O genial das narrações completa 62 anos nesta quinta-feira

O genial das narrações completa 62 anos nesta quinta-feira

por Marcos Júnior
Osmar Santos está completando 62 anos de idade.
Algumas narrações esportivas beiram a perfeição. Eu nunca ouvi nenhuma mais precisa que a de Osmar Santos para o gol de Basílio em 1977, quando o Corinthians encerrou o martírio de 23 anos sem títulos.
O lance do gol foi rápido. Virou até um belo documentário, chamado "23 anos em 7 segundos". É o tempo total, desde que Zé Maria levanta a bola para a área da Ponte Preta até o chute seco de Basílio para o fundo do gol. Para o fundo do coração apertado dos corintianos. Sete segundos que duraram uma eternidade para aqueles que torciam para que a bola entrasse.
Osmar Santos narrou cada toque, a trave maldita, o zagueiro que evitou o gol e finalmente Basílio. Não poderia ter sido mais preciso. Cirurgicamente preciso.
A mesma precisão que o neurocirurgião teve ao operar o cérebro de Osmar, devolvendo-lhe a vida após o gravíssimo acidente automobilístico.
Infelizmente Osmar não voltou a narrar. Mas sobreviveu, deu e continua dando um exemplo de vida a todos nós. Seu vocabulário ficou restrito, os movimentos comprometidos. Por força das limitações, tornou-se canhoto e começou a pintar lindos quadros. Coloridos e vibrantes, como deve ser a vida.
Em 1984, Osmar esteve à frente dos comícios gigantescos pelas eleições  diretas. A campanha das "Diretas Já?.
Eu, estudante pré-vestibular, estive presente à passeata que se iniciou na praça da Sé e culminou no Vale do Anhangabaú. Mais de um milhão de pessoas.
Osmar Santos, Sócrates, Lula, Leonel Brizola, Ulisses Guimarães, Franco Montoro, Mário Covas, Fernando Henrique Cardoso e Fafá de Belém, entre outros. Cantamos o hino com a esperança de que a emenda Dante de Oliveira fosse aprovada pelo Congresso. Sócrates, que jogava com tornozeleiras amarelas, a cor que simbolizava a campanha das diretas, disse que se a emenda passasse não sairia do Brasil. A emenda não passou, e o maior jogador que eu vi jogar com a camisa do Corinthians foi para a Fiorentina.
Se não fosse o terrível acidente, Osmar poderia ter narrando o penta, os gols de Ronaldo, as defesas de Marcos, o centésimo gol de Rogério Ceni e os dribles de Neymar. Criaria uma algunha para Paulo Henrique Ganso.
Tudo bem Osmar, ficamos com o gostinho daquilo que você poderia fazer a mais. Mas você já fez muito. Muito mesmo. E no seu aniversário, nós torcedores é que ganhamos o presente maior. O presente de ter lhe ouvido.
Cada torcedor que ouviu suas narrações tem na memória uma lembrança de gol, um grito de "é campeão!"
Sua voz continua embalando os sonhos de todos nós. O amor que você nutre hoje pela pintura parece tão verdadeiro quanto aquele que nutriu pelas cabines de rádio. É a forma mais bela que você encontrou para se comunicar com o mundo.
O amor que devemos ter pelo que fazemos - e com o qual sonhamos -, tem de ser assim, Osmar: colorido, uma verdadeira aquarela!




Clique aqui e veja Osmar Santos na seção "Que Fim Levou?"


Veja abaixo as  narrações de Osmar Santos para o gol de Basílio em 1977 quando o Corinthians sagrou-se campeão paulista. Corinthians 1 x 0 Ponte Preta (13/10/1977) e para o gol de Raí na final do Mundial Interclubes em 1992.
São Paulo 2 x 1 Barcelona (13/12/1992)
E também o querido Osmar Santos no comício das "Diretas Já", realizado em 1984, no Vale do Anhangabaú-SP

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Fla
    64
  • 2 Pal
    54
  • 3 San
    51
  • 4 São
    46
  • 5 Cor
    44
  • Veja tabela completa