A grande maioria gasta mais do que arrecada.  E só consegue recuperar o fôlego vendendo jogadores

A grande maioria gasta mais do que arrecada. E só consegue recuperar o fôlego vendendo jogadores

Se o mundo ainda não sabe como será o "novo normal", pelo menos já tem uma certeza: muitos setores serão fortemente atingidos pela crise - o futebol dentre eles.

 
Em dezembro do ano passado, o prestigiadíssimo jornal  `Financial Times` já previa que – após anos de má administração financeira e corrupção - muitos dos maiores clubes do Brasil chegariam à beira do colapso, e, numa análise ainda sem o cenário de pandemia, alguns deveriam quebrar financeiramente em pouco tempo.
  
“Alguns clubes não sobreviverão a 2020”, disse Cesar Grafietti ao `Financial Times` o economista esportivo do Itaú Unibanco.
 
Na última década, a dívida acumulada das 20 equipes da liga subiu 176%, para R$ 6,9 bilhões (US $ 1,7 bilhão), mesmo que a receita com direitos de TV tenha aumentado 160%, para R $ 2 bilhões.
 
Para agravar a questão, dizem os analistas, é que os próprios clubes estão resistindo à própria reforma necessária para salvá-los – uma dose de gerenciamento profissional.
 
 “O problema no futebol brasileiro é a falta de profissionalização.  Os clubes são administrados como reinos pessoais ”, disse Amir Somoggi, diretor do Sports Value, um grupo de inteligência de mercado.
 
No ponto crucial está a recusa das autoridades esportivas do Brasil em transformar o jogo para atender aos requisitos da competição globalizada.  Em contraste com a Europa, onde o jogo é dominado por ligas profissionais e equipes adotam estruturas de empresas, o Brasil se apega a um modelo tradicional de clubes.
 
 As maiores equipes do país, como Cruzeiro, Corinthians e São Paulo, são administradas como organizações sem fins lucrativos, com executivos poderosos escolhidos por voto popular entre os clubes.  Críticos dizem que o resultado é má administração financeira e, em alguns casos, são enxutos.
 
 “Como os executivos não são responsáveis por nenhum proprietário, eles não investem, fazem coisas ruins para a marca.  E no final de um mandato de três anos, eles partem ”, disse Somoggi.
 
 Grafietti disse: “A maioria dos clubes gasta mais do que arrecada.  E então eles recuperam o fôlego vendendo jogadores".
 
 
LEIA TAMBÉM NO BLOG DO MARCONDES
 
As manchetes dos jornais desta 2ª feira 
 
CONTROLE REMOTO- O que você pode ver hoje na TV
 
A primeira lição para Domènec: o Atlético não é nenhum Volta Redonda da vida
 
 
Andrés Sanchez, ex-deputado pelo PT, já não morre de amores pelo ex-presidente Lula
 
Segundo o jornal Olé, Boselli pode trocar o Corinthians pelo Independiente 
 
Pesquisa PoderData aponta que não estava na hora de voltar com o futebol, mesmo sem torcida

Você também vai gostar

Últimas do seu time

  • Tabela

  • BRASILEIRÃO 2019

  • Classificação
    Pontos
  • 1 Bah
    0
  • 2 Atl
    0
  • 3 Cor
    0
  • 4 Spo
    0
  • 5 Red
    0
  • Veja tabela completa