É a cultura engolindo a estratégia já no café da manhã...

É a cultura engolindo a estratégia já no café da manhã...

Me proponho a falar de futebol neste espaço. Casos de polícia não entram. Por isso, só lamento as invasões, ameaças, chutes no carro e todos os outros constrangimentos que jogadores de Corinthians e Flamengo tiveram que passar na última semana. E sim eles tiveram que passar por tudo isso já que ainda temos dirigentes coniventes que não só jogam para a torcida, como jogam também com ela. Dirigentes...

Mas o que me intriga nesses dois casos e os uso para fazer uma reflexão maior é a possível insatisfação de jogadores dos elencos flamenguista e corintiano com os métodos de trabalho das respectivas comissões técnicas. Cobrança, disciplina, pontualidade, intensidade e coisas do gênero não estariam sendo bem aceitas.

Os dois times são comandados por técnicos portugueses. E ambos não foram campeões estaduais. Isso faz toda a diferença! Para comparar, tenho certeza que Jorge Jesus e Abel Ferreira também seguem a mesma linha. Porém ambos ergueram troféus. E isso encobre muita coisa, infelizmente. Seja o técnico com o passaporte que for...

E esse empoderamento exagerado dos jogadores me preocupa. A inversão na hierarquia, tendo o comandante que se submeter inteiramente aos comandados não me parece o melhor caminho. Claro que diálogo e cooperação são fundamentais e pré-requisito para qualquer bom líder. Entretanto, quando o jogador se sente fora da zona de conforto o inconsciente dele já apela para a sobrevivência, relembrando elementos inerentes a nossa cultura como "é mais fácil trocar um (o técnico) do que trinta (jogadores)", ou a própria média de três meses de permanência de um treinador em um clube e coisas do gênero.

E aí voltamos para a gestão: dirigente não costuma bancar treinador. Há pouca convicção no processo. Existe até um desconhecimento de como se cria uma ideia de jogo e as necessárias relações para que as coisas funcionem dentro de campo. Em caso de derrota, pressão da torcida e rumores dessa insatisfação dos jogadores com a metodologia de trabalho e o perfil da liderança do treinador, troca-se toda uma comissão técnica para dar "uma (falsa) resposta ao torcedor".

Depois não podemos reclamar que nosso jogo é inferior ao europeu. Não que lá isso também não aconteça. Mas em uma escala muito menor. Esses próprios jogadores que aqui reclamam lá se comportam diferente. É a cultura engolindo a estratégia já no café da manhã...

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa