Pagão ampliou para 4 a 1. Começou então o "cai-cai". Pepe e Dorval resolveram cair e esperar a maca para não voltarem mais ao gramado. Armando Marques apitou o fim da partida, pois o Santos não tinha número legal de jogadores em campo para continuar o jogo. Acima, a equipe do São Paulo que entrou em campo: EM PÉ: Ilzo, Jurandir, Bellini, Dias, Suli e Deleu. AGACHADOS: Faustino, Cecílio Martinez, Benê, Pagão e Sabino


O primeiro em pé é Nonô, seguido pelo goleiro Carlos Alberto (ex-Lusa). O quinto em pé é Roberto Dias, seguido pelo lateral-esquerdo Décio Teixeira. Paulinho é o segundo agachado, seguido por China (ex-Botafogo) e Gérson (o Canhotinha de Ouro).


 


 


 


 


 


 


Em pé: Cláudio Deodato, Terto, Roberto Dias, Eduardo, Édson Cegonha e o goleiro Picasso. Agachados: Osvaldo Sarti com a flâmula na mão, Paraná, Zé Roberto, Téia, Nenê e Babá.


 


 


 


 


A Seleção Paulista em formação no Parque Antártica. Em pé: Leão, Ramos Delgado, Carlos Alberto Torres, Roberto Dias, Dudu e Rildo. Agachados: o saudoso Mário Américo, Suingue, Ademir da Guia, Ivair (o Príncipe), Pelé, Edu e mordomo Romeu.


 


 


 


 


Veja como era e como está o querido Dias.


 


 


 


 


 


No dia 12 de maio de 1963 o Brasil perdeu amistoso para a Itália, em Milão, por 3 a 0. Entrando em campo estão Pelé e depois dele Eduardo, Lima, Roberto Dias, Pepe e Mengálvio. Os italianos são Sormani e Facchetti.


Blota Júnior, Roberto Dias, Edu e Milton Neves em 8 de maio de 1994, na estreia do Canal 100 da extinta TV Manchete. Foto: Reprodução


Marco Aurélio Cunha ao lado de duas lendas do São Paulo, Roberto Dias e Bellini


Belíssima formação do São Paulo, em 1969. Em pé, da esquerda para a direita: Roberto Dias, Cláudio, Terto, Édson Cegonha, Jurandir e Picasso. Agachados: Paraná, Zé Roberto, Teia, Nenê e Babá. Foto: Revista do Esporte (retirada do Blog Tardes de Pacaembu)


Os tricolores Gérson e Roberto Dias em 1972, no Morumbi. Detalhe para os cravos da chuteira do Canhotinha. Foto: Divulgação


Os jogadores da seleção brasileira antes do amistoso contra a Alemanha Ocidental, em Hamburgo, no dia 5 de maio de 1963. O Brasil venceu o duelo por 2 a 1, com gols de Coutinho (aos 59 minutos) e de Pelé (aos 72 minutos). Quem abriu o placar foi o defensor alemão Jürgen Werner (aos 32 minutos). Em pé, da esquerda para a direita: Lima, Zito, Roberto Dias, Rildo, Eduardo e Gylmar. Agachados: o massagista Mário Américo, Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé, Pepe e o roupeiro Luisão. A foto nos foi enviada por Eduardo Galdão de Albuquerque, filho do zagueiro Eduardo


Dante, Roberto Dias e Osvaldo, no Morumbi, em 1961. Foto: arquivo pessoal


Roberto Dias e Jaimão. Foto: reprodução


Em 163, o goleiro Gilmar apresenta seus companheiros de seleção ao Duque de Glouscester, antes do amistoso Brasil e Inglaterra. Foto: ASSOPHIS (Associação dos Pesquisadores e Historiadores do Santos FC)


A foto é de 15 de novembro de 1964. Nela estão da, esquerda para direita, em pé, Mosquito, jogador de basquete, o terceiro, Bellini o quarto, Poy é o sétimo e Roberto Dias o oitavo. O internauta Wilson Tannuri, com oito anos, está lá atrás, entre Mosquito e Bellini. Esta foto foi tirada em um colégio de padres na zona norte de São Paulo. Foto: Wilson Tannuri

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa