Piloto da Penske largou na pole e liderou a maior parte da prova. Foto: IndyCar

Piloto da Penske largou na pole e liderou a maior parte da prova. Foto: IndyCar

Há exatamente dois anos, o francês Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet) vencia a 103ª edição das 500 Milhas de Indianápolis, quebrando um jejum francês na icônica prova que durava desde 1920, ocasião em que Gaston Chevrolet triunfou. Gaston era irmão de Louis Chevrolet, cofundador da Chevrolet Motor Car Company, Gaston Chevrolet morreu naquele mesmo ano de sua vitória em Indinanápolis, aos 28 anos, em um acidente durante uma prova disputada na Califórnia.

Simon Pagnenaud, então aos 35 anos, campeão da Fórmula Indy em 2016, estava em sua quinta participação nas 500 Milhas de Indianápolis. Até então, sua melhor colocação havia sido em 2013, quando terminou em oitavo lugar.

Na edição do ano passado, vencida pelo japonês Takuma Sato (RLL-Honda), Simon Pagenaud, ainda pela Penske-Chevrolet, terminou em 22º.  Atualmente ocupa a sétima colocação do campeonato da Indy, pelo mesmo time, com um pódio na temporada, na etapa de São Petersburgo (Flórida).

No grid para as 500 Milhas de Indianápolis de 2021, definido no último domingo (23), Pagenaud classificou-se em 26º. O neozelandês Scott Dixon (Chip Ganassi-Honda) larga na pole. Dois brasileiros disputaram o chamado "Fast Nine": Tony Kanaan (Chip Ganassi-Honda) larga em quinto e Helio Castroneves (Meyer Shank Racing-Honda) larga em oitavo. Pietro Fittipaldi (Dale Coyne-Honda) parte do 13º lugar.

COMO FOI A PROVA EM 2019, VENCIDA PELO FRANCÊS SIMON PAGENAUD

Partindo da pole, Pagenaud liderou a maior parte da corrida mas precisou usar de muita habilidade para vencer a disputa derradeira pela vitória com o norte-americano Alexander Rossi (Andretti-Honda), que largou em nono e almejava repetir a conquista que obteve em 2016.

Pagenaud e Rossi se revezaram na liderança nas 14 voltas finais, isso após a prova ser interrompida com bandeira vermelha por conta de um acidente que envolveu vários carros. Os dois cruzaram a linha de chegada separados por apenas 0s2086.

O japonês Takuma Sato, vencedor da prova em 2017, acabou sendo uma surpresa em terceiro lugar, a partir do 14º posto no grid. O piloto da RLL-Honda apareceu bem no momento decisivo, mas claramente sem ter um carro tão equilibrado e veloz para brigar pela vitória, nem mesmo pelo segundo lugar.

Além da vitória com Pagenaud, a Penske ainda colocou mais dois carros no top-6, com Josef Newgarden em quarto e Will Power em quinto. Ed Carpenter (Ed Carpenter-Chevrolet) foi o sexto, após ter largado em segundo.

Ainda sobre a Penske, a última vez que um piloto que largou na pole venceu foi a bordo de um carro do time de Roger Penske, no caso Helocastroneves, em 2009, ano em que ganhou a prova pela terceira vez.

OS BRASILEIROS

Tony Kanaan (Foyt-Chevrolet) venceu as limitações de seu carro para completar a prova em um bom nono lugar. Matheus Leist, seu companheiro de equipe, foi o 15º, enquanto Helio Castroneves completou em 18º.

CLASSIFICAÇÃO FINAL DAS 500 MILHAS DE INDIANÁPOLIS  EM 2019

 

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A HOME DE AUTOMOBILISMO DO PORTAL TERCEIRO TEMPO 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O CANAL DO BELLA MACCCHINA NO YOU TUBE

 

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa