Vista aérea de Muzambinho. Foto: Secretaria de Esporte, Lazer e Cultura de Muzambinho

Nasci lá, em 6 de agosto de 1951.

Vivi lá até 1971.

Tentei jogar futebol, futsal – então futebol de salão -, ser treinador ou titular de uma corneta na Fanfarra do Colégio.

Milton "Rinus Michels" Neves com a promissora garotada de Muzambinho, na década de 60

Em todas as “atividades” tirei nota zero.

Vôlei e basquete nem tentei, difíceis demais.

Jamais soube andar de velocípede ou bicicleta por nunca ter tido esse tipo de máquina.

Nadar sabia, continuo sabendo.

Milton Neves aperfeiçoando as suas braçadas na piscina da Fazenda do Ipê

Fui nota 6,5 para os padrões locais e hoje sou nota 2,16 no meio da horta de minha casa, na Hebraica ou na Fazendo do Ipê.

Enfim, um completo fracassado.

Mas lá em Minas o rádio me salvou do ostracismo.

À esquerda, João Dureza no humilde estúdio da Rádio Continental de Muzambinho-MG, onde Milton Neves iniciou a sua carreira (repare no estado da cadeira, da mesa e da parede. Além dos vários fios soltos). À direita, Milton Neves se emociona ao rever a fachada da Rádio Continental

Passei até a ser uma espécie de terceira ou quarta opção de lindas moçoilas que antes olhavam para mim com a mesma “admiração” hoje do Neymar mirando um bandeirinha e um árbitro que acabaram de puni-lo em campo.

Mas o que queria mesmo naqueles doces e descompromissados anos 60 era ouvir no meu radinho, ou ver na TV dos vizinhos Rubens Abrão e Geraldo Coimbra, um jogador de Muzambinho titular de um time grande do Brasil.

Se fosse no Santos então...

O tempo passou e aí virei radialista, jornalista, publicitário, comentarista, apresentador de TV, palestrante e até animador de velório, se precisar.

Foram anos e anos esperando um muzambinhense honrando a história dos craques regionais e invisíveis aos olhos do Brasil como Corote, Fominha, Vanderlei do Racine, Laudimiro Brinquinho, Márcio Luiz ou Amir Goleiro.

Os irmãos Geraldo “Lado” e Zé Maria Montanari e o matador Ivan Surdão até que foram aprovados em testes nos então fortíssimos times do Comercial de Ribeirão Preto e Ferroviária de Araraquara.

Em destaque, Ivan Surdão, um dos maiores craques do futebol muzambinhense. O penúltimo agachado é Décio Megale, pai de Luiz Megale, da Rádio e TV Bandeirantes 

Os irmãos Montanari voltaram para Muzambinho por “saudades demais” da vidinha de lá.

Ivan Surdão, tio do ator global Alexandre Nero, deixou a Ferrinha pelo amor fugaz da hoje médica Eliane, tia do zagueiro Thiago Martins do Palmeiras.

Ah, é isso aí!

Cheguei aonde queria.

Sim, no zagueiro “intransponível” Thiago Martins e campeão paulista de 2018 (sim, senhores corintianos).

Filho do “Denão”, ex-goleiro, sobrinho dos médicos “Dogrão” e Eliane, de Edélcio e Danilo e neto do "Seo Afonso da Fábrica" e de Dona Conceição Rímoli da Secretaria de Educação de Minas Gerais.

Thiago Martins, em destaque, no "Campão" de Muzambinho

Ele começou no campinho do “Arto do Anju”, do lado do cemitério São José e se “consagrou” no “campão”, o “Estádio” Professor Antônio Milhão.

Lá, em grande desastre, eu tentei ser quarto-zagueiro também.

Fui o pior beque do mundo apesar da “panca”.

Em destaque, Milton Neves em seus tempos de zagueiro

Já Thiago Martins, apontado pelo jornalista Mauro Beting como o zagueiro mais bonito da história do seu Palmeiras, jogou futsal também.

Thiago Martins também chegou a jogar futsal

Hoje ele é o orgulho maior de minha terra, mesmo tendo nascido em... São João Evangelista!!!

Mas “isso não vale”.

Concebido em Muzambinho, sua mãe Daniela foi “rapidamente” dar à luz em São João Evangelista só para ficar perto de seus pais.

E após apenas um dia e 14 horas do parto, ele foi levado para sua casa definitiva de Muzambinho.

O garoto Thiago Martins, em Muzambinho, brincando com seus cachorrinhos

Assim “quem nasce num lugar e fica lá só horas e depois vive 23 anos noutra cidade, adquire o direito de alterar sua naturalidade”.

Foi o voto de Sua Excelência Seven Notlim da Silva Xavier Kubitschek de Oliveira Drummond de Andrade do STF em rápida explanação de 11 horas e 12 minutos.

Enfim, viva Muzambinho, o futebol, minha cidade, o Thiago Martins, o Palmeiras campeão contra o Corinthians e a saudade, a coisa mais linda do mundo.

Você também vai gostar

SOBRE O COLUNISTA

Milton Neves Filho, nasceu em Muzambinho-MG, no dia 6 de agosto de 1951.

É publicitário e jornalista profissional diplomado. Iniciou a carreira em 1968, aos 17 anos, como locutor na Rádio Continental em sua cidade natal.

Trabalhou na Rádio Colombo, em Curitiba-PR, em 1971 e na Rádio Jovem Pan AM de São Paulo, de 1972 a 2005. Atualmente, Milton Neves apresenta os programas "Terceiro Tempo?, "Domingo Esportivo? e "Concentraç&atild... Saiba Mais

Arquivos