Faltava o treinador, agora não falta mais!

Depois da "pipocada" de Jorge Jesus, que não teve peito para assumir um clube forte de verdade, o Galo foi buscar o argentino Antonio "Turco" Mohamed, de ótima passagem no futebol mexicano, pelo Monterrey.

Tenho ouvido comentários desabonadores de torcedores rivais sobre o novo comandante do Maior de Minas.

Pura inveja!

Com o elenco que tem em mãos, muito melhor que o do Monterrey, por exemplo, reforçado com peças do quilate de Godín, vai levar o Atlético a disputar com favoritismo todos os títulos na temporada de 2022.

Aos rivais mais diretos, principalmente o Palmeiras e o Flamengo, restará o contentamento por vice-campeonatos...

Pronto!

O Galo já está prontinho para confirmar o que venho dizendo há meses!

Melhor time do continente, em breve será do mundo!

 

****************************************************************

A entrevista de Milton Neves ao Loungecast, o podcast do "The Broker Brasil"

Milton Neves foi o entrevistado do Loungecast 07, podcast do "The Broker Brasil", que foi gravado na redação do Portal Terceiro Tempo, em São Paulo em dezembro último.

Na conversa com Paulo Cruz, Milton relembrou momentos marcantes de sua carreira e destacou a importância da publicidade nos meios de comunicação, com posições firmes e também bem humoradas, como de praxe.

Entre as histórias, uma das que mais marcou sua vida pessoal, o dia em que Pelé o viu, quando ele foi com amigos assistir um jogo do Santos diante do Comercial de Ribeirão Preto em 10 de outubro de 1965, no Estádio Francisco de Palma Travassos.

ABAIXO, A ENTREVISTA COMPLETA DE MILTON NEVES AO LOUNGECAST

****************************************************************

Olhos no retrovisor: Alain Prost estreava na F1 há 42 anos e conquistava seu primeiro ponto

 

Há exatos 42 anos, no GP da Argentina, o francês Alain Prost fez sua estreia pela Fórmula 1, então como piloto da McLaren.

Naquele 13 de janeiro de 1980, então com 24 anos de idade, Prost alinhou sua McLaren-Ford (modelo M29) em 12º lugar no grid, cinco posições à frente do seu então companheiro de equipe, o britânico John Watson, e terminou em um ótimo sexto lugar, marcando seu primeiro ponto na categoria.

A prova foi vencida por Alan Jones (Williams-Ford), seguido por Nelson Piquet (Brabham-Ford) e Keke Rosberg (Fittipaldi-Ford).

A primeira vitória aconteceu já na temporada seguinte, pela Renault, no GP da França, disputado em Dijon-Prenois.

Atual consultor da Renault na Fórmula 1, Alain Prost conquistou quatro títulos na categoria máxima do automobilismo, sendo três pela McLaren (1985, 1986 e 1989) e um pela Williams (1993).

Em sua estreia na F1, com a McLaren-Ford no GP da Argentina. Prost largou em 12º e terminou em sexto com a M29. Foto: Reprodução

ANO SABÁTICO

Em 1991, após deixar a Ferrari, Alain Prost não disputou a temporada de 1992 da Fórmula 1. Ele chegou a testar a Ligier-Renault durante os testes de inverno na França, em Paul Ricard, mas desistiu da ideia ao perceber que o chassi da JS-37 não fazia jus ao ótimo desempenho do motor Renault, retornando para ser campeão no ano seguinte, com a Williams-Renault. Deixou a F1 ao término da temporada de 1993.

Prost esteve próximo de assinar com a Ligier para 1992, mas desistiu após os testes da pré-temporada. O chassi da JS-37 não agradou o francês. Foto: Reprodução

EQUIPE PRÓPRIA

Em 1996 acertou a compra da Ligier junto ao então dono, Flavio Briatore, fundando a Prost Grand Prix, que fez cinco temporadas na Fórmula 1, entre 1997 e 2001, sem conseguir nenhuma vitória. A temporada de estreia, em 1997, acabou sendo a melhor. Então com o motor Peugeot, a Prost Grand Prix marcou 21 pontos. Olivier Panis subiu ao pódio em duas corridas, os GPs do Brasil e da Espanha.

Então dono de equipe, a Prost Grand Prix, com sua dupla de pilotos para a temporada de 1997: o italiano Jarno Trulli e o francês Olivier Panis. Foto: Divulgação

 


  

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOU TUBE

 ****************************************************************

 

 

 

 

 

 

Parabéns! Hoje é aniversário de Mauro Silva, volante do Brasil na Copa de 94

O ótimo Mauro Silva, volante do Brasil na Copa de 1994, disputada nos Estados Unidos, completa 54 anos nesta quarta-feira (12).

Paulista de São Bernardo do Campo, Mauro Silva Gomes começou sua carreira pelo Guarani de Campinas em 1986, permanecendo no Bugre até 1989, quando se tranferiu para outro clube do interior, o Bragantino, onde conquistou seu primeiro título profissional, o Paulista, em 1990.

Ficou em Bragança Paulista até 1992, ano em que foi negociado com o La Coruña, da Espanha, onde permaneceu até o final de sua carreira em 2005. Lá no clube da Galícia ele conquistou, entre outros, a Copa do Rei por duas vezes e a Super Copa da Espanha por três vezes.

Titular absoluto da Seleção Brasileira na conquista da Copa de 1994, Mauro Silva também venceu outro título com a camisa canarinho, o da Copa América de 1997, disputada na Bolívia.


Em pé: Sérgio Nery, Fernando Nariz, Mauro Silva, Gil Baiano, Wilson Gottardo e Almir. Agachados: João Paulo Uberaba, Manguinha, Neto, Paulo Sérgio e Wanderley. Foto enviada por Artur Eugênio

 

Brasil Campeão da Copa das Confederações 1997. Em pé: Tafarel, Gonçalves, Mauro Silva, Aldair e Cafu. Agachados: Ronaldo, Leonardo, Denilson, Romário, Dunga e Zé Roberto

 

Paulo Sérgio e Mauro Silva participaram da conquista do Mundial de 1994, pela Seleção Brasileira, nos Estados Unidos. Crédito da foto: Marcos Júnior

 

Campeão com a Seleção de 1994, Mauro Silva admira a bola lançada para a Copa de 2010. Crédito da foto: Marcos Júnior

 

Mauro Silva, Carlos Alberto Torres e Paulo Sérgio no dia 04 de dezembro de 2009, como convidados da Adidas para o lançamento da "Jabulani", bola oficial da Copa de 2010, na África do Sul. Crédito da foto: Marcos Júnior

 

No Museu do Futebol, no Pacaembu, Carlos Alberto Torres, Paulo Sérgio e Mauro Silva acompanharam o sorteio dos grupos para a primeira fase da Copa de 2010 e o lançamento da bola oficial para o torneio. Crédito da foto: Marcos Júnior

 

Mauro Silva posa com os árbitros do jogo contra o Real Madri, de Raúl

 

Mauro Silva antes de um jogo contra o Barcelona, do ídolo catalão Carles Puyol

 

Treinamento do Bragantino no começo dos anos 90. Em pé: João Batista, Júnior, Mauro Silva, Marco Aurélio e Gil Baiano. Agachados: Luís Muller, Valmir e Nei.

 

Em pé: Rosan, Nei, Gil Baiano, Júnior, Mauro Silva e Marcelo. Agachados: Biro-Biro, Donizete, Marco Aurélio, Alberto, jogador não identificado e Tiba.

 

Em 1997, um desacreditado Brasil venceu a Copa América da Bolívia após bater os donos da casa por 3 a 1 na final. A conquista ficou marcada por dois motivos: foi a primeira vez que a seleção brasileira venceu a competição sul-americana fora de casa e lá surgiu a tão famoso "vocês vão ter que me engolir" do técnico Zagallo, respondendo às críticas da imprensa brasileira. Da esquerda para a direita, na fila de cima: Dunga, Mauro Silva, Carlos Germano, Denílson, o preparador físico José Carlos Prima, Romário, Edmundo, Márcio Santos, Roberto Carlos, Zé Roberto, Taffarel e Paulo Nunes. Segunda fila: integrante da comissão técnica, Cafu, outro integrante da comissão técnica, o médico Lídio Toledo, o "fininho" Ronaldo, o bigodudo Américo Faria, Zagallo, Ricardo Teixeira (então presidente da CBF), três integrantes da comissão técnica, César Sampaio (só com a cabeça aparecendo), integrante da comissão técnica, Célio Silva e outros dois integrantes da comissão técnica. Na fileira de baixo, temos: um integrante da comissão técnica, Leonardo (atrás do troféu mais alto), Djalminha, integrante da comissão técnica, Giovanni, Gonçalves, Aldair e Flávio Conceição.

 

No vôo que trouxe de volta ao País a delegação tetracampeã, Mauro segura a taça com Ricardo Rocha, à esquerda, personagem não identificado, Cafu, Zinho e Zetti

 

Com a camisa 5, Mauro Silva foi campeão do mundo em 1994, na Copa dos Estados Unidos.

 

Mauro faz embaixadinhas em treino da seleção nos Estados Unidos, terra da Copa de 94

 

Da esquerda para a direita, Mauro Silva é o segundo em pé, naquele bom time do La Coruña.

 

Novamente Mauro Silva e a "Copa do Rei"

 

Mais um momento do brasileiro com a bonita camisa do La Coruña.

 

Mais um troféu apresentado ao capitão Mauro Silva

 

Da esquerda para a direita, em treino da seleção brasileira: Mauro Silva, Jorginho e Parreira.

 

O grande capitão, ao lado de dirigente do La Coruña no estádio Riazor.

 

O capitão Mauro Silva apresenta mais uma Copa do Rei para a fanática torcida alvi-celeste, nas ruas de La Coruña.

 

Querido pelos espanhóis, Mauro Silva recebeu muitas homenagens em sua passagem pelo La Coruña.

 

Até o Rei da Espanha, Juan Carlos, se rendeu ao excelente futebol de Mauro Silva no La Coruña.

 

A cerimônia de entrega das carterinhas do plano de saúde "Sinasa" reuniu alguns dos jogadores campeões do mundo pela Seleção Brasileira. Em pé da esquerda para à direita: pessoa não identificada, Ado, Joel Camargo, Mengávio, Pepe, Zito, o filho do ex-goleiro Gylmar dos Santos Neves, Marcelo Neves, o secretário de esportes do município de São Paulo, Walter Feldman, Dino Sani, Marco Aurélio Klein e pessoa não identificada. Agachados: Gilmar Rinaldi, Mauro Silva e Eduardo Jonas Américo.

 

Paulo Sérgio(à direita) e Mauro Silva(à esquerda) receberam o abraço de Milton Neves no salão nobre do Pacaembu, no dia 25 de agosto de 2008, na cerimônia da entrega das carterinhas do plano de saúde "Sinasa" aos jogadores campeões do mundo pela Seleção Brasileira

 

Confira Mauro Silva, no Bragantino, no estádio do Maracanã, antes de jogo contra o Fluminense. Era a semifinal do Brasileirão de 1991. Em pé: Gil Baiano, um membro da comissão técnica, Nei, Marcelo, Júnior, Mauro Silva e Biro-Biro. Agachados: Doutor Marco Aurélio Cunha, Ivair, Alberto, Silvio, João Santos e Ronaldo Alfredo.

 

Dentro de campo, além de ter raça e boa técnica, o volante também contava com um grande espírito de liderança.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No dia 14 de setembro de 2006, Mauro Silva esteve na inauguração da Associação dos Campeões Mundiais do Brasil.

 

Mauro Silva em 28 de fevereiro de 2021, durante o 3º Tempo da Band, participando do programa comandado por Milton Neves. Foto: Reprodução

 

Jardel e Mauro Silva em 25 de janeiro de 2020, acompanhando a final da Copa São Paulo. Foto: arquivo pessoal de Jardel

 

Dois momentos de Mauro Silva

 

Pelo Bragantino, clube que defendeu entre 1990 e 1992. Foto: Divulgação

 

Mauro Silva e Calos Alberto Spina (ex-Matsubara) na Expo-Fut em julho de 2019, em São Paulo. Foto: arquivo pessoal de Carlos Alberto Spina

 

Zé Mario, Alfredo Sampaio, Mauro Silva e Vagner Mancini. Reprodução Facebook/Alfredo Sampaio

 

A partir da esquerda, o segundo é Zé Mario, seguido por Alfredo Sampaio, Reinaldo Carneiro Bastos, Vagner Mancini e Mauro Silva. Reprodução Facebook/Alfredo Sampaio

 

Mauro Silva e o técnico João Vallim. Foto: Reprodução Facebook/João Vallim

 

Ao lado de Seedorf, Mauro Silva marca presença nos vestiários do San Mamés Stadium, em Bilbao, Espanha. Em 14 de abril de 2018, o La Coruña venceu o Athletic de Bilbao, por 3 x 2, fora de casa, pelo Campeonato Espanhol. (Foto: Reprodução – Instagram @maurosilvaofficial)

 

Mauro Silva, Sérgio Santos Rodrigues e Gilberto Silva na abertura do Curso de Gestão e Negócios no Esporte da Universidade FUMEC, Minas Gerais, em março de 2018. (Foto: Reprodução Instagram @maurosilvaofficial)

 

Da direita para esquerda: Ronaldo Rodrigues de Jesus, Ronaldão (Diretor de Futebol da Ponte Preta), Raí (Diretor de Futebol do SPFC), Ricardo Rocha (Coordenador de Futebol do SPFC), Mauro Silva (ex-jogador) e de costas Reinaldo Carneiro Bastos (Presidente da Federação Paulista de Futebol) conversam na sede da FPF, em janeiro de 2018. (Foto: Reprodução Instagram)

 

Capa do calendário da Federação Paulista de Futebol do ano de 2018, mostrando os jogadores campeões do Paulista e da Copa do Mundo. Na primeira linha, da esquerda para a direita, veja Gylmar dos Santos Neves, Emerson Leão, Zetti, Marcos, Dida, Rogério Ceni, De Sordi, Djalma Santos, Carlos Alberto Torres, Zé Maria e Cafu. Na segunda linha, veja Belletti, Mauro Ramos, Orlando Peçanha, Jurandir, Joel Camargo, Márcio Santos, Ricardo Rocha, Ronaldão, Roque Jr., Edmilson e Leonardo. Na terceira linha, veja Júnior, Roberto Carlos, Dino Sani, Zito e Clodoaldo. Na quarta linha, veja Mauro Silva, Mazinho, Vampeta, Zequinha, Mengálvio, Gérson, Raí, Ricardinho, Juninho, Zinho e Rivaldo. Na quinta linha, veja Vavá, Coutinho, Viola, Luizão, Ronaldo, Muller, Edilson, Pepe, Edu, Denilson e Pelé.

 

Mauro Silva, um fã que posou para a foto e Milton Neves em setembro de 2017, no restaurante Rodeio, em São Paulo

 

Jantar no restaurante Rodeio, em São Paulo, em setembro de 2017. Da esquerda para a direita: Mauro Silva, Milton Neves, Bernardo Itri e Reinaldo Carneiro Bastos

 

Mauro Silva e Gatãozinho em setembro de 2016. Foto enviada por Gatãozinho

 

Gustavo Borges, Roberto Lazzarini, Hortência, Edmilson, Raí, João Paulo Diniz, Mauro Silva, William Machado e Ida Álvares, em reunião no Ministério dos Esportes, no dia 13 de abril de 2015. Foto: Reprodução

 

Mauro Silva, em 2015, posando para uma campanha

 

Helo Campagnolo, Mauro Silva, Milton Neves, Roberto Carlos e o produtor Geleia no Terceiro Tempo da rede Record

 

Elenco da Seleção Brasileira nas pré convocações para a Copa de 2002, muitos destes não participaram do Mundial e se sagraram campeões. Como Emerson, Zè Roberto, Antonio Carlos e Mauro Silva.

 

Ronaldão e Mauro Silva receberam homenagem da CBF em amistoso do Brasil no Morumbi no dia 06 de junho de 2014. Foto: Portal TT/Roberto Gozzi

 

Zito, Amarildo, Clodoaldo, Mauro Silva e Marcos, no dia 30 de abril de 2014, durante evento promovido pela MasterCard no Espaço Unyco, no Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

 

Zito, Amarildo, Clodoaldo, Mauro Silva e Marcos, no dia 30 de abril de 2014, durante evento promovido pela MasterCard no Espaço Unyco, no Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

 

Marcelo Neves (filho de Gylmar dos Santos Neves), Mauro Silva e o escritor Milton Assumpção na noite de lançamento do livro Brasil Pentacampeão na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em 18 de fevereiro de 2014. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

 

Mauro Silva, Marcelo Neves (filho de Gylmar dos Santos Neves) e o escritor Milton Assumpção na noite de lançamento do livro Brasil Pentacampeão na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em 18 de fevereiro de 2014. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

 

Mauro Silva e Marcelo Neves (filho de Gylmar dos Santos Neves), na noite de lançamento do livro Brasil Pentacampeão na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em 18 de fevereiro de 2014. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

 

Na noite de lançamento do livro Brasil Pentacampeão, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em 18 de fevereiro de 2014. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

 

Seleção posou para a foto antes do empate contra a Itália em 3 a 3, pelo torneio da França. De pé, da esquerda para direita: Taffarel; Célio Silva; Cafu; Mauro Silva; Aldair e Roberto Carlos. Agachados, da esquerda para a direita: Romário; Dunga; Leonardo; Denílson e Ronaldo. Foto: UOL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

****************************************************************

Stock Series, ex Light, será obrigatória para ingresso na Stock Car Pro

A Stock Series, ex-Stock Ligth, será obrigatória para os pilotos que pretendem ingressar na Stock Car Pro, a categoria principal, segundo oficializou a Vicar, organizadora e promotora de ambas, através de seu CEO, Fernando Julianelli.

"Esta é uma medida coerente com a remodelação da Stock Series, que até o ano passado se chamava Stock Light. A Stock Series é definitivamente onde os aspirantes à Stock Pro são testados e aprovados. Por isso, estamos implantando evoluções em todos os aspectos da competição. Para 2022, por exemplo, teremos um carro mais agressivo, agora com a carenagem do Chevrolet Cruze usado na Stock Pro. O carro será também apenas 1,5 segundo mais lento que o Stock da categoria principal, ou seja, andará muito perto. Vai ser interessante comparar o tempo de volta de cada modelo já na estreia, em Interlagos, dia 13 de fevereiro”, comentou Julianelli.

Ou seja, até agora, não era obrigatório que um piloto tivesse guiado pela categoria de acesso da Stock para poder guiar na categoria principal, e que passa a ser condição necessária com esta nova resolução.


      

  

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOUTUBE

****************************************************************

 

 

 

 

 

 

Morre Da Costa, ponta que fez sucesso no Ceará e na Portuguesa

Ponta-esquerda do Ceará por muitos anos, e campeão paulista de 1973 pela Portuguesa, Da Costa morreu neste sábado (8), aos 74 anos, em Fortaleza, onde trabalhava como funcionário do Juizado da Infância e Juventude. O ex-atleta foi vítima de problemas cardiopulmonares.

Carioca de Inhaúma, João Rodrigues da Costa começou pelo Botafogo (RJ) e depois passou ao Vasco. Foi emprestado ao Porto (Portugal), onde ficou por um ano para retornar ao Vasco.

Em seguida jogou pelo Paysandu-PA, onde foi artilheiro por dois anos consecutivos. Depois defendeu o Ceará e seu ótimo desempenho despertou o interesse da Portuguesa de Desportos, onde conquistou o polêmico título paulista de 1973, dividido com o Santos.

Retornou ao Ceará, clube que totalizou oito anos de trabalho, tendo sido campeão estadual por seis vezes.

É o segundo maior artilheiro da história do Ceará, com 164 gols, atrás apenas de Gildo, que marcou 244 gols.

ABAIXO, CONFIRA EMOCIONANTE ENTREVISTA CONCEDIDA POR DA COSTA AO CANAL OFICIAL DO CEARÁ

 

****************************************************************

Rally Minas Brasil abre a temporada de 2022 do Campeonato Brasileiro

O Rally Minas Brasil abrirá a temporada do Campeonato Brasileiro de Rally Cross-Country na temporada de 2022, competição que acontecerá no município de Araxá, entre os dias 9 e 12 de março, valendo pelas duas primeiras etapas, com um percurso total em torno de 500 quilômetros.

A região deve oferecer uma competição de alto nível técnico, segundo Fernando Bentivoglio, diretor executivo da RallyMakers, responsável pelo evento. O trajeto foi definido a partir de setembro do ano passado.

“Foi uma grata surpresa ter Araxá como sede do Rally Minas Brasil 2022. Os estudos de trajeto que fizemos até o momento surpreenderam, apresentando obstáculos bem diversificados, o que nos proporciona um mix de desafios para uma disputa prazerosa e, ao mesmo tempo, extremamente competitiva. Os participantes podem se preparar para uma prova digna de abertura de campeonato. Teremos subidas e descidas pelas montanhas, com muito desnível altimétrico e estradas sinuosas”, ponderou Bentivoglio.

TURISMO

Araxá é conhecida há muito pela suas fontes termais, com destaque para o imponente Hotel Termas de Araxá, construção histórica que data de 1944, tendo sido inaugurada pelo então presidente Getúlio Vargas. Mais recentemente, Araxá entrou no radar econômico como referência mundial nas reservas de nióbio, mineral utilizado na indústria siderúrgica.

PROGRAMAÇÃO DO RALLY MINAS BRASIL

O 4º Rally Minas Brasil começa no dia 9 de março, com a abertura da área de boxes. No dia 10 acontece o  shakedown, o prólogo – definição da ordem de largada para a 1ª etapa – e largada promocional (apresentação e saudação ao público). Nos dias 11 e 12, acontecem as etapas cronometradas.

Com informações da Liberdade de Ideias.

      

  

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOUTUBE

 

 

 

 

 

 

 

****************************************************************

Morre Haroldo Fernandes, narrador histórico da equipe 1040 da Tupi

Morreu na última segunda-feira (10), aos 92 anos de idade, um dos maiores narradores esportivos do Brasil, Haroldo Fernandes.

De acordo com Nestor Fernandes, seu filho, o óbito foi por causas naturais. Haroldo Fernandes tinha sua saúde debilitada nos últimos tempos, com agravamento há cerca de uma semana, por conta de uma infecção urinária.

O velório teve início às 11h desta terça-feira (11) e a cerimônia de cremação acontecerá logo mais, às 14h, no Cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo (SP).

Seu bordão mais famoso, inesquecível para aquele que o acompanharam nas transmissões da emblemática equipe 1040 da Rádio Tupi, era: "Quem ganhou, ganhou, quem não ganhou, não ganha mais!".

Haroldo Fernandes ainda integrou equipes famosas das rádios Bandeirantes, Difusora, Record e Panamericana.

No dia 5 de novembro de 2017, Haroldo Fernandes relembrou grandes momentos de sua carreira para Milton Neves no "Domingo Esportivo", da Rádio Bandeirantes. Ouça abaixo:

Haroldo Fernades Biagioni


Em 1971, os quatro principais narradores da Equipe 1040 da Rádio Tupi. Da esquerda para a direita: José Carlos Cicarelli, Haroldo Fernandes (o Homem da Camisa 10), Wilson de Freitas e Alfredo Orlando. Foto: arquivo pessoal de José Carlos Cicarelli


À frente na foto, Sérgio Baklanos está à esquerda, conversando com Haroldo Fernandes. Depois de Baklanos está Antonio Eurico. Marco Antonio é o quarto, de camisa branca e em seguida Darley Basílio. À direita, sorrindo, está José Ribeiro e depois, parcialmente encoberto, Manoel Ramos. Ao fundo, à direita, de terno escuro está Milton Camargo. Na outra ponta, à esquerda, está Walter Abrahão (somente com a testa visível). Na mesa à esquerda, atrás de Marco Antonio quem aparece é Ávila Machado, com grandes costeletas. Foto: arquivo pessoal de Benedito Marcantonio


Equipe Tupi das Associadas, em 1962, para a cobertura da Copa do Chile: o terceiro é Haroldo Fernandes, o quinto é Luis Noriega e o sexto é Milton Camargo.


Em 1962, durante a Copa do Chile, Walter Abrahão, Luiz Noriega, Milton Camargo (de boné) e Haroldo Fernandes (de cabelo escovinha) entrevistaram o célebre Di Stéfano, que não disputou o Mundial por causa de uma lesão


Esta belíssima e rara foto foi tirada durante festa de final de ano da Aceesp. Mostra a mesa da equipe 1040 da Rádio Tupi, embora Mauro Pinheiro, o primeiro à esquerda, fizesse parte da equipe da Rádio Bandeirantes. Na cabeceira, de costas, está Milton Camargo. A partir de Mauro Pinheiro temos José Goes, Walter Fonseca, Paulo Edson, Manoel Ramos, Lucas Neto, Vitor Moran, Alfredo Orlando e Jorge de Souza, lá no fundo; À direita, de óculos, você vê o grande Haroldo Fernandes. E, olhando para a câmera, Wilson de Freitas


A equipe 1040 da Rádio Tupi fez 13 pontos no teste 44 da Loteca em junho de 71. Um dos 13 jogos foi Corinthians 1x0 São Paulo, gol de Aladim. Um diretor e uma funcionária da Caixa Econômica Federal participaram da entrega do prêmio aos jornalistas Vitor Moran (o segundo) e Haroldo Fernandes (de paletó xadrez).


Esta placa foi oferecida pela maravilhosa e inesquecível equipe 1040 da rádio Tupi a Pelé por ocasião da marcação de seu 1040º na carreira. O feito se deu em 1970 na partida em que o Santos venceu o Grêmio por 2 a 0 no estádio do Ypiranga de Erechim. A placa foi colocada na entrada das sociais do clube do interior gaúcho


Esta é a bola com a qual Pelé fez o seu gol de número 1040, em Erechim (RS), em jogo amistoso do Santos, em 1970, contra a seleção local, formada por jogadores do Ypiranga e do Atlântico. O fato foi muito badalado à época porque 1040 era o prefixo da Rádio Tupi AM, então uma das líderes do rádio esportivo de São Paulo ao lado da Bandeirantes AM 840.


Acima, a famosa equipe 1040 da Rádio Tupi. EM PÉ: Mário Moraes, Joseval Peixoto e Milton Camargo. AGACHADOS: Haroldo Fernandes, Geraldo Blota e Lucas Neto


Confira a saudosa e inesquecível equipe 1040 da Rádio Tupi de São Paulo. Da esquerda para a direita, na primeira fila em pé: Milton Camargo, Antonio Rangel, Osvaldo MEsquita, Manoel Ramos e Francisco Natal. Em pé, na segunda fileira: Alfredo Orlando, Wilson de Freitas, Marco Antonio, Lucas Neto, Ávila Machado e Haroldo Fernandes. Agachados: Vitor Moran, José Ribeiro, José Roberto Ramos e José Goes


E aqui estão, em foto de 1984, profissionais que jamais serão esquecidos por quem gosta de futebol e do rádio esportivo. Estes homens fizeram a Equipe 1040 da Rádio Tupi-AM e jamais sairão da história do rádio. Em pé: José Goes (já falecido), um operador técnico interno da época, Lucas Neto, Ávila Machado (já falecido). Ao fundo: Luís Noriega, Zezinho (do departamento financeiro), Haroldo Fernandes, Milton Camargo e Geraldo Tassinari. Agachados: Arnaldo Gaeta (histórico operador de sons), Dr. Wilson de Freitas, Victor Moran (trabalha no rádio esportivo de Santos) e Vicente Lopes, ex-jogador a Mogiana de Campinas em 1948 e que hoje está aposentado com Delegado de Polícia. A foto foi tirada no casamento da filha de Milton Camargo, então chefe da equipe 1.040 da Rádio Tupi. Ah, esse time era nota 1.040!


Veja acima a famosa equipe 1040. Em pé, da esquerda para a direita: Alfredo Orlando, Wilson de Freitas, Milton Camargo, Paulo Edson, Manoel Ramos e Antonio Euryco. Sentados: Lucas Neto, José Roberto Ramos, José Goes, Marco Antonio, José Carlos Cicarelli, Ávila Machado, Vitor Moran e Haroldo Fernandes


Dois momentos de Haroldo Fernandes


Haroldo Fernandes e Carlos Alberto Spina (ex-Matsubara) em novembro de 2019, em São Paulo. Foto: arquivo pessoal de Carlos Alberto Spina


Rádio Tupi, presente em muitos estádios brasileiros


 


Cartaz anuncia cobertura esportiva da Rádio Tupi com a narração de Haroldo Fernandes


Haroldo Fernandes e Doalcei Camargo, atrações da Super Rádio Tupi nos anos 60. Foto: Reprodução

Arnaldo Branco Filho é o convidado da live de Marcos Falopa nesta terça-feira

Arnaldo Branco Filho, editor e jornalista, é o convidado desta terça-feira (11), a partir das 16h, da live comandada por Marcos Falopa, coordenador técnico, profissional que acumula um currículo invejável como treinador de diversos clubes e seleções, incluindo trabalhos de instrutor pela Fifa.

A live estará no Instagram de Marcos Falopa a partir das 16h (clique aqui para acessar).

 

****************************************************************

Morreu Hélio Pires, ex-atacante do Coritiba e Santos

 

Morreu Hélio Pires, ex-atacante do Coritiba e Santos

Morreu no úlimo sábado (8), vítima de problemas cardíacos, Hélio Pires, atacante que defendeu o Coritib

a, o Santos e o Grêmio, entre outros. Ele estava com 74 anos e residia em Taquara (RS), cidade onde ocorreram as cerimônias fúnebres.

O Coritiba divulgou uma nota oficial acerca da morte de seu ex-atleta, que segue abaixo, na íntegra:
 
“O Coritiba Foot Ball Club lamenta o falecimento do ex-jogador Hélio Pires, neste sábado (8), em Taquara (RS). Hélio foi atacante do clube na década de 70 e autor do importante gol que valeu ao Coritiba o título inédito do Torneio do Povo, em Salvador, diante do Bahia, no empate em 1 a 1 em 1973”.
 
Um dos bons valores de sua geração, Hélio Pires também vestiu com brilho as camisas da Portuguesa de Desportos, Figueirense e Grêmio Maringá.
 
 

Em pé, da esquerda para a direita: Almir de Almeida, Luiz Afonso Alves de Camargo, Elba de Pádua Lima (o Tim), Oliveira, Orlando, Schavalla, Dreyer, Hidalgo, Oberdan, Zé Roberto, Nilo, Dito Cola, Joel Mendes, Ladel, Odivonsir Frega, Dr. Luiz Fernando Ballão (já falecido), Adelino Pepe do Vale (já falecido) e o professor Vidal Peres. Agachados: Odilon Silva (preparador de goleiros, falecido), Osvaldo Sarti, Reinaldinho, Sérgio Roberto, Tião Abatiá, Leocádio, Dirceu Krüger, Negreiros, Aladim, Noriva, Jairo e Cláudio Marques


Dirceu Guimarães e Aladim, no Coritiba, no início dos anos 70.


Em pé:Pescuma, Hidalgo, Hermes, Cláudio, Célio e Nilo. Agachados Passarinho, Renatinho, Paulo Vecchio, Hélio Pires e Rinaldo


Hélio Pires ao lado de sua esposa, Viviane Pires, em fevereiro de 2008.




****************************************************************

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Saudade: O histórico técnico Otto Glória faria aniversário neste domingo

Otto Glória, um dos maiores técnicos brasileiros de todos os tempos, que fez também muito sucesso em Portugal (dirigiu a seleção portuguesa na Copa de 1966, na Inglaterra), comemoraria neste domingo (9) 105 anos de idade.  

Otto Martins Glória nasceu no Rio de Janeiro em 09 de janeiro de 1917 e morreu em 2 de setembro de 1986.

No Brasil, teve sua carreira muito ligada aos clubes de origem portuguesa, Vasco e Portuguesa de Desportos, embora tenha passado pelo Botafogo-RJ no final dos anos 40.

Esteve com muito sucesso em Portugal, cuja seleção nacional dirigiu na Copa do Mundo de 1966 na Inglaterra. Trabalhou também no Porto, Belenenses, Sporting e Benfica, de Portugal, no Olimpique de Marselha, da França, no Atlético de Madrid e no Monterrey, do México.

Otto foi o primeiro treinador brasileiro a enfrentar a seleção de seu país natal em uma Copa do Mundo. O fato aconteceu em 1966, e a seleção portuguesa dirigida por ele venceu por 3 a 1 no dia 19 de julho, diante de 62 mil torcedores.

Outro momento marcante do treinador deu-se na decisão do Campeonato Paulista de 1973 entre Santos e Portuguesa. Então à frente da Lusa, mandou que seus jogadores se retirassem rapidamente da campo quando percebeu que o árbitro Armando Marques havia errado a contagem nas cobranças de pênaltis que decidiam o título e apontado o time da Vila Belmiro como campeão.

Quando Armando percebeu a falha, os atletas do time do Canindé, que tinham remotas chances de reverter o marcador desfavorável daquela decisão, já estavam dentro do ônibus.

Frase

Otto Glória disse uma vez que "quando o time ganha o técnico é bestial. Quando o time perde, o técnico é uma besta". Faz sentido.

 

Foto retirada do blog Tardes de Pacaembu

 

Veja Otto Glória, quando retornou ao Brasil após temporada na Europa para treinar a Portuguesa de Desportos. Otto foi autor de célebres frases como "não se faz omelete sem ovos", referindo-se a dificuldade em formar bons times com jogadores sem expressão. Foto enviada por Walter Roberto Peres

 

Em 1975 e em quase toda a década de 70, o xadrez era moda. Da esquerda para a direita: João Zanforlin, Otto Glória, Tomazzini (o "Alfaiate dos Craques"), Éder Jofre e José Carlos Cicarelli. Foto: arquivo pessoal de José Carlos Cicarelli

 

Ele foi bestial no comando do time português

 

Tudo bem que esta seleção portuguesa não levou para casa a Copa do Mundo de 1966. Mas deixou saudade em quem a viu jogar em campos ingleses. Em pé estão Alexandre Batista, Jaime Graça, Hilário, Vicente, Moraes e José Pereira; agachados estão José Augusto, Torres, Eusébio, Coluna e Simões

 

Em pé: Ithon Fritzen, Badeco, Isidoro, Wilsinho, Oto Glória, Mendes, Calegari, Tatá, Santos e Dicá. Sentados: Adilton, Rui Rei, Galli, Serelepe, Dárcio, Xaxá, Américo, Cardoso, Antônio Carlos, Esquerdinha e Enéas. Na grama: Ado, Miguel e Capelo

 

 

 

Aqui, a Lusa de Oto Glória que perdeu a final do Paulistão de 1975 para o São Paulo, nos pênaltis. Em pé: Mendes, Zecão, Badeco, Calegari, Santos e Cardoso. Agachados: Antonio Carlos, Enéas, Tatá, Dicá e Wilsinho. A foto é do dia 17 de agosto daquele ano, no Morumbi, quando Dulcídio Wanderlei Boschilia apitou o confronto. Mais de 57 mil pessoas viram Enéas, aos 31 do primeiro tempo, vencer o goleiro do São Paulo e marcar o único gol do jogo. Como na primeira partida o Tricolor tinha vencido, também pelo placar mínimo, com um gol do uruguaio Pedro Rocha, a decisão do título foi para os pênaltis. O São Paulo venceu nas penalidades por 3 a 0 e faturou o caneco. O time do técnico José Poy entrou em campo com Waldir Peres, Nelsinho, Paranhos, Samuel e Gilberto Sorriso; Chicão, Pedro Rocha, Muricy e Terto; Zé Carlos e Serginho

 

1973: Massagista Moraes, Otto Glória e um repórter não identificado

 

O massagista Walmir Moraes é o segundo da esquerda para a direita; Oto Glória é o quarto e Enéas, então um garoto em início de carreira, o último

 

Otto Glória na Portuguesa, em 1973. À esquerda, o marcante Morais, fiel massagista da Lusa. Ele só saiu do Canindé para trabalhar com o São Bento, em Sorocaba, onde mora

 

Este é o time do Vasco campeão carioca invicto em 1949. Em 20 jogos, foram 18 vitórias e dois empates. Na primeira fila estão: o massagista Mário Américo, um integrante da comissão técnica, Sampaio, Augusto, Barbosa, Wílson, Laerte e dois membros da comissão técnica. Na segunda fila estão: Jorge, Alfredo II, Amílcar Giffoni (comissão técnica), o técnico Flávio Costa, Oto Glória (então membro da comissão técnica), Danilo e Eli. Na terceira fila: Nestor, Maneca, Ademir de Menezes (o Queixada), Lima, Ipojucan, Heleno de Freitas, Chico e Mário.

 

Na década de 60 e em 1983

 

Em 1983, treinador do Vasco, último clube em que trabalhou. Foto: Revista Placar

 

Benfica no Maracanã, em 1955. Em pé: Costa Pereira, Jacinto, Caiado, Alfredo, Artur, Angelo, Bastos e Otto Glória (treinador). Agachados: Zezinho, Arsenio, Águas, Coluna e Palmeiro

 

Xaxá e Otto Glória, em um treino da Portuguesa nos anos 70. Foto retirada do blog Tardes de Pacaembu

 

Elenco da Portuguesa de Desportos, em 1973. Da esquerda para direita, em pé: Oswaldo Teixeira Duarte (o primeiro), Calegari (o quarto), Wilsinho, Cabinho, Zecão, Mendes, Antônio Carlos, Isidoro, jogador não identificado, Tatá, Cardoso (o Cardosinho), Oto Glória (o décimo quinto) e Dicá (o décimo oitavo). Agachados: Arenghi, Eneas, Miguel e Xaxá (o quinto). Foto enviada por Walter Roberto Peres

 

Otto Glória, técnico do Santos, enfrentou o Marília-SP, do técnico Vail Mota, em 1978. Marcos Falopa trabalhava com Mota no time do interior paulista.

****************************************************************

Stock: "Próximo passo é nos estabelecermos no pelotão da frente", diz Suzuki, que seguirá na Full Time

 

O piloto Rafael Suzuki, que seguirá pela Full Time Sports na Stck Car para sua terceira temporada pelo time sediado no município paulista de Vinhedo, capitaneado por Mauricio Ferreira, definiu como principal objetivo para 2022 o de se estabelecer no pelotão da frente, animado pelo crescimento na temporada passada, quando conquistou uma vitória (na corrida 1 disputada no anel externo de Curitiba) e tendo sido o piloto que mais provas completou no ano, com 23 das 24 corridas concluídas, 16 delas na zona de pontos.

Além  de ter subido ao pódio pela vitória em Curitiba, Suzuki também ficou no top-3 na corrida 2 de Santa Cruz do Sul (RS), ocasião em que terminou na segunda colocação.

“Vamos para a terceira temporada juntos. Tivemos um segundo ano melhor do que o primeiro com evoluções e aprendizados. Mas o grande objetivo desse terceiro ano é termos uma constância maior com os bons resultados que é o grande desafio na Stock Car. Sabemos que ir ao pódio e vencer corridas, em uma categoria tão competitiva, é difícil. Temos o desafio nessa parceria de longo prazo de dar o próximo passo, que é nos estabelecermos no pelotão da frente. Confio muito que a equipe me dará condições para isso. Temos um bom entrosamento e fiz questão de me mudar para Vinhedo (em 2020) para ficar mais próximo do time. A relação é muito positiva, somos um time e estamos juntos nas vitórias e derrotas. Estou muito motivado e confiante de que faremos nossa melhor temporada em 2022”, almeja Suzuki, que está com 34 anos e fechou a temporada de 2021 em 16º lugar, com 185 pontos. Ele foi o segundo melhor entre os quatro pilotos da Full Time Sports, atrás apenas de Rubens Barrichello, o sexto no certame, e à frente do argentino Matías Rossi (20º) e Tony Kanaan (32º).

OPINIÃO DO CHEFE DA EQUIPE

“Será nossa terceira temporada com o Rafael. E estamos felizes por isso. Pois, nossa filosofia aqui na equipe é de continuidade dos trabalhos. A categoria é muito competitiva e as vitórias e decisões são alcançadas no detalhe. Acreditamos que quanto maior o entrosamento entre time e piloto, maiores são as chances de conquistar os resultados. E isso se comprova dentro da própria Stock Car, onde parcerias duradouras obtiveram grandes resultados, com vitórias e títulos. Será mais um ano para lapidarmos nosso conhecimento como equipe. Vamos ajustar o que não surtiu efeito e trabalhar conjuntamente em prol do resultados. Estamos animados e confiantes”, frisou Mauricio Ferreira, o chefe da equipe Full Time Sports.

A etapa de abertura do campeonato da Stock Car está programada para acontecer em solo paulistano, no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos, com a Corrida de Duplas, no dia 13 de fevereiro, quase dois meses exatos do encerramento do campeonato de 2021, que consagrou o paranaense Gabriel Casagrande (AMattheis Vogel) como campeão, exatamente o seu primeiro título na categoria.

CALENDÁRIO COMPLETO DA STOCK CAR EM 2022

1ª etapa - 13/02 – Interlagos – Corrida de duplas
2ª etapa - 20/03 – Goiânia – anel externo
3ª etapa - 10/04 – Rio de Janeiro – GP do Galeão
4ª etapa - 15/05 – Mogi Guaçu (SP)
5ª e 6ª etapas - 02 e 03/07 – Brasília – traçado a definir
7ª etapa - 31/07 – Interlagos
8ª etapa - 04/09 – Rio Grande do Sul – Tarumã ou Santa Cruz do Sul
9ª etapa - 25/09 – Mogi Guaçu (SP)
10ª e 11ª etapas – 22 e 23/10 – Goiânia – traçado misto e anel externo
12ª etapa - 20/11 – Brasília - no anel externo


      

  

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOUTUBE

 

 

 

 

 

****************************************************************

Ídolo tricolor, Zetti faz aniversário nesta segunda-feira

 

Um dos grandes nomes da história do São Paulo Futebol Clube, o ex-goleiro Zetti completa 57 anos nesta segunda-feira (10).

Zetti conquistou o título do Campeonato Brasileiro de 1991 pelo Tricolor do Morumbi e nos dois anos seguintes viveu seu melhor momento pelo clube, com o bicampeonato na Libertadores da América e no Mundial de Clubes da Fifa (1991 e 1992).

Paulista da cidade de Porto Feliz, Armelino Donizetti Quagliato, o Zetti, atualmente é coordenador de goleiros da base do São Paulo Futebol Clube, após ter trabalhado como comentarista de futebol no Grupo Bandeirantes.

Dos quatro grandes clubes de São Paulo, apenas não defendeu o Corinthians. Ele começou sua carreira no Palmeiras, teve passagens por empréstimo para os paranaenses Toledo e Londrina para depois chegar ao São Paulo, onde brilhou durante sete anos.

Ainda passou pelo Santos entre 1997 e 1999, conquistando neste período o Rio-São Paulo em 1997 e a Copa Conmebol em 1998.

Em 1994, na Copa dos Estados Unidos, quando o Brasil conquistou o tetracampeonato, foi o reserva imediato de Taffarel.

Defendeu ainda as metas do Fluminense, União Barbarense e Sport Recife, este o seu último clube, em 2001, para em seguida abraçar a carreira de treinador de futebol, iniciando pelo Paulista de Jundiaí (SP), e depois comandando diversas equipes, entre elas o Guarani, Ponte Preta, São Caetano, Bahia, Atlético Mineiro, Fortaleza e Paraná. Aliás, sua segunda passagem pelo Paraná foi a última como treinador, em 2010.

CLIQUE AQUI E VEJA A PÁGINA DE ZETTI NA SEÇÃO "QUE FIM LEVOU?"

Zetti e Abilio Diniz. Foto: UOL


No Cemitério do Morumby, em 26 de agosto de 2013, dia do sepultamento de Gylmar dos Santos Neves. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Milton Neves e Zetti no Cemitério do Morumby, em 26 de agosto de 2013, dia do sepultamento de Gylmar dos Santos Neves. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Sendo entrevistado, no Cemitério do Morumby, em 26 de agosto de 2013, dia do sepultamento de Gylmar dos Santos Neves. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


 


Denilson abraça Zetti em sua chegada à festa promovida pela Associação dos Campeões Mundiais em 25 de abril de 2013 no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Ouvindo o discurso do ministro Aldo Rebelo antes do almoço dos campeões mundiais de futebol em 25 de abril de 2013, no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Gilmar Rinaldi, Paulo Sérgio, Pelé, Zetti e, mais atrás, Cafu, no almoço dos campeões mundiais de futebol em 25 de abril de 2013, no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Gilmar Rinaldi, Juninho Paulista e Zetti no almoço dos campeões mundiais de futebol em 25 de abril de 2013, no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Zetti, com o gramado do Morumbi ao fundo, logo após chegar para o almoço dos campeões mundiais de futebol em 25 de abril de 2013, no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Atento, Coutinho ouve o discurso de Aldo Rebelo, ministro do Esporte, ao lado de Clodoaldo. À direita de Clodoaldo, um pouco mais atrás, está Zetti. Ao fundo, à esquerda (de óculos) está o repórter Luís Carlos Quartarollo. O último, à direita, é o cinegrafista Cristian Bartalo. Eles compareceram ao almoço dos campeões mundiais de futebol em 25 de abril de 2013, no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


No almoço dos campeões mundiais de futebol em 25 de abril de 2013, no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Em pé, da esquerda para a direita, Tadeu, Marcos Assunção, não reconhecido, Emerson Sheik, Victor, Ganso, Fábio Luciano, a décima primeira é Ana Paula Oliveira, seguida por Wagner Tardelli, Ricardo Berna, Gustavo Kuerten, Correa, Ibson, Zetti, Fernando, não reconhecido, Rubens Júnior, Cláudio Adão e Juninho Fonseca. Agachados, da esquerda para a direita, Conca, Gabriel, Lucas, Wladmir, Milton Cruz, Amoroso, Sérgio Soares, Zico, Dinei, Vampeta, Amaral, André Cruz e Rodrigo.


Da esquerda para a direita, ao fundo: Zetti, Marcos, Ricardinho, Zito (encoberto por Cafu), Felipão, Piazza, Luizão, Murtosa, Jair Marinho, Pepe e Gilmar Rinaldi. À frente: Roberto Miranda, Regina, Cafu levantando réplica da taça, Ado, Daniela Mercury e Felix. Foto enviada por Diego Abib


Da esquerda para a direita, ao fundo: Zetti (quase não aparecendo), Marcos, Ricardinho, Zito e Felipão (encobertos por Cafu), Piazza, pessoa não identificada, Luizão, Murtosa (atrás de Jair Marinho), Jair Marinho, Pepe e Gilmar Rinaldi. À frente: Altair, Roberto Miranda, Regina, Cafu com a réplica da taça, Ado (sentado e encoberto por Cafu), Daniela Mercury e Felix. Foto enviada por Diego Abib


 


Zetti saiu na Revista Placar do mês de agosto de 2012, ensinando um jovem goleiro a defender sua meta. Foto: Reprodução Placar/ Edição: agosto de 2012


Em 1996, Milton Neves apresentando evento da Deca-Hydra. Atrás do homem de boné, parcialmente encoberto, Zetti


Alguns dos heróis do título da Libertadores de 1992, 20 anos depois: da esquerda para a direita, Pintado, Carlos Caboclo, Ronaldão, Nelsinho, Zetti, Cafu, Raí, Marcos Bonequini, Ivan e Mona. Foto: Reprodução


Em junho de 2012, Zetti concede entrevista ao repórter Anderson Cheni. Atrás, aparece Raí, também ídolo do São Paulo Futebol Clube. Foto: VIPCOMM


No dia 17 de junho de 2012, o São Paulo Futebol Clube homenageou os jogadores que conquistaram a Libertadores da América de 1992, no Morumbi, antes da partida entre o Tricolor paulista e o Atlético-MG, válida pelo Campeonato Brasileiro daquela temporada. Da esquerda para a direita: Raí, Ronaldão, Rogério Ceni e Zetti Foto: VIPCOMM


No dia 17 de junho de 2012, o São Paulo Futebol Clube homenageou os jogadores que conquistaram o torneio internacional em 1992, no Morumbi, antes da partida entre o Tricolor paulista e o Atlético-MG, válida pelo Campeonato Brasileiro daquela temporada. Da direita para a esquerda: Pintado, Nelsinho, Zetti, Rogério Ceni e Ronaldão Foto: VIPCOMM


Zetti e Valdir Joaquim de Moraes, no início dos anos 90. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes


Da esquerda para a direita, Zetti, Valdir Joaquim de Moraes e Marcos Bonequini. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes


O Tricolor do Campeonato Paulista de 1996. Em pé, da esquerda para a direita: Moracy Sant´tanna (preparador físico, em parte), Sérgio Rocha (preparador físico), pessoa não identificada, Edmílson, Bordon, Serginho, Axel, Zetti e Rojas (treinador de goleiros): Agachados: Válber, Müller, Denilson, Adriano, Belletti, Valdir e o ex-governador e presidente tricolor, Laudo Natel. Foto: Enciclopédia Tricolor


Wanilton Zambroti (preparador físico) e Zetti, em 2004, quando ambos trabalhavam no Ituano, equipe do interior de São Paulo. Foto: arquivo pessoal de Wanilton Zambroti


Foto: Arquivo Pessoal


 


Denílson Show tentando dar um beijo no ex-lateral Zé Maria, enquanto Zetti aparece à esquerda e Júnior Baiano ao fundo. A foto foi tirada em março de 2011, quando os veteranos da Seleção Brasileira enfrentaram em combinado da Chechênia


Da esquerda para a direita: Zetti, Zé Maria, Júnior Baiano, Denílson, Ronaldão e Zinho


Müller e Zetti comemoram gol do São Paulo, contra o Flamengo, na final da Supercopa, no estádio do Morumbi


De pé, da esquerda para a direita, o goleiro Zetti, Ronaldão, Leonardo, Ricardo Rocha, Zé Teodoro e Antônio Carlos. Agachados: Müller, Raí, Macedo, Bernardo e Cafu


Moscatto aparece realizando a defesa, obervado por Zetti. A foto nos foi enviada por José Augusto Moscatto


Da esquerda para a direita: Rogério Ceni, Moscatto e Zetti. A foto nos foi enviada por José Augusto Moscatto


Na imagem, Moscatto aparece defedendo a bola e Zetti, ao fundo, acompanha o treinamento do jovem goleiro. A foto nos foi enviada por José Augusto Moscatto


Em pé, da esquerda para a direita: Moscatto, o massagista Hélio, Alemão, Dr. Sanchez, André Luiz, Nelson, Ailton, Donizete, Rogério Ceni, Zetti, Bentinho, Rogério Pinheiro, Medina e Telê Santana. Agachados: Ronaldo Luís, Denilson, Pereira, Cláudio, Caio (sentado), Palhinha, Altair Ramos, Sierra, Júnior Baiano, Ailton, Juninho e Jair. A foto nos foi enviada por José Augusto Moscatto


com Junior Baiano na zaga, Zetti observa o chute do presidente da Chechênia, Ramzan Kadyrov. Foto: iG/AP


Presidente da Chechênia, Ramzan Kadyrov, financiou a ida da equipe brasileira ao país. Cafú observa o político bater o penalti. Foto: iG/AP


Zetti e Milton Neves em foto da década de 90


A foto é do site oficial de Ronaldo


Zetti com a camisa da Seleção Brasileira de Showbol.


O Tricolor do Campeonato Paulista de 1996. Em pé, da esquerda para a direita: Moracy Sant´tanna (preparador físico, em parte), Sérgio Rocha (preparador físico), pessoa não identificada, Edmílson, Bordon, Serginho, Axel, Zetti e Rojas (treinador de goleiros): Agachados: Válber, Müller, Denilson, Adriano, Belletti, Valdir e o ex-governador e presidente tricolor, Laudo Natel. Foto: Enciclopédia Tricolor


Em 2010, os jogadores do confronto que decidiu o Brasileiro de 1991 se reuniram para uma partida beneficente, em 2010, pela Campanha do Agasalho. Em pé, da esquerda para a direita: O primeiro é Ronaldão, o terceiro é Raí, o quarto é Pintado e depois Antônio Carlos Zago. O penúltimo, de camisa amarela, é Zetti. Agachados: Macedo é o primeiro, Marco Aurélio Cunha é o terceiro e Juninho Paulista é o quarto


Em pé: Adilson, Zetti, Ronaldão, Vitor, Pintado, Ronaldo Luís e Cerezo. Agachados: Hélio Santos (massagista), Muller, Palhinha, Cafu, Raí e Moracy Sant´Anna (preparador físico). Esse time bateu o Barcelona em Tóquio por 2 a 1, com dois gols de Raí


Em pé: Euller, Rogério Ceni, Juninho, Guilherme, Zetti, Válber, Jamelli, e Junior Baiano. Ao centro: Gilmar, Caio, André Luiz e Doriva. Agachados: Axel, Cafu, Vítor e Leonardo


Em pé: Edmílson, Bordon, Serginho, Axel, Zetti e Rojas (treinador de goleiros): Agachados: Válber, Müller, Denilson, Adriano, Belletti e Valdir


O título ficou com o Velez Sarsfield, da Argentina, em pleno Morumbi. Em pé: Axel, Zetti, Vítor, Júnior Baiano, Cafu e Gilmar. Agachados: Hélio Santos (massagista), Euller, Palhinha, André Luiz, Válber e Müller


Em pé: Adílson, Zetti, Ronaldo, Vítor, Pintado, Ronaldo Luís, Cerezo e Altair Ramos (preparador físico). Agachados: Hélio Santos (massagista), Müller, Palhinha, Cafu e Raí


Em pé: Dinho, Zetti, Lula, Macedo, Ronaldão e Marcos (goleiro reserva). Agachados: Moracy Sant´Anna (preparador físico), Palhinha, Pintado, Válber, Maurício e Müller


A foto é do site oficial de Ronaldo


Em 2008, o primeiro título brasileiro do Corinthians completou a "maioridade". Para comemorar a data, o site oficial do clube publicou a foto que mostra o momento exato do toque de Tupãzinho para o fundo das redes de Zetti. Repare que Cafu ainda tentou evitar o gol


O Torneio foi vencido pelo Bahia após emocionante final contra o Inter de Porto Alegre. Em pé estão Zetti, Gérson Caçapa, Nenê, Marcio, Zanata e Denys; agachados vemos Tato, Sílvio, Gaúcho, Edu e Mauro. O repórter de amarelo é Osvaldo Pascoal


Em pé: Zetti, Heraldo, Zanata, Márcio, Denys e Lino. Agachados: Edu Manga, Gérson Caçapa, Gaúcho, Tato e Ditinho Souza


 


No vôo que trouxe de volta ao Brasil a delegação tetracampeã, Mauro Silva segura a taça com Ricardo Rocha, à esquerda, personagem não identificado, Cafu, Zinho e Zetti


Seleção Brasileira de Showbol, em 2007. Em pé, da esquerda para a direita: o irmão mais velho do Paulo "Morsa" Martins, Ricardo Rocha, Ronaldo, Válber, Alexandre Torres, Júnior Baiano, Márcio Santos, Zetti e Paulo Sérgio. Agachados: Müller, Paulo Nunes, Careca, Dunga, Bebeto, Djalminha, César Sampaio e o empresário Todé. Desses, apenas Alexandre Torres e Bebeto "Nhe-nhe-nhén" não passaram pelo trio de ferro Corinthians, São Paulo e Palmeiras


São Paulo campeão brasileiro de 1991 posando no estádio Marcelo Stefani, em Bragança Paulista. Em pé vemos Zetti, Ronaldo, Leonardo, Ricardo Rocha, Zé Teodoro e Antônio Carlos; agachados estão Muller, Raí, Macedo, Bernardo, Cafu e o roupeiro Jairo


 


No dia 16 de dezembro de 1990, este time do São Paulo entrou em campo no Morumbi. E embora o clube fosse o dono do estádio, naquela ocasião se sentiu como visitante diante dos 100.858 pagantes. A fiel torcida do Corinthians, adversário do tricolor, tomou mais de 85% das arquibancadas. Era dia de decisão de Campeonato Brasileiro. No final, deu Timão por 1 a 0, gol de Tupãzinho. Os valorosos vice-campeões brasileiros foram os seguintes: em pé Zetti, Bernardo, Cafu, Leonardo, Ivan e Antônio Carlos; na fila de baixo vemos Mário Tilico, Flávio, Eliel, Raí, Elivélton e o roupeiro Jairo


Acima, foto de 1987. O Galo, do rápido ponta-direita Sérgio Araújo (camisa 7), em ação contra o Palmeiras, do goleiro Zetti e do ponta-esquerda Ditinho Souza (o camisa 11)


Na foto, o goleiro Zetti, então no São Paulo Futebol Clube, e os filhos do jornalista Milton Neves - o primeiro à esquerda é Milton Neves Netto e Fábio Neves à direita do arqueiro do Tricolor Paulista.


Em pé estão Andrei, Élson, Cláudio, Narciso, Gustavo Nery e Zetti; agachados vemos Rodrigão, Lúcio, Michel, Eduardo Marques e Dodô. Fonte: revista Placar


Este time do Santos conquistou a Copa Conmebol contra o Rosário Central. Em pé vemos Zetti, Ânderson, Élder, Sandro, Claudiomiro e Marcos Bazílio; agachados estão Athirson, Eduardo Marques, Alessandro, Fernandes e Narciso


Mário Tilico, em 1991, é o último à direita saudando a pequena torcida tricolor no Morumbi. Ao seu lado temos Cafu, os mascotes Fabio Neves e Milton Neves Netto, Zetti, Bernardo, Elivélton e Flávio


Vejam o São Paulo entrando em campo no Morumbi vazio. Elivelton está à esquerda em cima da risca. Atrás dele, Leonardo. O goleiro é Zetti, a criança com o número 8 às costas é o hoje repórter esportivo Fábio Neves, ao lado de Fábio está Cafu e o camisa 7 é Mário Tilico. Vemos também com a máquina na mão o saudoso fotógrafo Domício Pinheiro, que tão bem retratou a história do futebol brasileiro


Zetti passando pela "latinha" de Milton Neves


Em 1992/93 só dava São Paulo e Zetti era o Rogério Ceni da época


Em pé: Zetti, Dinho, Ronaldão, Cafu, Leonardo e Toninho Cerezo. Agachados: Muller, Doriva, Válber, Palhinha, André. O Tricolor bateu o Milan, futuro time de Leonardo, por 3 a 2


Em pé: Gilmar, Zetti, Vítor, Pintado, Dinho e Ronaldo Luis. Agachados: Müller, Palhinha, Válber, Raí e Cafu. O primeiro da foto, ao lado do zagueiro Gilmar, é o preparador físico Moracy Santana


 


Em pé: Zetti, Márcio Paulada (ex-Atlético Mineiro), Vanderlei, Paraná, Ivo e Clóvis. Agachados: Osmair, Paco, Amarildo, Hélio Ninho e Mané. Zetti depois brilhou com as camisas do Palmeiras, São Paulo, Santos e seleção brasileira. O ponta-esquerda Mané também jogou no Palmeiras. Hélio Ninho defendeu o Botafogo. Outro que defendeu o Fogão foi o centroavante Amarildo, que marcou muitos gols também pelo Inter, em 1987


 


 


3º Tempo da Band em 22 de novembro de 2020. Da esquerda para a direita: Zetti, Marilia Ruiz, Amaral, Larissa Erthal e Milton Neves


Durante o 3º Tempo da Band em 1º de novembro de 2020. Edilson, Marilia Ruiz e Zetti. Foto: Reprodução


Em 2013, durante evento da Mercedes-Benz, Ronaldo Giovanelli, Marcos e Zetti. Foto: arquivo pessoal de Marcos


Para homenagear goleiros que atuaram pelo São Paulo, Marco Aurélio Cunha postou estas três fotos em seu Instagram, com Rogério Ceni, Zetti e Gilmar Rinaldi


Santos campeão do Rio-São Paulo em 1997. Em pé: Zetti, Anderson Lima, Sandro, Marcos Assunção, Rogério Seves e Ronaldão. Agachados: Alexandre, Macedo, Vágner, Robert e Alessandro. A foto é da Revista Placar.


Santos, vice-campeão do Rio-São Paulo em 1999. Em pé: Pedrinho Santilli (treinador de goleiros), Zetti, Argel, Sandro, Claudiomiro, Anderson Lima e Gustavo Nery. Agachados: Caíco, Viola, Jorginho, Marcos Basílio e Alessandro. A foto é da Revista Placar.


Carlos Alberto Spina, o segundo, e Zetti, o terceiro, em 7 de agosto de 2018, no "Caminho dos Ídolos", do SPFC


Equipe esportiva da Top FM, em 2019: Em pé: Luciano Faccioli, Basílio e Zetti. Agachados: Weber Lima e César Sampaio


Claudiomiro e Zetti, em 20 de outubro de 2018, na comemoração dos 20 anos do título do Santos na Copa Conmebol de 1998


Zetti e Narciso, em 20 de outubro de 2018, na comemoração dos 20 anos do título do Santos na Copa Conmebol de 1998


Zetti, em 20 de outubro de 2018, na comemoração dos 20 anos do título do Santos na Copa Conmebol de 1998


Em pé estão Ronaldo Marconato, Esquerdinha, Élder, Zetti, Gustavo Nery e Jean, e embaixo Adiel, Dutra e Marcos Basílio, em 20 de outubro de 2018, na comemoração dos 20 anos do título do Santos na Copa Conmebol de 1998


Zetti, Marco Aurélio Cunha e Leão, em 20 de outubro de 2018, na comemoração dos 20 anos do título do Santos na Copa Conmebol de 1998


Zetti, Marco Aurélio Cunha, Leão e Fabio Lopes, em 20 de outubro de 2018, na comemoração dos 20 anos do título do Santos na Copa Conmebol de 1998


Zetti cercado de torcedores, em 20 de outubro de 2018, na comemoração dos 20 anos do título do Santos na Copa Conmebol de 1998


Em pé: Adílson, Zetti, Ronaldo, Vítor, Pintado, Ronaldo Luís, Cerezo e Altair Ramos (preparador físico). Agachados: Hélio Santos (massagista), Müller, Palhinha, Cafu e Raí


Em pé: Ivan, Adilson, Zetti, Cafu, Ronaldão e Antonio Carlos. Agachados: Hélio Santos (massagista), Muller, Palhinha, Pintado, Raí, Elivélton e Altair Ramos (preparador físico)


Em 1994, o título da Libertadores ficou com o Velez Sarsfield, da Argentina, em pleno Morumbi. Em pé: Axel, Zetti, Vítor, Júnior Baiano, Cafu, Gilmar e Altair Ramos (preparador físico). Agachados: Hélio Santos (massagista), Euller, Palhinha, André Luiz, Válber e Müller


Altair Ramos segurando o troféu da Libertadores, atrás dele aparece o goleiro Zetti


Altair Ramos, Fabio Mello, Marcos Assunção e Zetti, em jogo festivo em 2018


Os dois primeiros da esquerda para a direita são Kalef e Zetti. O último é Válber, em 7 de agosto de 2018 no Morumbi, noite de inauguração do `Caminho dos Ídolos´ do São Paulo Futebol Clube. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT


Em 7 de agosto de 2018 no Morumbi, noite de inauguração do `Caminho dos Ídolos´ do São Paulo Futebol Clube. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT


Zetti e Válber em 7 de agosto de 2018 no Morumbi, noite de inauguração do `Caminho dos Ídolos´ do São Paulo Futebol Clube. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT


César Sampaio, Zetti, Weber Lima, Basílio e Luciano Faccioli no estúdio da Rádio Capital AM, de São Paulo, em julho de 2018. (Foto: Reprodução - Instagram @cesarsampaiocs)


Em 17 de julho de 2018, Zetti posta foto memorável da mesma data, mas em 1994. (Foto: Reprodução - Instagram @zettioficial)


São Paulo no inicio dos anos 90, o goleiro titular Zetti, o treinador de goleiros Valdir Joaquim de Moraes e o goleiro reserva Marcos Bonequini


Carlos Alberto Spina e Zetti no Morumbi em 24 de março de 2018. Foto: arquivo pessoal de Carlos Alberto Spina


Ronaldo Giovaneli, Zetti e Velloso gravam junto para o Dia do Goleiro, em 26 de abril de 2018. (Foto: Reprodução – Instagram @ronaldogiovaneli)


Em 26 de abril de 2018, no Dia do Goleiro, Os Donos da Bola fizeram uma homenagem especial aos arqueiros. Na foto, Ronaldo Giovaneli, Zetti, Nivaldo de Cillo e Velloso. Só craques! (Foto: Reprodução – Instagram @nivaldodecillo)


Em abril de 2018, Ronaldo Giovaneli posta foto junto com Zetti e Velloso, com a legenda: “rivais sim, inimigos nunca”. (Foto: Reprodução – Instagram @ronaldogiovaneli)


Que encontro! Velloso, Zetti e Ronaldo Giovaneli reunidos para gravação no Dia do Goleiro, em 26 de abril de 2018. (Foto: Reprodução – Instagram @lquartarollo)


Time do Londrina em 1985, com Zetti no gol e Adalberto no ataque


Jornalista Beto Saad ao lado do ex-goleiro Zetti, em fevereiro de 2018. (Foto: Reprodução Instagram)


Capa do calendário da Federação Paulista de Futebol do ano de 2018, mostrando os jogadores campeões do Paulista e da Copa do Mundo. Na primeira linha, da esquerda para a direita, veja Gylmar dos Santos Neves, Emerson Leão, Zetti, Marcos, Dida, Rogério Ceni, De Sordi, Djalma Santos, Carlos Alberto Torres, Zé Maria e Cafu. Na segunda linha, veja Belletti, Mauro Ramos, Orlando Peçanha, Jurandir, Joel Camargo, Márcio Santos, Ricardo Rocha, Ronaldão, Roque Jr., Edmilson e Leonardo. Na terceira linha, veja Júnior, Roberto Carlos, Dino Sani, Zito e Clodoaldo. Na quarta linha, veja Mauro Silva, Mazinho, Vampeta, Zequinha, Mengálvio, Gérson, Raí, Ricardinho, Juninho, Zinho e Rivaldo. Na quinta linha, veja Vavá, Coutinho, Viola, Luizão, Ronaldo, Muller, Edilson, Pepe, Edu, Denilson e Pelé.


O São Paulo derrotou o Corinthians por 3 a 0 na final do Campeonato Paulista e ficou com o título, no dia 15 de dezembro de 1991, em partida realizada no Morumbi. Repare na foto a festa após o apito final, à frente de repórteres e torcedores, vemos de mãos dadas Toninho Cerezo, Raí e Zetti. Foto: Reprodução Facebook/Projeto Tóquio


Conquista do Campeonato Paulista de 1991. Da esquerda para a direita, Zetti, Toninho Cerezo, Pintado, Ronaldão e Raí. Foto: Reprodução Facebook/Projeto Tóquio


Com linda taça do Campeonato Paulista de 1991, conquistada pelo São Paulo. Da esquerda para a direita, Zetti, Pintado e Ronaldão. Foto: Reprodução Facebook/Projeto Tóquio


Time do Palmeiras em 1989. Em pé, da esquerda para a direita: Celso Gomes, Zetti, Murilo, Eduardo Galdão, Dorival Júnior e Abelardo. Agachados: Buião, Neto, Celso, Luis e Marcelo. Foto: Arquivo pessoal de Eduardo Galdão


Mitos. Guanair e Zetti. Foto: Reprodução Facebook


Em 2016, ídolos do São Paulo se reuniram no Morumbi. Zetti, Lugano, Rai, Maicon e Rogério Ceni. Foto: reprodução


Em 2016, ídolos do São Paulo se reuniram no Morumbi. Zetti, Lugano, Rai, Maicon e Rogério Ceni. Foto: reprodução


O ex-goleiro Zetti e o Diretor da TV Bandeirantes Marcelo Mainardi, em 2016. Foto: reprodução


Os comentaristas Zetti e Mauro Beting, em 2016. Foto: reprodução


Zetti e a jornalista Natalia Costa no CT do São Paulo, em 16 de novembro de 2015, dia em que participou do `Futebol Solidário´em prol do GRAACC e CAJEC. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


No CT do São Paulo, em 16 de novembro de 2015, dia em que participou do `Futebol Solidário´em prol do GRAACC e CAJEC. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Felipe Massa, o camisa 9, no CT do São Paulo, em 16 de novembro de 2015, dia em que participou do `Futebol Solidário´em prol do GRAACC e CAJEC À esquerda, Popó Bueno e, ao fundo, o ex-goleiro Zetti. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


No CT do São Paulo, em 16 de novembro de 2015, dia em que participou do `Futebol Solidário´em prol do GRAACC e CAJEC. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


No CT do São Paulo, em 16 de novembro de 2015, dia em que participou do `Futebol Solidário´em prol do GRAACC e CAJEC. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


No CT do São Paulo, em 16 de novembro de 2015, dia em que participou do `Futebol Solidário´em prol do GRAACC e CAJEC. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


No CT do São Paulo, em 16 de novembro de 2015, dia em que participou do `Futebol Solidário´em prol do GRAACC e CAJEC. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


No CT do São Paulo, em 16 de novembro de 2015, dia em que participou do `Futebol Solidário´em prol do GRAACC e CAJEC. Foto: Marcos Júnior/Portal TT


Zetti sendo entrevistado pelo jornalista Fábio Salgueiro, que registrado aqui, na década de 1990, ainda era apenas um universitário. Foto: Reprodução


Mauro Beting, a super fã Sandra Cristina e Zetti, no dia 22 de janeiro de 2015


Zetti, em frente a uma das traves onde se consagrou como ídolo do Tricolor Paulista. Foto: Reprodução


Na Rádio Estadão, no dia 11 de março de 2015. Da esquerda para a direita, Velloso, Zetti e Weber Lima


Zetti se profissionalizou pelo Palmeiras em 1986 e ficou no clube por mais três anos. No entanto, foi pelo São Paulo que o goleiro tornou-se ídolo. Ficou no clube de 1990 a 1997. Foto: UOL


Zetti e o garoto Rogério Ceni, no Japão. (Foto: Arquivo pessoal)


Zetti e Edmílson, dois campeões mundiais pela Seleção Brasileira. (Foto: Arquivo pessoal)


Zetti ainda criança. (Foto: Arquivo pessoal)


Zetti, Branco e Cafu durante a comemoração da conquista do tetracampeonato mundial em 1994. (Foto: Arquivo pessoal)


Zetti, Celso Unzelte, Marcelo Duarte e Dudu Monsanto. (Foto: Arquivo pessoal)


Zetti no Palmeiras. (Foto: Arquivo Pessoal)


Em outubro de 2014, Rogério Ceni, Zetti e Kaká, conversando no CT da Barra Funda. (Foto: Arquivo Pessoal)


Neto e Zetti, na concentração da Seleção Brasileira. (Foto: Arquivo Pessoal)


Zetti na Seleção Brasileira. (Foto: Arquivo Pessoal)


Raí e Zetti, vitoriosos com a camisa do São Paulo na década de 90, assistem o jogo do Tricolor juntos. Foto: Reprodução/Facebook Arquibancada Tricolor

****************************************************************

ABRAÇANDO O AMIGO INTERNAUTA

 

De: Fábio Bolla

Para: Milton Neves

Milton Querido. Você é um grande homem! Ter sua amizade me enche de orgulho.
Um vencedor, um cara que batalhou a vida toda para ter suas conquistas. Um nobre pai, um excelente marido e um espetacular profissional.
O que você precisar estou aqui.
Um super bjo
Miltao manda um abraço pro meu filho Lorenzo!
Bjao do amigo Fábio bolla
O Golaço foi o “MAIOR PROGRAMA” que vcoe já apresentou! Seu cabeçudo!

De: Clube do Futebol de Mesa Garça

Para: Milton Neves

Grande Milton Neves, saúde e paz neste ano de 2.022!!
Milton, aqui em Garça tem um grupo apaixonado pelo futebol de mesa (ou botao), e temos um disputado campeonato municipal.
Pois bem, ao longo do ano, jogamos varias etapas, em cada uma procuramos homenagear uma personalidade do esporte, ou garacense do Brasil, desde que ja tenha jogador botão. Como achei uma foto do sr. praticando a modalidade (foto), sugeri a organização, uma etapa com o nome do amigo. Para nós, garcenses, será gratificante.
Estamos elaborando a programação de 2.022, com a ETAPA MILTON NEVES, prevista para o mes de maio. Funciona assim, faremos o troféu com o nome, o campeão leva pra casa.
Pode ser? (só nao vale o sr. querer cobra algo.. Aí nao temos condições para tal).
A título de esclarecimentos, somos um grupo independente, onde bancamos todos os custos da competição. Portanto, nao dependemos de ninguem. Pode acessar no faceboock "Clube do Futebol de Mesa Garça"

 

 

Compartilhe:
Imagem Nuvem de Notificações

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa