Lançado pela Approach Editora com selo do Museu da Pelada, primeiro de três volumes aborda biografias de craques do passado

Lançado pela Approach Editora com selo do Museu da Pelada, primeiro de três volumes aborda biografias de craques do passado

Rio de Janeiro — Duas décadas de inúmeras e incansáveis pesquisas e entrevistas foram necessárias para a descoberta de fatos até então desconhecidos de muitos ídolos do passado, como, por exemplo, os que confirmam que o banguense e vascaíno Fausto dos Santos, o “Maravilha Negra” e um dos maiores ídolos do amadorismo no futebol brasileiro, era carioca e não maranhense, de Codó; que Eurico Lara, o maior de todos os ídolos do Grêmio, não morreu durante um Gre-Nal e chegou a atuar como juiz em alguns jogos antes de fatalmente tombar diante da tuberculose; ou que a gripe espanhola matou entre 1918 e 1919 vários craques do eixo Rio-São Paulo. 

A epopeia destes e de muitos outros ídolos e craques nos gramados de um passado bastante remoto — e de norte a sul do país — é resgatada pelo jornalista e pesquisador André Felipe de Lima no primeiro volume (em formato e-book) da enciclopédia “Ídolos & Épocas — O amadorismo no futebol brasileiro (1900 a 1933), de A a F”, lançado pela Approach Editora, com o selo Museu da Pelada. Os dois volumes restantes, que contemplam ídolos de “G a O” e de “P a Z”, já estão em reta final de edição e, em breve, também serão apresentados ao leitor que ama futebol e história. 

“Listei os maiores nomes de clubes de Norte a Sul do País. Desde o Fortaleza até o Internacional de Porto Alegre. Do Oiapoque ao Chuí, há ídolos do futebol em todas as épocas, de 1900 aos nossos dias. Uns, decerto, mais que outros. Mas eles existem ou existiram. Ditam ou ditaram comportamentos culturais. Impressionei-me, sobretudo, com a influência cultural dos ídolos da era amadora, que se estende até 1933, ano em que, enfim, após muitos e acirrados debates, o profissionalismo é implantado no futebol brasileiro. Como não recordar de Popó, ídolo maior do futebol baiano dos anos de 1920 e 30 e, especialmente, do escritor Jorge Amado e da bondosa e santa Irmã Dulce, ambos torcedores do ‘mais querido’ Esporte Clube Ypiranga, de Salvador?”, indaga o autor, na introdução do livro “Ídolos & Épocas”. 

Em diversas vezes André Felipe de Lima foi chamado de “louco” por muitos daqueles com os quais compartilhou a extensa pesquisa e textos preliminares da obra. “Alguns até diziam que eu não iria muito longe e que o projeto era coisa de megalomaníaco. Que seja, ora. A história do futebol brasileiro merece todo o nosso esforço em pesquisa e resgate de memória, mesmo que sem apoio cultural ou qualquer tipo de incentivo, que é o meu caso”, diz o autor, completando: “Gastei até o que não podia comprando acervos, livros, revistas e jornais antigos, daqui e do exterior. Não me intimidei e segui a diante. Valeu muito a pena. A vastíssima pesquisa foi concluída.” 

Sejam, portanto, bem-vindos ao universo de uma era amadora do nosso futebol, mas de um doce romantismo e amor à camisa que jamais, infelizmente, veremos novamente, onde ídolos e torcedores estavam mais próximos do que nunca, reunidos, lado a lado, nos gramados, nas ruas e nos bares para comemorarem única e exclusivamente o amor mais puro e sincero pelo futebol. 

SOBRE O AUTOR: 

Jornalismo, reportagem, assessoria de comunicação e academia. Há 32 anos, André Felipe de Lima, um carioca, que nasceu no dia 31 de dezembro de 1968, trilha nestes campos. Foi repórter em algumas redações no Rio de Janeiro, dentre elas as do Jornal do Commercio, da sucursal da Folha de S.Paulo, da Ediouro (agência de notícias Canal Web) e do Globonews.com (embrião da crossmedia que se desdobrou no atual G1). Como consultor, atuou pela RP Consultoria de Comunicação, organizadora do Prêmio Esso de Jornalismo, e Edelman. No campo universitário, foi professor de jornalismo na Universidade Estácio de Sá durante oito anos. “Ídolos & Épocas” é sua estreia no campo literário. Atualmente é editor da revista Comunità Italiana e integrante da equipe Ketchum JCM Comunicação. 

SOBRE OS EDITORES:

Comanda a Approach Editora o premiado Sergio Pugliese, com trajetória ímpar na imprensa carioca, onde atuou no Jornal do Brasil e em O Globo. Sergio é idealizador e fundador do projeto Museu da Pelada (http://www.museudapelada.com/), um espaço livre para crônicas sobre o futebol e também voltado para um amplo trabalho sociocultural e de resgate da memória de jogadores do passado. Também a frente da editora está o renomado biógrafo Marcos Eduardo Neves, autor de clássicos da literatura esportiva brasileira, dentre os quais “Nunca houve um homem como Heleno” e “Anjo ou demônio: a polêmica trajetória de Renato Gaúcho”, ambos relançados pela Approach Editora. 

DETALHES DO LIVRO/ E-BOOK: Nome: Ídolos & Épocas — O amadorismo no futebol brasileiro (1900 a 1933), de A a F 

Editora: Approach Editora; 1ª edição (6 junho 2021)/ Selo Museu da Pelada 

Formato: e-book 

Idioma: português 

Tamanho do arquivo: 5MB 

Quantidade de dispositivos em que é possível ler este e-book ao mesmo tempo: ilimitado 

Idade de leitura: livre 

Link para o livro na Amazon: https://url.gratis/5fjj1K 

CONTATO DO AUTOR: André Felipe de Lima a.felipe.lima@uol.com.br 

EDITORA: https://www.approach.com.br/approach-editora 

 

Você também vai gostar

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa